quarta-feira, 3 de julho de 2013

Hamas mata no Egipto!


“Se o preço que devo pagar por defender a legitimidade é o meu sangue, estou disposto a pagá-lo", disse Morsi. Já depois do discurso, pelo menos 16 pessoas foram mortas."

Público

Com a paixão do costume, a publicação filo-muçulmana atribui as mortes aos que contestam a islamização do país.
Um novo relatório afirma que pelo menos quatro membros palestinianos do Hamas estiveram envolvidos no recente tiroteio e na morte de oito egípcios durante os protestos anti-Morsi. Os confrontos ocorreram perto da sede da Irmandade Muçulmana em Muqattam.
Um vídeo divulgado ontem mostra pessoas dentro do prédio - agora não apenas os membros da Irmandade, mas aparentemente do Hamas, disparando contra os manifestantes:



Nada disto deveria surpreender: o Hamas é o ramo palestiniano da Irmandade Muçulmana - para não mencionar que uma recente decisão do tribunal confirmou que em 2011 a evasão de Morsi foi auxiliada pelo Hamas.
O Hamas tem uma longa história de vir em socorro de Morsi - outro indicador das ligações terroristas do presidente egípcio.

in Jihadwatch/Observatório da Guerra Santa

1 comentário:

  1. “Se o preço que devo pagar por defender a legitimidade é o meu sangue, estou disposto a pagá-lo"

    Por lá, tal como por cá, parece que o político no poder não consegue perceber uma coisa muito importante: se o povo que o elegeu (e não só) protesta contra medidas tomadas que não faziam parte do programa eleitoral então não tem legitimidade para as tomar.

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.