domingo, 7 de julho de 2013

Kadafi: Tortura e escravatura sexual




Debaixo do nariz dos líderes mundiais, que se pelavam por visitá-lo na tenda, o monstro Kadafi violava raparigas e rapazes e mantinha-os como escravos sexuais. Há quem o adore, mesmo aqui no Ocidente.

"Sou o Papá": Escrava sexual de Muamar Kadafi  revela pesadelo de estupro, medo e cativeiro"

Maureen Callahan para o New York Post, 7 de Julho:
    ... Embora Kadafi lho tenha dito, Soraya não queria acreditar que era sua escrava, e que estaria lá para o atender sempre que ele quisesse. Para muitos admiradores, Kadafi era um feminista, com o seu famoso corpo de "Guardas Amazonas", prova do seu respeito para com as mulheres, confiando-lhes a sua própria segurança. Nenhum outro líder do Médio Oriente poderia pensar em tal coisa. Ele foi o autor d' "O Livro Verde", em que defendia a igualdade das mulheres. E tinha muito orgulho em insultar o Ocidente sobre suas deficiências nesta área.
    "Muamar Kadafi foi o único que abriu oportunidades para nós avançarmos", disse um membro feminino do seu staff à Associated Press em 2011. "É por isso que nos apegamos a ele, é por isso que o amamos. Ele deu total liberdade às mulheres para entrar nas forças policiais, trabalhar como engenheiros, pilotos, juízes, advogados. Tudo. "
    Na verdade, a Guarda Amazónica foi uma fachada: a maioria dessas mulheres também eram escravas sexuais de Kadafi. Ele comprava as vítimas em casamentos, escolas e cimeiras. Mantinha um apartamento secreto na Universidade de Trípoli, onde raptava e estuprava alunas. Revelou seduzir as esposas e namoradas de chefes de Estado, embaixadores, vários dignitários. Tomava Viagra para fazer sexo pelo menos quatro vezes por dia, com quatro pessoas diferentes. É justo dizer que toda a população da Líbia existia para saciar os seus apetites sexuais depravados ....
    Soraya ficou ainda mais chocada ao ver na tenda o garboso Tony Blair de visita a Kadafi, sem cogitar das atrocidades cometidas sob o seu nariz. "Olá, meninas!", exclamou.

    Essas "meninas", como a maioria de todos na órbita do ditador - homem ou mulher, jovem ou velho, conselheiro ou genro - eram seus escravos pessoais.
(...) 
Na sua terceira noite, Soraya foi levada a Kadafi novamente, e ele estuprou-a tão violentamente que ela sangrou por 36 horas. (Depois da revolução, o cozinheiro de Kadafi disse ao The Times of India que muitos dos escravos sexuais do ditador sofreram ferimentos internos brutais "mas foram retirados imediatamente dos seus quartos no hospital.")

    A partir do momento em que ela chegou, Kadafi assediava a Soraya constantemente, e ela mal podia conter a repulsa pelo grotesco indivíduo. Ele comia alho ao pequeno-almoço, fumava, emborcava Johnnie Walker Black, cheirava cocaína - e obrigava Soraya a fazer o mesmo.  Estava permanentemente bêbado ou drogado. Violou-a logo depois de ter violado uma escrava infectada com hepatite. E urinou sobre ela. Uma vez ela foi convocada para a sala de Kadafi só para o ver estuprar um rapaz, enquanto outro foi forçado a vestir-se de mulher e a dançar. Kadafi terminou, expulsou-os e a seguir violou Soraya.

    "Ele era repulsivo", disse ela. "E era o presidente do meu país."


    Ela ficou chocada com a hipocrisia. Este grande ditador muçulmano nunca rezava, bebia, fumava e violava quem estivesse à mão, viajou de avião com carregamentos de escravas sexuais e ignorou todos os sacrifícios exigidos durante o mês sagrado do Ramadão: o jejum, a oração, o celibato - não cumpria nenhum. Durante este tempo, ele continuava a ter sexo - desde que não ejaculasse, dizia ele, não contava.

    "É o Ramadão, em estilo Kadafi",
explicou uma das raparigas ...
.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.