quinta-feira, 22 de maio de 2014

99 - Obra do DIABO

Desde que os Estados Unidos da América elegeram um presidente muçulmano e são governados por um lóbi muçulmano, os esforços para islamizar o outrora guardião do Mundo Livre, assumem diariamente novas formas. A lavagem cerebral e a desinformação passam por exemplo pela islamização dos superheróis.


Temos falado um bocadinho nisso, à escala da nossa diminuta capacidade de intervenção:

Preparando o caminho...

Conan O'Brien acusado de racismo (!)

Kamala Khan 

This is a job for Kamala Khan!

Mas eis que obstáculos aparecem no caminho:


"Alá não criou o homem para que ele pudesse divertir-se. O objetivo da criação foi a Humanidade a ser posta à prova por meio de sofrimento e oração. Um regime islâmico deve ser sério em todos os campos. Não há piadas no Islão. Não há humor no Islão. Não há diversão no Islão. Não pode haver diversão e alegria no que é grave" -  Aiatolá Khomeini

Principais clérigos muçulmanos da Arábia Saudita dizem que super-herói muçulmano  "The 99" é "obra do diabo"

"99" foi criado para branquear a imagem do Islão em face do terrorismo jihadista global, mas mesmo isso não é suficiente para estes clérigos muçulmanos.

"Clérigos sauditas exortam fiéis a evitar séries de super-heróis islâmicos" 
    Riad (AFP) - Os principais clérigos da Arábia Saudita declararam uma série de desenhos animados inspirados no Islão - que mereceu elogios do presidente dos EUA, Barack Obama - como uma "obra do diabo", a que os muçulmanos não devem assistir .

    A versão televisiva do super-herói "The 99" está a ser exibida pelo canal por satélite saudita MBC3, com sede no Dubai, nos Emirados Árabes Unidos vizinhos.

    Mas, em decreto religioso publicado por sites sauditas na segunda-feira, os clérigos declararam a série blasfema, porque o título é baseado nos 99 atributos atribuídos a Alá no Corão.

    "O 99 é uma obra do diabo, que deve ser condenada e proibida, pela em relação com os nomes e atributos de Alá", proclamaram os clérigos, liderados pelo mufti do reino, Abdulaziz al-Sheikh.

    A versão original em banda desenhada, lançada em 2006, já tinha merecido a oposição de extremistas muçulmanos não só na Arábia Saudita, mas também no vizinho Kuwait, onde foi criada e produzida por Nayef al-Matawa.

   A série - produzida em Inglês, bem como Árabe - teve no entanto elogios, não só de Obama, mas também do emir do Kuwait, xeque Sabah al-Ahmed al-Sabah, pela sua mensagem de moderação e do diálogo cultural.

    As revistas foram vendidas em todo o mundo e também geraram merchandising e um parque temático no Kuwait, bem como a série de televisão de língua Árabe .

    A ultra-conservadora Arábia Saudita aplica uma versão estrita do Islão.


Nem sendo furiosamente anti-kaffir* a série tem a aprovação dos islamistas!

* kaffir - cafre, infiel, não-muçulmano, inferior.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.