terça-feira, 18 de março de 2014

777 Mamutes na Sala!

 

O piloto Zaharie Ahmad Shah, adepto "fanático" do grupo terrorista Irmandade Muçulmana, prepara-se para cozinhar uma carninha "halal"...
Casualmente, almocei ao pé de um televisor em que se dissertava sobre o destino do avião da Malásia agora desaparecido. Antes de qualquer outra consideração, a possibilidade de um acto terrorista é posta de parte, de forma absoluta e sem direito a recurso, pelo pivot do noticiário. Depois, disserta-se longamente, entre eufemismos e redundâncias. A manada de mamutes continua a atravessar a sala, em tropel avassalador. Mas toda a gente finge não ver. Até ser esmagada...



"A democracia está morta" - lê-se na t-shirt do piloto do avião desaparecido, um adepto "fanático" da organização terrorista islâmica Irmandade Muçulmana.
A Irmandade Muçulmana defende a Sharia (a lei draconiana islâmica), a Jihad (a "guerra santa" islâmica/terrorismo contra os "infiéis"/ não-muçulmanos e muçulmanos seculares) e o Califado Global. Coisa pouca...
Zaharie Ahmad Shah era um seguidor "fanático" de Anwar Ibrahim, um líder desse movimento, que orquestra a jihad global:

Muslim Brotherhood’s Terrorist Money Flowing to Anwar Ibrahim

Os laços de Anwar Ibrahim com a Irmandade Muçulmana são profundos. Ibrahim ajudou a criar o Instituto Internacional para o Pensamento Islâmico, ou IIIT, testa de ferro da Irmandade Muçulmana nos Estados Unidos. O IIIT foi exposto nas suas ligações com organizações terroristas. Em 2002, o IIIT de Anwar Ibrahim foi incluído numa acção judicial por vítimas do 11 de Setembro, por 'prestação de apoio material ao islamismo radical'.
Em 2003,  foram apresentados documentos judiciais ao governo dos EUA, detalhando o apoio financeiro ao IIIT  pelo conhecido financiador do terrorismo islâmico, o cadastrado  'palestino' Sami al-Arian. Também foi descoberto que Taha Jaber al-Alwani, o presidente da IIIT, tinha editado uma fatwa declarando que "a jihad é o único caminho para libertar a Palestina". O governo dos EUA também está a investigar a possibilidade de que o IIIT esteja envolvido em "actividades de lavagem de dinheiro relacionadas com o terrorismo."




Pilotos ou piratas? - a pergunta que a Imprensa politicamente correcta não ousa fazer. 

 "'A Democracia está morta': piloto 'fanático' do avião foi retratado vestindo t-shirt com este slogan político"
por Simon Parry, Amanda Williams e Wills Robinson para o Daily Mail , 15 de Março
   A imagem do piloto da Malaysia Airlines vestindo uma t-shirt com o slogan "A Democracia está morta" foi revelada depois de terem vindo a público suspeitas de que  Zaharie Ahmad Shah  pode ter desviado o avião em protesto anti-governo.

   
Zaharie Ahmad Shah, um pai de três filhos, é descrito como um adepto "fanático" do líder da oposição do país Anwar Ibrahim - preso por "homossexualismo", poucas horas antes de o jacto ter desaparecido.
    Também foi revelado que a esposa do piloto e os três filhos saíram  da casa da família no dia antes de o avião ter desaparecido.
    Investigadores do FBI dizem que o desaparecimento do MH370 pode ter sido "um acto de pirataria", e a possibilidade de que centenas de passageiros estejam em cativeiro em local desconhecido, não foi descartada. (...)

   
O comandante Shah era um defensor "obsessivo" de Ibrahim. E horas antes do voo terá assistido a um julgamento polémico, em que Ibrahim foi preso por cinco anos.

    
Activistas dizem que o político, o opositor-chave ao partido do governo da Malásia, foi vítima de uma campanha difamatória de longa duração e tinha enfrentado acusações forjadas.

    
Fontes policiais confirmaram que Shah é um activista político - e temem que a decisão judicial o tenha deixado profundamente abalado. Foi neste contexto que, sete horas depois, ele assumiu o controle de um Boeing 777-200 com destino a Pequim e transportando 238 passageiros e tripulantes.

    
Ontem, a polícia da Malásia fez buscas em sua casa, num luxuoso subúrbio de Kuala Lumpur,  onde o piloto tinha instalado um simulador caseiro de voo. Mas este jornal pode revelar que os investigadores já tinham examinando dois laptops retirados da casa de Shah. (...)

    
Confirmando o aumento dos temores, o primeiro-ministro Najib Razak da Malásia anunciou ontem que o MH370 foi deliberadamente dirigido para fora da rota, após o seu sistema de comunicação ter sido desligado. Ele disse que o avião rumou a oeste ao longo da costa da Malásia e poderia ter voado por mais sete horas com as suas reservas de combustível.
    Ainda não está claro para onde o avião foi levado, no entanto o Sr. Razak disse que os dados mais recentes de satélite sugerem que o avião poderia ter tomado dois possíveis corredores de voo. A pesquisa, envolvendo 43 navios e 58 aviões de 15 países, vai do Mar da China Meridional até à Baía de Bengala, no Oceano Índico.

   
Noutra reviravolta dramática, as autoridades indianas disseram
na manhã de domingo que a busca foi deixada em espera até que fossem definidas "novas áreas de busca" pela Malásia. Não está claro qual foi a razão para o atraso. (...)

    
De acordo com um mapa elaborado pela estação de rádio WNYC dos EUA, existem 634 locais potenciais onde o avião poderia ter descido, da Austrália às Maldivas, passando pelo Paquistão.

    
No entanto, o número real é provavelmente ainda maior, pois as estimativas de quão longe o avião poderia ter viajado têm vindo a aumentar desde que os cálculos foram realizados.

    
Investigadores dos EUA dizem que foram sendo transmitidos 'pings' fracos por várias horas após o voo ter perdido o contacto com o solo.

    
Enquanto isso, um radar militar mostrou que o jacto subiu para 45 mil pés - acima do seu limite de serviço - o que poderia ter sido uma tentativa deliberada de liquidar os passageiros e tripulantes.

    
Anwar Ibrahim é um ícone da democracia, amplamente popular, e ex-vice P.M.. O seu julgamento sob a acusação de sodomia (sic) é visto por muitos malaios como perseguição política.

    
O comandante Shah terá ficado em fúria com a condenação do político, segundo descrições dos seus colegas.
(...)

    
A polícia da Malásia, ajudada por agentes do FBI dos EUA, está a investigar as motivações políticas e religiosas de Zaharie e do seu co-piloto.
A casa de Zaharie foi fechada ontem, e a polícia passou uma hora lá dentro. (...)

    
Colegas de trabalho de Zaharie já disseram aos investigadores que o piloto veterano era um activista loquaz e fervoroso no seu apoio a Ibrahim.

   
'Colegas do piloto deixaram claro que ele era uma pessoa que tinha fortes convicções políticas e que era estridente no seu apoio a Anwar Ibrahim', disse uma outra fonte de investigação. "Fomos informados por um colega que ele estava obcecado com a política."

   
Nas entrevistas, os colegas disseram que Zaharie lhes disse que planeava participar no processo judicial envolvendo Anwar, a 7 de Março, poucas horas antes do voo de Pequim, mas os investigadores ainda não foram capazes de confirmar se ele esteve entre a multidão de apoiantes de Anwar no Tribunal.
    Zaharie estará separado ou divorciado da sua Esposa, embora compartilhem a mesma casa, perto do aeroporto internacional de Kuala Lumpur. Têm três filhos, mas nenhum membro da família estava em casa ontem: só a empregada permaneceu lá. (...)


Aqui está o ídolo do piloto do Boeing, o senhor Anwar Ibrahim, com o Sheikh Yusuf al-Qaradawi, líder espiritual da organização terrorista islâmica global Irmandade Muçulmana. O Sheikh Yusuf al-Qaradawi tem repetidamente manifestado a sua admiração por Hitler e apelado à jihad (guerra santa) e ao bombismo suicida. Uma jóia de moço, e, pelo andar da carruagem, potencial candidato a Nobel da Paz.

Entretanto, vem a público a informação de que, embora ausente dos radares, o avião foi visto voando a baixa altitude, e há quem avance que pode ter sido desviado para a Índia, para realizar actividades terroristas.

2 comentários:

  1. por ainda não erradicaram os muçulmanos da terra? eles são os piores monstros que pode existir. e para bater o indice de maldade norte coreano significa que essa escoria ter de ser exterminada logo e de forma rapida e impiedosa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os muçulmanos não digo - sobretudo os seculares, para quem a religião é assunto pessoal, como aqui no Ocidente - mas o Islão radical, ou é erradicado, ou erradica-nos a nós, cidadãos do Mundo Livre, à Democracia e à Civilização.

      José Jesus

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.