quinta-feira, 13 de março de 2014

Obama e o estado judaico

Em 29 de Novembro de 1947 a ONU, mediante a resolução 181 da sua Assembleia Geral, refere-se nada mais nada menos do que 30 vezes a Israel como "estado judaico".



Poderão arguir que tal resolução também fala num estado "palestiniano". Este estado irreal (o povo palestiniano é uma invenção; um somatório de indivíduos que nunca tendo qualquer ligação histórica ao território em que, actualmente, se quer criar um estado "palestiniano", foram imigrando para tal território para, por um lado e à força, forçarem a balança para os árabes na eventualidade de uma repartição da "palestina" entre judeus e muçulmanos e, por outro e voluntariamente, beneficiarem dos avanços civilizacionais possibilitados pelos judeus que iam regressando à sua terra ancestral) teria existido acaso a fundação de Israel tivesse sido aceite pelos estados islâmicos, que, porém, se entregaram à missão de destruir Israel.



Ainda hoje os muçulmanos recusam que Israel seja um estado judaico para obrigarem Israel a ter que acolher os refugiados "palestinianos" (outra invenção artificial dos políticos árabes que a mantêm artificialmente e, por outro lado, não estão minimamente preocupados com os muito mais numerosos refugiados judeus que foram tragicamente forçados a abandonar os países islâmicos após a criação de Israel pois, paradoxal e esquizofrenicamente, os governantes desses países diziam que os judeus já tinham um estado) ignorando que em teoria (na prática a história é diferente: até lá podem viver, mas não têm grande esperança de vida) nenhum país islâmico impede judeus de lá viverem.




Mas o absolutamente inacreditável é que o outrora farol da liberdade, da democracia e da verdade passou a juntar a sua voz às pretensões muçulmanas e tornou-se, sob o império de Barack Ussein Obama, mais um defensor da negação a Israel do seu direito a ser, segundo a lei internacional, um estado judaico. De que são, agora, os USA um farol? Do filo-islamismo, no mínimo.

1 comentário:

  1. Daqui Israel Bloom, escrevendo de parte incerta :-) Seja muito bem-vindo, Fernando, a este seu blog. Grande estreia! Muita força, muita paz! Que Deus lhe pague!

    Israel Bloom

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.