quinta-feira, 1 de maio de 2014

Israel não vai permitir novo Holocausto!


Israel, um Estado forte que defende o povo judeu
Em véspera do Dia Memorial do Holocausto de 2014, o anti-semitismo está a aumentar em todo o mundo, e Israel enfrenta a ameaça de aniquilação. Mas, ao contrário dos anos antes de 1948, o Estado judeu é hoje um estado soberano e vai defender o povo judeu.O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, na véspera do Dia do Holocausto, disse no início da reunião semanal de gabinete:


"Hoje à noite vamos lembrar os Mártires e Heróis do povo judeu que caíram durante o Holocausto. O Estado de Israel vai honrar a memória dos seis milhões de vítimas do Holocausto. A principal diferença entre a impotência dos judeus durante o Holocausto e a situação dos judeus hoje, é que hoje temos um Estado forte e soberano, com um forte exército que pode defender o povo judeu contra aqueles que buscam acabar com as nossas vidas."
Benjamin Netanyahu, disse durante a reunião semanal de gabinete que Israel vai defender o povo judeu. (Foto: Amit Shabi/FLASH90)

O Hamas quer criar um novo Holocausto, diz Neyanyahu

"O Irão tem declarado a sua intenção de nos destruir. Além dos seus esforços para adquirir armas nucleares, o Irão financia o grupo terrorista Hamas e outras organizações terroristas nas nossas fronteiras. O Hamas nega o Holocausto, enquanto tenta criar um novo Holocausto, ao destruir o Estado de Israel.
É com este Hamas que [o presidente da Autoridade Palestina] Abu Mazen [aliás Mahmoud Abbas] escolheu formar uma aliança na semana passada."

Netanyahu referia-se ao acordo de unidade entre Fatah e Hamas, que foi anunciado na quinta-feira. Desde que Abbas escolheu alinhar com uma organização terrorista cujo objectivo é destruir o Estado de Israel e matar os judeus em todo o mundo, as negociações de paz entre israelitas e palestinos cessaram.
"Em vez de apenas emitir declarações destinadas a aplacar a opinião pública mundial, Abu Mazen tem que escolher uma aliança com o Hamas, uma organização terrorista que defende a destruição de Israel e nega o Holocausto, e uma paz real com Israel. Esperamos que em breve ele quebre essa aliança com o Hamas e volte ao caminho da verdadeira paz", disse Netanyahu.Além disso, na véspera do Dia Memorial do Holocausto, conhecido em hebraico como Yom HaShoah, o Dr. Moshe Kantor, presidente do Congresso Judaico Europeu, disse numa conferência de imprensa: "A vida judaica na Europa tornou-se insustentável."
 

Um homem judeu visita a "Câmara do Holocausto" , no Monte Sião, na Cidade Velha de Jerusalém , na véspera do Dia da Lembrança do Holocausto. (Foto: Hadas Parush / 90 flash)
Kantor analisou a pesquisa anual realizada pelo Centro Kantor para o Estudo do Judaísmo e pelo Banco de Dados da Europa Contemporânea Moshe Kantor para o Estudo do Anti-semitismo Contemporâneo e Racismo da Universidade de Tel Aviv, em cooperação com o Congresso Judaico Europeu.

"De acordo com a pesquisa, quase metade da população judaica está com medo de ser atacada verbalmente ou fisicamente em lugares públicos, simplesmente porque são judeus, e 25% dos judeus já não usam nada que os identifique como judeus, nem se  aproximam de qualquer instituição judaica, por medo de um ataque."

"Como podemos ver a partir destes resultados, além dos resultados do estudo da Agência dos Direitos Fundamentais da UE, publicado em Novembro, os judeus não se sentem seguros em certas comunidades na Europa."

Kantor também alertou sobre os perigos do ódio e incitamento contra o povo judeu.

O Estado de Israel tem vindo a encorajar os judeus europeus a emigrar para o Estado judeu.
- Nota nossa: Há 1 milhão e meio de judeus na Europa, gente pacífica, trabalhadora, normal. Há 50 milhões de muçulmanos, que protagonizam os mais variados desmandos e minam as nossas sociedades a começar pela guerra demográfica que assumidamente estão a travar. Aos muçulmanos, poucos se atrevem a questionar. Mas os judeus, são mandados para a terra deles... ao mesmo tempo que os incitam a abandoná-la. Na verdade, essas pessoas querem apenas que o trabalho de Hitler e outros seja concluído. Mas Israel não vai suicidar-se.

O Presidente do Congresso Judaico Europeu, Moshe Kantor, aponta para um aumento do anti-semitismo. (Foto: EJC)

Netanyahu disse na reunião que o "Gabinete deve aprovar um plano nacional para ajudar os sobreviventes do Holocausto."

Israel tem "a obrigação moral de garantir que os sobreviventes do Holocausto que vivem entre nós podem viver as suas vidas com honra. Temos a responsabilidade nacional suprema de evitar outro Holocausto. Nós vamos fazer as duas coisas."

Escrito por Atara Beck, editor da United with Israel
- Nota nossa: quem haveria de dizer, que apenas 70 anos depois, o ódio acordaria outra vez. Como na Alemanha nazi, a crise financeira, os problemas nacionais, os males do mundo, são atribuídos aos judeus. Vícios antigos...

RELEMBRAMOS:

Abbas, presidente da Autoridade Palestina, admite em entrevista ao nosso compatriota Henrique Cymerman que foi um erro histórico a rejeição de um Estado Judaico em 1977. E é um erro agora! Não fora essa teimosia, essa irredutibilidade em querer eliminar Israel e os judeus do mapa, e este interminável conflito não teria ocorrido. E o que se pode esperar de um homem que um dia faz estas declarações, e no dia seguinte se vai unir aos terroristas do Hamas? E este é um moderado!...


Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.