quinta-feira, 18 de julho de 2013

Give me Some Water




O Público está em festa! E com razão! "O grande ayatollah Assadolah Bayat Zanjani" (sic) autorizou a que em certos casos se possa beber água durante o Ramadão!


O que nos deixou preocupados foi o comentário de um leitor anónimo:

"Parabéns ao ayatollah por ter bom senso nesta questao. O sheik Munir, paquistanes residente em Portugal, é mais extremista que este grande ayatollah iraniano. Nao me surpreende."

Não sabíamos que ele era paquistanês..

5 comentários:

  1. Fez toda a sua formação religiosa no Paquistão e veio para Portugal depois disso, é por isso que se pode considerar este individuo (meio iemenita, meio moçambicano) paquistanês.

    ResponderEliminar
  2. metade iemenita, metade mocambicano, estudou no Paquistao.

    ResponderEliminar
  3. Tinha a ideia de que era de origem iemenita mas pensava que era natural de Moçambique. Já o vi na TV a contar que aprendeu o Corão de cor em pequenino, etc.. É uma pessoa simpática, sem dúvida. Gostava era de o ouvir a condenar o terrorismo islâmico.

    Abraço,

    I.B.

    ResponderEliminar
  4. "O sheik Munir, paquistanes residente em Portugal, é mais extremista que este grande ayatollah iraniano"

    Não era essa a ideia que eu tinha dele. Sempre me lembro de ele ser apontado como um exemplo de tolerância e diálogo entre religiões. Vai-se a ver e é como nos EUA: há muitos clérigos muçulmanos anteriormente apontados como moderados que hoje em dia ou estão a cumprir pena por ajudarem organizações terroristas ou fugiram para outros países para não serem julgados por ajudar organizações terroristas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, se ele é ou foi apontado como exemplo de tolerância não sei. Só o vi aquando da entrevista do 5 Para a Meia Noite, e a ideia com que fiquei dele é que a calma era só fachada e que se apertassem com ele o verniz estalava todinho. A cara com que mandou aquela do acertar é muçulmano era mesmo de gozo.

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.