terça-feira, 16 de setembro de 2014

Gaza - mais um "civil inocente" do dia



 Mais um "civil inocente", o terrorista Ahmed Mohammed al-Majadi

A Imprensa Mundial teve direito a um banquete de ódio a Israel e aos judeus durante a Operação Protecção Limite. Captou imagens que, bem trabalhadas, continuam a render ódio todos os dias, como podemos ver em diversas Televisões, que, a pretexto de anunciarem a estação, mostram  supostos "civis inocentes" atingidos durante a recente operação militar - a SICN tem-se esmerado. Leni Riefenstahl ficaria com inveja se visse alguns clipes que essa TV passa.

Os desavisados espectadores, ouvintes e leitores, foram (e são) brindados com as alegações falsas do costume, as encenações habituais de mortos e feridos, e, quando houve realmente mortos, foi omitido que se tratava de escudos humanos e de FALSOS CIVIS.

Haverá sempre palhaços!


A foto que ilustra esta entrada mostra o notório terrorista Ahmed Mohammed al-Majadi, que foi abatido em combate pelas Forças de Defesa de Israel (IDF), e apresentado como "um civil inocente" pela Imprensa Mundial. 

Relembramos que os terroristas do Hamas actuam à civil e se misturam entre a multidão, abrindo fogo de dentro de escolas, hospitais, igrejas, mesquitas, casas de habitação e ambulâncias. Os garotos que na foto prestam homenagem ao terrorista, são dos tais que o Hamas usa como escudos humanos ou como iscos para apanhar soldados israelitas (os meninos pedem socorro, os soldados acorrem e são abatidos). Quando estes garotos morrem, para o Hamas, tanto melhor! É mais propaganda anti-Israel:

Encontrado manual de combate do Hamas


A Imprensa (em Portugal com o tenebroso Al Público à cabeça), omitiu todos os ataques contra Israel, todos os civis barbaramente assassinados pelos islamistas, a chuva de mísseis que durante 15 dias obrigou Israel a responder. E relatou a resposta de Israel como uma iniciativa desgarrada, sem motivo, uma agressão gratuita.

Os jihadistas das Brigadas dos Mártires de Al Quds (que são iguais aos do ISIS, da Al-Qaeda ou quaisquer outros jihadistas), dedicaram hoje um  longo obituário a Ahmed Mohammed al-Majadi, citando os seus pais, que se orgulham do desejo que o filho sempre teve em morrer na jihad e ir para o paraíso das não sei quantas mil virgens, comer, beber e fazer tudo o que os muçulmanos não podem fazer nesta vida.
  
O irmão foi citado como tendo afirmado que o maior orgulho do Ahmed era "combater contra os inimigos de Alá e da Humanidade, os judeus, esses assassinos de profetas e de crianças, de velhinhos e de mulheres" - meditem bem os nossos leitores no grau de demência dos terroristas, que acusam as suas vítimas do que eles mesmos fazem!

O terrorista Ahmed morreu a 30 de Julho, e a Jihad Islâmica assumiu que se tratava de um combatente nesse mesmo dia. A Imprensa Ocidental e as Relações Públicas do Hamas, com o despudor habitual, relataram tratar-se de um civil.

Ponham-se os nossos leitores no lugar das Forças Armadas de Israel, a operar num território totalmente hostil, em que 98% das pessoas farão de TUDO para os matarem, em que só se vê civis, e o inimigo está à civil, misturado na multidão, a abrir fogo, a montar armadilhas, escondido, camuflado. É miraculoso como o IDF consegue, nestas condições, causar o mínimo de vítimas civis, neutralizar terroristas, e ser o Exército mais moral da História.

Mais impressionante é a hostilidade do Mundo, que exige que os israelitas se deixem massacrar pelo Hamas, mas que já respira de alívio porque o Califado vai ser combatido.

O blog Elder of Zyon continua a compilar a longa lista dos "civis inocentes" - AQUI.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.