domingo, 16 de março de 2014

Purim - O que é?

  https://unitedwithisrael.net/purim/

Achashverosh, Assuero, Aasvero, Ahasuerus ou Xerxes I da Pérsia, o deus-rei, é um dos intervenientes da História de Purim, que o rabino Ari Enkin conta a seguir. O ambiente daquela época e daquele lugar devia ser mais ou menos como esta cena retrata - o homem estava quase ao nível do seu sucessor Barack Hussein Obama! Ora vejam:

Feliz  Purim - é tempo de comemorar!
É tempo de Purim! Purim, o feriado que celebra a libertação do povo judeu do plano maligno de Hamã, é observado no dia 14 de Adar. Em lugares que foram cercados por um muro nos tempos de Josué, quando ele conquistou a Terra de Israel - Purim é observado no dia seguinte, 15 de Adar. Em Jerusalém, e em várias outras cidades muradas antigas, Purim é observado no dia seguinte e é conhecido como "Shushan Purim".


A história de Purim é o tema do livro de Ester, coloquialmente conhecido como Megillat Esther - o Pergaminho de Ester. Vamos aqui compartilhar brevemente convosco os principais pontos da história (Aviso: tolice tradicional de Purim e humor incluído!):

Aqui está a história de Purim, em traços gerais:
O rei da Pérsia, Achashverosh (também conhecido como Xerxes), deu uma festa de seis meses em todo o reino. A dada altura, o rei ordenou à sua esposa Vashti que aparecesse na festa, para ele mostrar ao mundo como ela era bonita. Vashti recusou o pedido do rei .... o que, naturalmente, foi o fim dela. Urgente: Nova rainha necessária. O rei ordena que todas as raparigas bonitas lhe sejam levadas, para que ele possa "entrevistá-las" e escolher uma nova esposa. A bela (e judia, provavelmente sefardita) Esther, ganha o concurso de beleza. Mas ninguém sabe que ela é judia, a não ser Mordechai, seu tio e tutor, que lhe disse para não contar o seu segredo (a culinária hebraica não era muito popular no palácio...).
Logo depois, Hamã, o mau da fita (não confundir com o mais recente Ahmadinejad .... Hamã veio primeiro!) é promovido ao cargo de primeiro-ministro (Cá está! Nunca houve democracia na Pérsia!). Uma das vantagens de se ser primeiro-ministro é que toda a gente é obrigada a curvar-se perante nós. E toda a gente o fez perante Hamã. Excepto Mordechai, o judeu. Há muitas interpretações a respeito de porque Mordechai se recusou a curvar-se perante Haman, mas não há tempo para isso agora. Ele não se curvou e pronto.
Hamã fumegava.  Com a sua história de ódio aos judeus, Hamã decide não só matar Mordechai, por não se curvar perante ele, mas decide também matar todos os judeus do planeta, já que estava com a mão na massa. Por que não, não é? Ele basicamente engana Achashverosh, fazendo-o concordar com seu plano de extermínio, e leva Achashverosh a assinar o decreto real. O dia 13 de Adar é o dia designado.
Quando Mordechai descobre o que aconteceu, ele ordena que os judeus orem a Deus e se arrependam, para que o decreto de extinção seja anulado. Ele diz a Esther para revelar ao rei que ela, sua esposa, é também uma judia, e que portanto, Hamã está basicamente a cometer regicídio! Esther surge com um plano para convidar Hamã e o rei para um banquete privado (judeus e comida, já se sabe...) e solta a bomba, bem - a notícia, a Achashverosh naquele momento. Com Hamã presente no banquete, Achashverosh não precisa ir muito longe para o mandar prender, e ordena a sua execução, por tentativa de assassinato da Rainha. Os judeus foram salvos. Quando o dia 13 de Adar chegou, os judeus pegaram em armas e vingaram-se dos seus inimigos. O dia seguinte, 14 de Adar, foi dia de festa.


Como parte das observâncias de Purim, o Megilla é lido duas vezes - na noite de Purim e novamente durante o dia. Há também a mitzva de mishlo'ach manot - a obrigação de fazer pelo menos duas doações de alimentos, para pelo menos uma pessoa  Claro que a maioria das pessoas dão mishlo'ach manot a muitas pessoas .... o que é bastante importante, porque temos de assegurar que cada família judia tenha bastante junk food em casa, para durar até um pouco antes da Páscoa. Depois, há também a "Matanot La'evyonim" - a exigência de dar presentes aos pobres. Finalmente, há a mitzva de Seudat Purim - a exigência de uma refeição festiva. Sim, este é o esquema básico de todos os feriados judaicos (e Purim não é excepção ): eles tentaram matar-nos, nós ganhámos, agora vamos comer.
A comida tradicional de Purim é o hamantaschen - coisa do tipo doce - pastelaria - bolinho seco - massa, que leva uma variedade de possíveis recheios. Em forma de triângulo, estes doces alegadamente representam as orelhas de Hamã. Comê-los é uma deliciosa maneira de recordar a mitzva da destruição da nação de Amaleque, de que Hamã descendia. (Deuteronómio, 25).
Eu esqueci-me de mencionar a mitzva de ficar bêbado em Purim? Não, não, Johnny Walker e Glenfiddich não são empresas de propriedade de judeus, mas ainda assim há uma mitzva para ficar bêbado. Para lembrar a longa festa seis meses de Achashevrosh, bem como o banquete privado de Esther com Hamã e Achashevrosh - ambos os acontecimentos giravam em torno do vinho. De facto, a mitzva para ficar bêbado só deve ser cumprida com vinho. Mas, sabe-se como é, algumas pessoas sentem que não cumprem adequadamente a mitzva, de forma rápida o suficiente, sem alguma ajuda de Johnny Walker ou de Jack Daniels. De facto, no final de Purim, a maioria das pessoas pensa que Jack Daniels foi um rabino, cujo nome verdadeiro era "Rabi Yaakov Daniels".
Não se engane, no Unidos com Israel não incentivamos abuso de álcool em Purim. De jeito nenhum. Nós encorajamos o prazer extremo do álcool. Ooopps, quero dizer, incentivamos a sede de álcool. Errr, quero dizer, incentivamos uma breve, mas excessiva, embebição prazerosa de bebidas agradáveis ​​com distinto ácool de uva ou de grãos.
Faça o que fizer ... desfrute a festa de Purim. De forma responsável. 
Purim feliz para todos. 
Rabino Ari Enkin
Unidos com Israel

O rapper israelita Ari Lesser preparou esta música e este vídeo para o Purim de 2014:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.