domingo, 28 de julho de 2013

Conversando com o Rabbo

 Foto

No Público, ainda há quem se surpreenda com a atitude dos adeptos da organização terrorista Irmandade Muçulmana, que continuam desolados com a perda do Poder. Os ocidentais ainda não compreenderam que no Egipto, como em todo o mundo islâmico, o problema não é político, mas sim religioso. O problema no Egipto é que metade da população não quer viver sobre a lei islâmica, independentemente da religião que cada um professe. Metade quer liberdade e democracia. E a outra metade quer Islão e defende que a lei islâmica deve ser imposta a TODOS.




Muhammad disse: "Quem mudar de religião islâmica, deve ser morto." (Bukhari 9.84.57). A pena de morte por apostasia é parte da lei islâmica, de acordo com todas as escolas de jurisprudência islâmica. 

Todas as escolas de jurisprudência islâmica ensinam que um homem adulto sadio que deixa o Islão deve ser morto. Têm algumas divergências sobre o que deve ser feito com outros tipos de pessoas que deixam o Islão, mas sobre isto não têm nenhuma discordância.


"Egípcio islâmico justifica assassinato do secularista Intelectual Farag Foda em 1992" de MEMRI, 14 de Junho:

    
A seguir, trechos de uma entrevista com o egípcio islâmico Abu Al-'Ela Abd Rabbo, um dos assassinos de secularista Farag Foda em 1992. A entrevista foi para o ar na Al-Arabiya TV a 14 de Junho de 2013

    
Entrevistador: Qual foi a justificativa religiosa para o assassinato de Farag Foda?

    
Abu Al-'Ela Abd Rabbo: A punição para um apóstata é a morte, mesmo se ele se arrepender.

    
[...]

    
Se alguém amaldiçoa Alá ou o Profeta em público, deve ser punido com a morte. O castigo por apostasia é a morte.

    
Entrevistador: Quem é encarregado de realizar este castigo?

    
Abu Al-'Ela Abd Rabbo: Se houver um governante justo, muçulmano - ou mesmo um tirano que implemente as punições decretadas por Allah - ele deve ordenar essa punição. Mas se isso não for o caso, e o governante não implementar a sharia, qualquer um dos cidadãos tem o direito de realizar o castigo de Allah.

    
[...]

    
Entrevistador: E sobre os filhos de Farag Foda, que o vêem agora desfrutando de sua liberdade? Você não respeita os sentimentos deles? Afinal, você matou-lhes o pai.

    
Abu Al-'Ela Abd Rabbo: Com todo o respeito, você deve parar de usar esses métodos venenosos, que visam provocar os sentimentos dos telespectadores ...

    
Entrevistador: Não são métodos venenosos ...

    
Abu Al-'Ela Abd Rabbo: Antes de falar sobre a família de Foda, deixe-me perguntar-lhe se não se sente magoado por alguém que amaldiçoou o Profeta e suas esposas? O que lhe dá maior dor e tristeza? Se me disser que é a morte de Farag Foda, então deve reexaminar a sua fé. Mas se você me disser que lhe causam maior dor os ataques contra o Profeta, as suas mulheres, e o Alcorão, então terá respondido à sua própria pergunta.

    
Farag Foda está morto, e receberá suas justas compensações no outro mundo. Vamos seguir em frente ...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.