segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Gays e Hamas

Numa recente manifestação de apoio ao terrorismo do Hamas, apareceu alguém trajado com a bandeira "arco-íris". Alberto Gonçalves, numa penetrante análise, diz o seguinte no Diário de Notícias:
 
 
Gays" pela Palestina: a sério?
 
Três mil pessoas protestaram junto à embaixada de Israel contra a "ocupação sionista", o "massacre da Palestina", o "genocídio de Gaza" e o "estado terrorista" que "mata mulheres e crianças".
 
Curioso. Haverá em Lisboa dezenas de embaixadas de regimes de facto terroristas que ocupam ilegalmente territórios, praticam massacres e arremedos de genocídio e assassinam mulheres e crianças. Porém, nunca nenhum desses edifícios é incomodado com aglomerações de ociosos aos gritos. À primeira vista, ou os indignados profissionais só se preocupam com as vítimas árabes ou com os "crimes" israelitas. À segunda vista, fica claro que, como as matanças de sírios, líbios ou palestinianos "dissidentes" não merecem um resmungo, o problema é apenas com Israel. Deixo à imaginação, ou às recorrências da história, a tarefa de perceber porquê.
 
Mas não falemos de coisas tristes. Na manifestação em causa, além dos lencinhos fedayin e geral parafernália típica destas pândegas, exibiu-se pelo menos um sujeito com a bandeira do arco-íris, marca do "orgulho gay". Não imagino nada tão peculiar quanto a defesa do Hamas através de um símbolo que o Hamas pune com prisão, tortura e, quando calha, execução. Já que os indignados profissionais gostam de comparar a invasão de Gaza ao Holocausto, seria o mesmo que um apoiante de Hitler ostentar a estrela de David nos comícios do Deutschlandhalle. Seria, não: é.
 
 
o futuro dos gays às mãos de quem hoje os mesmos apoiam 

1 comentário:

  1. Falar mal de Israel é moda.
    Na verdade, sempre foi.
    Imbecis sensibilizados por imagens chocantes de crianças mortas que ficam acusado o Estado Israel de praticar crimes de guerra, genocídio etc.
    Mas essas mesmas pessoas fecham os olhos ao atos de guerra praticados contra Israel.
    Israel tem o direito de se defender. Israel tem o direito de se proteger e Israel tem o direito de reagir em caso de agressão e atos de guerra praticados contra si e contra seu povo.
    E, sobretudo, Israel não tem culpa se os "terroristas" do Hamas são coverdes e usam crianças como escudo humano para praticar seus atentados contra Israel.
    Se existem culpados pelas mortes de crianças, são o Hamas e os próprios pais de referidas crianças, que as doutrinam desde a mais tenra idade a odiar Israel e os judeus e que permitem que sejam usadas como escudos humanos nessa guerra.

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.