terça-feira, 23 de julho de 2013

Campo Jihad. Solução de dois estados? Só se não depender das Nações Unidas.

Via Israel National News.

Quem diria? A Organização das Nações Unidas, cujo objetivo declarado é a defesa dos direitos humanos e a realização da paz mundial, financia campos para crianças onde se incita ao anti-semitismo e ódio contra Israel.

Os jornalistas Gil Ronen e Ari Soffe realizaram um documentário acerca dos campos de verão para crianças patrocinados pela UNRWA (do inglês United Nations Relief and Works Agency for Palestine Refugees in the Near East, em português Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Próximo Oriente). Numa parte, as crianças são ensinadas a cantar "Com a ajuda de Deus e com a nossa força partiremos para a guerra. E com educação e jihad voltaremos!". Outro canto diz que "A Palestina vai do rio até ao mar!". Os judeus são descritos como "lobos" que "nos [árabes e palestinianos] expulsaram e deportaram" e "um grupo de cristãos e infiéis que odeiam árabes".


Documentário disponível aqui.


Vale a pena relembrar que a grande maioria dos Palestinianos em campos de refugiados não foram expulsos de Israel, tendo sim saído de livre vontade em 1948 e 1967 por temerem pela vida, não por parte dos Israelitas mas sim por parte dos países árabes cuja propaganda acerca de como iam invadir Israel incluía expulsar os judeus e os seus colaboradores -incluindo árabes, palestinianos e muçulmanos que não lutassem ativamente contra o estado de Israel- para o mar. Os judeus que fugiram de países árabes para Israel para escapar à perseguição religiosa e racial foram integrados na sociedade israelita. Os palestinianos e árabes que fugiram de Israel para os países árabes para fugir da invasão árabe foram colocados em ghettos e campos de refugiados, tratados como cidadãos de 2ª classe e exibidos à comunidade internacional como exemplos da crueldade e má-conduta israelita.

Outras declarações/cânticos de crianças nesses campos:

"A minha mãe diz ao vizinho:/ arranja pedras/ para atirar à patrulha [israelita]" 
"Quero voltar a Kafar Kassem quer os judeus queiram ou não. Vou derrotar os judeus. São um gang de infiéis e cristãos. Eles não gostam de Alá e não adoram Alá. E eles odeiam-nos."
"[A que jogos é que as crianças brincam?] Palestinianos contra judeus, matamo-nos uns aos outros. [Como é que vão derrotar os judeus?] Com mísseis!"
"Nunca haverá paz entre nós e Israel."
"Tenho de voltar à minha terra e reconquistá-la. É o meu direito. Como Palestinianos temos de defender a nossa honra e recapturar a nossa terra."
"Nada de negociações. Atacar aos poucos não é a forma correta. Se os atacarmos todos ao mesmo tempo, essa é a solução."
"[Como é que vão voltar?] Lutado. [Como é que vão lutar?] Temos de nos unir e lutarmos todos juntos para conseguirmos voltar."
"Quando morremos como mártires vamos para o Céu/ Não digam que somos crianças porque a vida nos fez mais velhos/ Na Palestina não há infância/ Não há infância sem Palestina."

Ensinamentos de uma das professoras:

"O que aconteceu no campo de [refugiados de] Balata? Nós oferecemos mártires! Prisioneiros! Bombistas suicidas! Casas foram destruídas! O que aconteceu neste campo [de refugiados]? Quem é da família de um mártir? Quem tem pais ou irmãos mártires ou na prisão? [algumas crianças levantam os braços] Porque é que eles foram mártires? Para libertar Al Aksa e regressas a Haifa e Jaffa. A Palestina é uma terra árabe do rio até ao mar!"

Volto a lembrar: estes campos são patrocinados pela UNRWA, ou seja, patrocinados por fundos vindos dos contribuintes americanos, ingleses e da União Europeia. Como é possível que dinheiro ocidental esteja a ser utilizado para incutir anti-semitismo e ódio a Israel em crianças árabes e palestinianas?

1 comentário:

  1. Esta é uma das muitas e monstruosas hipocrisias da ONU, Estados Unidos e países europeus contribuintes da UNRWA. Senão, vejamos:

    - Como se compreende e aceita que a UNRWA tenha sido criada em 1948 como agência temporária para resolução do problema dos refugiados 'palestinianos' e, não só não o tenha resolvido, como tenha 'engordando' como agência da ONU ao longo dos anos e seja um dos principais fóruns utilizados pelos 'palestinianos' na sua campanha interna e internacional contra Israel?

    - E como compreender que se mantenha como agência da ONU exclusiva para os 'palestinianos' quando a ONU tem uma agência própria para auxílio aos refugiados de todo o mundo, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (UNHCR)?

    - E, para cúmulo, como compreender e aceitar que a UNRWA mantenha campos de refugiados em território da administração da Autoridade Palestiniana e na Faixa de Gaza?

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.