quinta-feira, 4 de julho de 2013

Obama contrariado!

Manchete em Inglês num jornal egípcio: «É UMA REVOLUÇÃO, NÃO UM GOLPE, SENHOR OBAMA!»:

A Irmandade Muçulmana está a ser travada no Egipto, e há muito quem chore, clamando que a Irmandade Muçulmana foi eleita democraticamente. Mas a vitória em eleições nunca deu carta branca para a ditadura.

As recentes declarações de Obama são bem reveladoras do seu desapontamento, e vêm dar força à Irmandade Muçulmana, que as pode usar como pretexto para voltar ao Poder no Egipto.

A Irmandade Muçulmana é um grupo terrorista cujo lema é "Allah é o único objectivo. Maomé o único líder. O Corão a única Lei. A jihad é o único caminho. Morrer pela jihad de Allah é a nossa única esperança". Após ter vencido as eleições no Egipto, A I.M. instalou um regime tirânico, ontem deposto, com a prisão domiciliária do Presidente Morsi, também ele implicado em actos terroristas.
Obama tem apoiado sempre e em toda a parte o supremacismo islâmico e a Sharia. Ficou contrariado.


"Obama lança revisão da ajuda ao Egipto na sequência do golpe militar"

- por Jilian Pecquet for The Hill, 3 de Julho :

O President Obama declarou-se ontem à noite "muito preocupado" com a reviravolta política ocorrida no Egipto, e, em consequência, decidiu rever a ajuda militar ao país.
Na sua primeira declaração desde que o povo e as Forças Armadas desalojaram Morsi e a Irmandade Muçulmana do Poder, Obama declarou que os Estados Unidos não tomam partido, e evitou usar a palavra "golpe" para descrever o ocorrido. Apelou aos militares para que "providenciem rapidamente a restauração do poder e a sua entrega a um governo civil e democraticamente eleito".
"Os Estados Unidos estão a acompanhar a situação incerta no Egipto e acreditamos que o futuro do Egipto só pode ser decidido pelos egípcios", declarou Obama, "contudo, estamos profundamente preocupados com a decisão das Forças Armadas do Egipto de removerem o presidente Morsi e suspenderem a Constituição".
"Apelo aos militares para que rápida e responsavelmente devolvam a autoridade total a um governo civil eleito, assim que possível, através de um processo inclusivo e transparente, e que evite as prisões arbitrárias, como a de Morsi e seus colaboradores. Atentendo aos desenvolvimentos de hoje, decidi também dar ordem aos departamentos estatais norte-americanos para reverem a nossa assistência ao Governo do Egipto".
Os Estados Unidos dão 1 bilião e meio de dólares de auxílio ao Egipto, sendo 1,3 biliões sob a forma de assistência militar. Muita da ajuda é requerida pelos tratados de paz de 1979 com Israel, mas a lei norte-americana não autoriza a ajuda financeira a países geridos por militares.

Entretanto, Mohamed Al Zawahiri, alta figura da al-Qaeda a residir no Egipto, considerou que "os muçulmanos moderados são apóstatas e devem ser mortos, de modo a evitar-se a divisão". Apelou à "guerra santa" contra eles.

Nos Estados Unidos, vários movimentos islamistas próximos de Obama e do Hamas, e financiados pelo Governo, protestaram contra a deposição do Governo de Morsi e da Irmandade Muçulmana.

Os cristãos egípcios, para além de toda a espécie de perseguições e actos bárbaros que têm sofrido, foram ameaçados para não contestarem o Governo nas manifestações.

Exemplar de uma carta de ameaça aos cristãos egípcios

O rapto e tortura de crianças cristãs tem sido amplamente usado pelos islamistas radicais no Egipto.

Em Abril, islamistas radicais egípcios atacavam a Catedral de S. Marcos e queimavam exemplares da Bíblia. S. Marcos é para os coptas o que o Vaticano é para os católicos. Nos últimos anos os terroristas islâmicos fizeram explodir bombas em diversas igrejas do pais, nas celebrações do Natal. E cá fora a Polícia esmagava com carros de combate os cristãos que fugiam.

Alguns exemplos da jihad aos cristãos egípcios:

Atrocidades sortidas (atenção à parte final, quando crianças muçulmanas nas escolas se manifestam pela chacina dos cristãos):




Aqui, uma menina cristã copa é violada em grupo por muçulmanos, um processo de islamização muito usado por lá. Detalhes em http://atlasshrugs2000.typepad.com/atlas_shrugs/2011/06/christian-girl-being-sexually-abused-to-make-her-convert-to-islam.html


Rapariga cristã copta violada por manifestantes islamistas à luz do dia, com os inevitáveis gritos de Allahu Akhbar:


Repórter ocidental atacada e sexualmente agredida por muçulmanos no Egipto (os clérigos muçulmanos decretaram que era permitido violar as mulheres aquando dos protestos). Gangues de violadores de mulheres e espancadores de homens foram contratados pela Irmandade Muçulmana para calar os protestos da Primavera Árabe no Egipto.




Clérigo muçulmano explica que é lícito aos muçulmanos egípcios chacinarem os cristãos coptas, tal como o profeta Maomé chacinou os judeus de Al Medina.

Explica também que onde os muçulmanos estão mais fracos devem limitar-se a acções menos radicais, tais como aquilo que aconselha aos muçulmanos de Gaza: lançarem mísseis sobre Israel! Onde são mais fortes... ordem para chacinar!


Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.