sábado, 23 de agosto de 2014

James Foley e os pseudo-pacifistas


 

Um dos  poucos vídeos que ainda se encontram online, da decapitação de James Foley pelos bárbaros muçulmanos do ISIS. Milhares de pessoas que são assassinadas diariamente pelo ISIS e outros grupos terroristas islâmicos, não mereceram atenção quase nenhuma dos media. A nacionalidade norte-americana desta vítima, captou atenções, e os media não puderam escamotear. A criminosa política de Defesa de Obama é responsável por mais esta morte, diga-se de passagem. Sob Obama, as baixas norte-americanas cresceram exponencialmente, como temos demonstrado. E o deus-homem queniano continua no seu golfe, enquanto o Mundo se desmorona.

 

Entretanto, o vídeo da decapitação do jornalista norte-americano James Foley pelos bárbaros muçulmanos do ISIS, tem sido alvo de protestos por parte de figuras públicas como Louise Mensch, Mia Farrow e outras, que exigem a sua remoção. Segundo esta gente, devemos estar-nos todos nas tintas para o James Foley e para todas as vítimas do Islão, porque "o que é preciso é cultivar a paz"...

O Governo Chinês tem uma abordagem diferente da questão. Alvo de inúmeros ataques destes bárbaros nos últimos meses, a China prefere mostrar a todos os cidadãos o que é o Islão. O vídeo está a passar em loop na baixa de Pequim:

Segundo o batido argumento pseudo-pacifista, isto...

"Pode despertar o ódio"

Escrevi  há cerca de 1 ano:
"É preocupante a complacência ocidental, politicamente correcta e boazinha, para com a barbárie e o terrorismo islâmico que invadem a nossa Sociedade. Noutro dia, alguém me chamou a atenção para que este blog «pode despertar o ódio». Repare-se na inversão de valores! Estas pessoas matam, torturam, violam, mutilam, perseguem, e está tudo bem. Devemos é ficar caladinhos, para não «despertar o ódio».

Para chegar a tal conclusão, o meu amigo que assim falou, baseou-se em 10 segundos aqui no blog, e na sua firme intenção de «não querer saber nada acerca do Islão, pois é tema que não lhe interessa».
Pessoa de elevadíssimos padrões morais (sem ironia), perguntou-me: «Mas tu queres salvar o mundo?!...». Tem filhos, e quer o melhor para eles. Pensará nos filhos e nas filhas dos outros, que aqui no Mundo Livre, como lá na barbárie islamista, sofrem atrocidades? Ainda era capaz de ter ficado chateado comigo se o tivesse mandado bardamerda."
 

3 comentários:

  1. Caros amigos.
    No Post abaixo, faz-se a pergunta: um dia seremos todos israelitas?
    Isso, se tivermos sorte. COm um pouco de azer seremos "cristãos do médio oriente" ou Yazidis.
    Ah, e somos nos que cultivamos o ´´odio? (??!!). A estupidez humana não deixa de me surpreender.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, caro amigo. Eles, que enterram e queimam pessoas vivas, que as comem em nome do Alá, estão acima de qualquer crítica, pois a mentalidade politicamente correcta convencionou que o islão é inquestionável. Não é possível dialogar com tal «gente».

      J.J.

      Eliminar
  2. Afinal o James Foley era pró-islão e anti-israel. Saiu-lhe o tiro pela culatra?

    http://www.frontpagemag.com/2014/dgreenfield/james-foley-went-looking-to-support-terrorists-in-syria-instead-they-cut-off-his-head/#.U_QIABwxN5M.twitter

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.