sexta-feira, 7 de março de 2014

A Islamização da Europa e do Mundo


Após visitas aos enclaves espanhóis em Marrocos, Jorge Fernández Díaz prometeu reforço da segurança para conter a "pressão da imigração irregular" - PÚBLICO

Escreve um leitor:
Já vamos a caminho de 52 milhões de muçulmanos na Europa. 80% deles não trabalham e vivem à custa do contribuinte. Causam todo o tipo de problemas (gangues de violadores, terrorismo, violência, etc.). Odeiam-nos desenfreadamente, como "infiéis" que somos, Muitos destes são terroristas. Estão em guerra demográfica contra nós, daqui a poucos anos seremos um continente islâmico. A esquerda aplaude!

Adaptação do livro do Dr. Peter Hammond: "Escravidão, Terrorismo e Islão: Raízes Históricas e Ameaça Contemporânea":


Kadafi previu que as armas nem seriam necessárias para dominar os infiéis: bastariam as barrigas das mulheres muçulmanas. Com efeito, e a este ritmo, a Eurábia será uma realidade.

Quando as sociedades politicamente corretas, tolerantes e culturalmente diversas concordam com as exigências muçulmanas para os seus privilégios religiosos, alguns dos outros componentes tendem infiltrar-se. Veja como as coisas funcionam. Enquanto a população muçulmana permanece em torno ou abaixo de 2% em qualquer país, eles serão, na maior parte, considerados como uma minoria que ama a paz, e não como uma ameaça para os outros cidadãos. Este é o caso em:


Estados Unidos - muçulmanos 0,6%
Austrália - muçulmanos 1,5%
Canadá - O muçulmanos 1,9%
China - muçulmanos 1,8%
Itália - muçulmanos 1,5%
Noruega - muçulmanos 1,8%


Quando atingem 2% a 5 %, eles começam a fazer proselitismo de outras minorias étnicas e grupos descontentes, muitas vezes com maior recrutamento nas prisões e entre gangues de rua. Isso está a acontecer em:

Dinamarca - muçulmanos 2%
Alemanha - muçulmanos 3,7%
Reino Unido - muçulmanos 2,7%
Espanha - muçulmanos 4%
Tailândia - muçulmanos 4,6%


De 5% para cima, eles exercem uma influência excessiva na proporção da sua percentagem da população. Por exemplo, eles vão exigir a introdução de alimentos halal (limpo para os padrões islâmicos), garantindo, assim, trabalhos de preparação de alimentos para os muçulmanos. Eles vão aumentar a pressão sobre as cadeias de supermercados para especificar o halal nas suas prateleiras - juntamente com ameaças em caso de incumprimento. Isto está a ocorrer em:

França - muçulmanos 8%
Filipinas - muçulmanos 5%
Suécia - muçulmanos 5%
Suíça - muçulmanos 4,3%
Os Países Baixos - muçulmanos 5,5%
Trinidad e Tobago - muçulmanos 5,8%
Neste ponto, eles vão trabalhar para que o governo no poder que lhes permita governar a si mesmos (dentro de seus guetos), sob a Sharia, a lei islâmica. O objectivo final dos islamistas é estabelecer a lei islâmica em todo o mundo.

Quando os muçulmanos se aproximam de 10% da população, eles tendem a aumentar a ilegalidade como um meio de reclamação sobre as suas condições. Em Paris, já estamos vendo queimadas de carros, por exemplo. Qualquer acção não-muçulmana ofende o Islão, e resulta em revoltas e ameaças, como em Amsterdão, com a oposição a desenhos animados e filmes sobre o Islão e Maomé. Estas tensões são vistas diariamente, principalmente em:

Guiana - muçulmanos 10%
Índia - muçulmanos 13,4%
Israel - muçulmano 16%
Quênia - muçulmano 10%
Rússia - muçulmano 15%

Depois de os muçulmanos atingirem 20%, as nações podem esperar tumultos com armas, formações das milícias Jihad, assassinatos esporádicos, e queimas de igrejas cristãs e sinagogas judaicas, como em:

Etiópia - muçulmanos 32,8%

Quando os muçulmanos atingem os 40%, as nações experimentam massacres generalizados  ataques terroristas e guerras crónicas, milícia terroristas, como em:

Bósnia - muçulmanos 40%
Chade - muçulmanos 53,1%
Líbano - muçulmanos 59,7%

De 60% ​​para cima, as nações experimentam perseguição desenfreada dos não-crentes de todas as outras religiões (incluindo os muçulmanos não-conformes), limpeza étnica  (genocídio), o uso da Lei Sharia como uma arma, a Jizya, o imposto colocado sobre os infiéis, como em:

Albânia - muçulmanos 70%
Malásia - muçulmanos 60,4%
Qatar - muçulmanos 77,5%
Sudão - muçulmanos 70%

Depois de 80%, esperam intimidação diária e jihad violenta, limpeza étnica executada pelo Estado, e até mesmo genocídio, uma vez que estas nações expulsam os infiéis  e movem-se em direcção a uma sociedade 100% muçulmana, como tem sido experimentado em:

Bangladesh - muçulmanos 83%
Egipto - muçulmanos 90%
Gaza - muçulmanos 98,7%
Indonésia - muçulmanos 86,1%
Irão - muçulmanos 98%
Iraque - muçulmanos 97%
Jordânia - muçulmanos 92%
Marrocos - muçulmanos 98,7%
Paquistão - muçulmanos 97%
Palestina - muçulmanos 99%
Síria - muçulmanos 90%
Tadjiquistão - muçulmanos 90%
Turquia - muçulmanos 99,8%
Emirados Árabes Unidos - muçulmanos 96%
Com 100% de muçulmanos inaugura-se a paz de 'Dar-es-Salaam' - a Casa da Paz Islâmica.  É suposto haver paz, mas só porque todos são muçulmano, as madrassas são as únicas escolas , e o Alcorão é a única palavra, como em:

Afeganistão - muçulmanos 100%
Arábia Saudita - muçulmanos 100%
Somália - muçulmanos 100%
Iémen - muçulmanos 100%
Infelizmente, a paz nunca é alcançada, pois nesses estados 100% muçulmanos, os mais radicais intimidam, vomitam ódio e satisfazem a sua sede de sangue matando os muçulmanos menos radicais, por uma variedade de razões.

A carne halal que os europeus comem sem saber (porque só para os muçulmanos é obrigatório marcar como 'halal':
The following is adapted from Dr. Peter Hammond’s book: Slavery, Terrorism & Islam: Historical Roots and Contemporary Threat.
When politically correct, tolerant, and culturally diverse societies agree to Muslim demands for their religious privileges, some of the other components tend to creep in as well. Here’s how it works. As long as the Muslim population remains around or under 2% in any given country, they will be for the most part be regarded as a peace-loving minority, and not as a threat to other citizens. This is the case in:
United States — Muslim 0.6%
Australia — Muslim 1.5%
Canada — Muslim 1.9%
China — Muslim 1.8%
Italy — Muslim 1.5%
Norway — Muslim 1.8%
At 2% to 5%, they begin to proselytize from other ethnic minorities and disaffected groups, often with major recruiting from the jails and among street gangs. This is happening in:
Denmark — Muslim 2%
Germany — Muslim 3.7%
United Kingdom — Muslim 2.7%
Spain — Muslim 4%
Thailand — Muslim 4.6%
From 5% on, they exercise an inordinate influence in proportion to their percentage of the population. For example, they will push for the introduction of halal (clean by Islamic standards) food, thereby securing food preparation jobs for Muslims. They will increase pressure on supermarket chains to feature halal on their shelves — along with threats for failure to comply. This is occurring in:
France — Muslim 8%
Philippines — Muslim 5%
Sweden — Muslim 5%
Switzerland — Muslim 4.3%
The Netherlands — Muslim 5.5%
Trinidad & Tobago — Muslim 5.8%
At this point, they will work to get the ruling government to allow them to rule themselves (within their ghettos) under Sharia, the Islamic Law. The ultimate goal of Islamists is to establish Sharia law over the entire world.
When Muslims approach 10% of the population, they tend to increase lawlessness as a means of complaint about their conditions. In Paris , we are already seeing car-burnings. Any non-Muslim action offends Islam, and results in uprisings and threats, such as in Amsterdam , with opposition to Mohammed cartoons and films about Islam. Such tensions are seen daily, particularly in Muslim sections, in:
Guyana — Muslim 10%
India — Muslim 13.4%
Israel — Muslim 16%
Kenya — Muslim 10%
Russia — Muslim 15%
After reaching 20%, nations can expect hair-trigger rioting, jihad militia formations, sporadic killings, and the burnings of Christian churches and Jewish synagogues, such as in:
Ethiopia — Muslim 32.8%
At 40%, nations experience widespread massacres, chronic terror attacks, and ongoing militia warfare, such as in:
Bosnia — Muslim 40%
Chad — Muslim 53.1%
Lebanon — Muslim 59.7%
From 60%, nations experience unfettered persecution of non-believers of all other religions (including non-conforming Muslims), sporadic ethnic cleansing (genocide), use of Sharia Law as a weapon, and Jizya, the tax placed on infidels, such as in:
Albania — Muslim 70%
Malaysia — Muslim 60.4%
Qatar — Muslim 77.5%
Sudan — Muslim 70%
After 80%, expect daily intimidation and violent jihad, some State-run ethnic cleansing, and even some genocide, as these nations drive out the infidels, and move toward 100% Muslim, such as has been experienced and in some ways is on-going in:
Bangladesh — Muslim 83%
Egypt — Muslim 90%
Gaza — Muslim 98.7%
Indonesia — Muslim 86.1%
Iran — Muslim 98%
Iraq — Muslim 97%
Jordan — Muslim 92%
Morocco — Muslim 98.7%
Pakistan — Muslim 97%
Palestine — Muslim 99%
Syria — Muslim 90%
Tajikistan — Muslim 90%
Turkey — Muslim 99.8%
United Arab Emirates — Muslim 96%
100% will usher in the peace of ‘Dar-es-Salaam’ — the Islamic House of Peace. Here there’s supposed to be peace, because everybody is a Muslim, the Madrasses are the only schools, and the Koran is the only word, such as in:
Afghanistan — Muslim 100%
Saudi Arabia — Muslim 100%
Somalia — Muslim 100%
Yemen — Muslim 100%
Unfortunately, peace is never achieved, as in these 100% states the most radical Muslims intimidate and spew hatred, and satisfy their blood lust by killing less radical Muslims, for a variety of reasons.
“Before I was nine I had learned the basic canon of Arab life. It was me against my brother; me and my brother against our father; my family against my cousins and the clan; the clan against the tribe; the tribe against the world, and all of us against the infidel.” — Leon Uris, “The Haj”
It is important to understand that in some countries, with well under 100% Muslim populations, such as France, the minority Muslim populations live in ghettos, within which they are 100% Muslim, and within which they live by Sharia Law. The national police do not even enter these ghettos. There are no national courts nor schools nor non-Muslim religious facilities. In such situations, Muslims do not integrate into the community at large. The children attend madrasses. They learn only the Koran. To even associate with an infidel is a crime punishable with death. Therefore, in some areas of certain nations, Muslim Imams and extremists exercise more power than the national average would indicate.
- See more at: http://pamelageller.com/2012/05/muslim-immigration.html/#sthash.M3ni5aBL.dpuf

Académico muçulmano afirma que dos 50 milhões de muçulmanos a viver na Europa, 80% vivem à custa do contribuinte nativo: 


Em manifestações de rua, muçulmanos na Europa exigem as mulheres infiéis como despojos de guerra:


O papel da Mulher no Islão - SUBMISSÃO:


"O que o Ocidente devia saber sobre o Islão" - e já vai sabendo...



 Islamização da Suécia, um de muitos exemplos:

  

Patrulhas impõem a lei Sharia em Londres:



E os exemplos seriam incontáveis, Desde o terrorismo aos gangues de violadores, das desordens públicas e vandalismo aos espancamentos de infiéis, seria um não mais acabar:

http://www.islamisation.fr/



"Eu tinha nove anos e já tinha aprendido o cânone básico da vida árabe. Era eu contra meu irmão, eu e meu irmão contra nosso pai, a minha família contra os meus primos e o clã , o clã contra a tribo, a tribo contra o mundo, e todos nós, contra os infiéis " - Leon Uris em "O Haj"

É importante entender que em alguns países, com bem menos de 100% populações muçulmanas, como a França, as populações muçulmanas minoritárias vivem em guetos, 100% muçulmanos, e dentro do qual eles vivem pela Lei Sharia. A polícia nacional nem sequer entrar nesses guetos. Não há tribunais nacionais nem escolas nem instalações religiosas não muçulmanas. Em tais situações, os muçulmanos não integram a comunidade em geral. As crianças frequentam as madrassas. Eles aprendem somente o Alcorão. Até mesmo fazer amizade com um infiel é um crime punível com a morte. Por isso, em algumas áreas de certas nações, os imãs muçulmanos e extremistas exercem mais poder do que a média nacional indicaria.
 Mo "Londristão" mandam os muçulmanos que lá estão:


OBSESSÃO, A GUERRA ISLÂMICA AO OCIDENTE (Português)

ISRAEL ANDA HÁ DÉCADAS A AVISAR-NOS, POIS ESTA É A REALIDADE COM QUE SE DEBATE TODOS OS DIAS...

1 comentário:

  1. Só uma pequena adenda: concordo com quase tudo o que vem escrito neste blog mas quando escreve que há 50 milhões de muçulmanos a viver na Europa, esse número tem em conta os muçulmanos que vivem na Rússia e outros países do leste Europeu. Pelo que tenho lido na Net o número de seguidores do Islão na União Europeia deve andar por volta de 23-28 milhões. O video do You Tube sobre a demografia muçulmana, o qual eu já visionei uma vez há uns tempos, está longe de ser rigoroso pois exagera alguns indicadores e distorce outros, embora seja verdade que a taxa de natalidade dos muçulmanos é consideravelmente mais alta que a dos Europeus.
    Cumprimentos
    Gilberto

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.