domingo, 4 de maio de 2014

A lógica tortuosa dos supremacistas islâmicos



Rapper muçulmano holandês: Eu odeio os judeus mais do que os nazis os odeiam

Mais uma vez, a lógica tortuosa de esquerdistas e supremacistas islâmicos é posta em evidência: eles afirmam que aqueles que se opõem ao terrorismo jihadista e ao supremacismo islâmico no Ocidente, são neonazis - na crença de que qualquer oposição ao terrorismo  jihadista é fascista por natureza. No entanto, este rapper muçulmano proclama abertamente o seu anti-semitismo e nazismo, e quem se opuser a ele, de acordo com o dogma esquerdista/ do supremacismo islâmico, é ... nazi! 

"Rapper muçulmano holandês: Eu odeio os judeus mais do que os nazis os odeiam" 
JTA, 02 de Maio de 2014

    HAIA, Holanda - A polícia holandesa está a investigar um rapper muçulmano que usa uma linguagem de ódio contra gays e judeus numa das suas músicas.


    O rapper Ismo, cujo verdadeiro nome é Ismael Houllich, incluiu o texto no seu primeiro single. O videoclipe oficial para a canção intitulada "Eenmans" mostra Ismo a cantar: "Eu odeio aqueles malditos judeus mais do que os nazis os odeiam", "Eu não aperto a mão a bichas" e "Eu não acredito em nada, para além do Alcorão".

    O clip, que foi filmado na cidade fronteiriça do sul de Breda, tinha 125 mil visualizações no YouTube, antes de um de jovem 19 anos de idade, residente homossexual da cidade, Lars Hobma, ter feito com uma queixa na polícia contra Ismo por suposta incitação ao ódio, segundo relato do site de notícias do Algemeen Dagblad sexta-feira.

    Hobma recebeu ameaças de morte no Facebook após a denúncia, relatou o jornal.

    Numa entrevista à Omroep Brabant, uma estação de rádio regional, Ismo negou as acusações de Hobma.

    "Eles estão a distorcer as minhas palavras contra mim", disse ele. "Eu não odeio todos os judeus. Eu odeio apenas judeus sionistas que fizeram a Palestina menor do que o meu bairro".

- As lavagens ao cérebro que estas pessoas levam desde a infância omite-lhes que 88% do território de Israel foi dado aos Árabes para o estabelecimento de um Estado Árabe Muçulmano. Os famigerados Sionistas contentaram-se com os restantes 12% da SUA terra, e nem isso os Árabes lhes consentem.  88% de Israel foram anexados por potências Árabes, mas o ódio vai para os judeus. Esquizofrenia! 

    Ele acrescentou: "Tudo depende de como vocês interpretam a canção. Por 'bichas' eu não quis dizer os homossexuais, e por 'judeus' eu não quis dizer que todos os judeus. Os meus fãs percebem isso."

    No mês passado, o direitista político, anti- muçulmano, Geert Wilders, entrou com uma queixa na polícia contra outro rapper holandês muçulmano, Hozny, que lançou um vídeo mostrando o rapto e assassinato de Wilders.

    No vídeo, Hozny canta sobre Wilders, que na sua juventude trabalhou como voluntário num moshav, ou fazenda cooperativa, em Israel: "Como soldado em Israel, ele estava feliz entre os judeus, então o ódio ao Islão nasceu nos seus olhos."

- A habitual transferência de culpas para os outros - especialmente para os judeus. Wilders opõe-se ao terrorismo e ao supremacismo islâmico, nunca se oporia ao Islão sem ter razões para isso.

    Ele também cantou para Wilders: "Como estão as coisas com a tua kipá? Estás a ser oprimida pela fé judaica?".

    Wilders, que nunca serviu como soldado em Israel, mas que se descreve como um amigo do Estado judeu e dos seus habitantes, disse que a sua crítica ao Islão tem  parcialmente como base as suas extensas viagens em países muçulmanos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.