sexta-feira, 20 de junho de 2014

Euronews malha em Israel - as usual

Imagine que em Espanha a ETA raptava três adolescentes. Imagine que as forças de segurança nacionais iam à procura deles. Imagine que o Mundo se voltava contra a Espanha por prender terroristas da ETA. Seria absurdo - se se tratasse de 195 países do Mundo. Tratando-se de Israel, é apenas o habitual.
Damos o exemplo de Espanha e da ETA porque os terroristas das FP-25 já estão todos reformados.
Operações de busca dos três jovens e detenção de terroristas alvo de condenação mundial

A EURONEWS, POR EXEMPLO...


O Jornantissemitismo da Euronews é uma constante. O antissemitismo não acabou com a Inquisição nem com a queda de Hitler. Está vivo e pulsante na Europa.

ACTUALIZADO:

Segundo a notícia da Euronews:

- os três adolescentes israelitas estão desaparecidos, não se sabe como

- Israel anda a prender pessoas sem ter nenhuma evidência de rapto

- o Hamas já disse que não tem nada a ver com o caso, e se o Hamas disse, é VERDADE

- Israel é um Estado fascista e colonialista, segundo o representante do Hamas no Egipto, o único a quem foi dada a palavra


Falamos da «notícia» que vimos na TV. Este parágrafo do site é um exemplo do estilo de «Jornalismo» da Euronews:
«As buscas foram intensificadas e os ataques contra Gaza também após disparo de foguetes na noite de sábado.»
Quem ler isto entende que Israel está a atacar Gaza em retaliação pelo rapto. Na verdade, é de Gaza  que estão a partir (como de costume) mísseis contra Israel. E Israel responde. Mas, já se sabe, Israel é o único país do Mundo que é condenado por responder a agressões terroristas! E este é um mero exemplo, ao acaso. A ideia geral é de que os três jovens desapareceram por qualquer razão e Israel se APROVEITA do ocorrido para OPRIMIR os pobres «palestinos».

Jornaleiros antissemitas como a Euronews nada contam sobre a matança contínua de israelitas, sobre a educação para o ódio e para o terrorismo entre os 'palestinos', e, neste caso concreto, dão a palavra apenas a terroristas seleccionados. 
Os terroristas que admitem a autoria dos raptos são obliterados nas notícias, as festas comemorativas dos raptos também, as armas, bombas e munições encontradas na posse dos terroristas nesta operação também.

O Hamas (como a Fattah, as Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa, o Hezzbollah, o Boko Haram, o ISIS, a Al QAeda, a Al-Nushra, etc., etc.) é um grupo TERRORISTA que continuamente rapta e assassina civis israelitas, como por exemplo esta família:


Udi Fogel, (37 anos), Ruth Fogel (36 anos), e os seus filhos Yoav (10 anos), Elad (4 anos) e Hadas (3 meses), foram assassinados enquanto dormiam. O Mundo não soube.

Naturalmente que, para consumo externo do mundo ocidental (que envia mais dinheiro para os terroristas "palestinos" do que a Europa recebeu no Plano Marshall), o Hamas & C.a dizem que não têm nada a ver com o caso. Lá dentro a música é outra, com troça e festa rija:

Abbas chama "ratos" aos adolescentes raptados 

Entretanto, e como sempre, o terrorismo e a campanha de ódio contra Israel prosseguem. Os terroristas continuam a ir tratar-se aos hospitais israelitas, continuam a voltar para os fazerem explodir (sempre com o cuidado de massacrar muitas crianças, quantas mais melhor), e a vida continua como de costume, com Israel a apanhar porrada e a distribuir beijos e abraços:

 Assim se paga o Mal


Mas quem vir a TV, ouvir a Rádio e ler os jornais, fica com a ideia de que Israel é, como sempre, o mau da fita!

Ainda ontem à noite, os terroristas de Gaza atingiram mais uma casa de família com um míssil. Se se falar do caso, só a resposta de Israel será referida.

O IDF (Forças de Defesa de Israel), fez este vídeo, que conta resumidamente a história de mais este rapto:


Toda a "grande Imprensa" alinha pelo mesmo diapasão. O site HonestReporting faz o acompanhamento (possível) do bullying anti-Israel.

E agora veio o jackpot que os terroristas (desde crianças educados no «martírio» em nome do seu deus Alá), tanto precisavam: um árabe de 15 anos terá sido abatido pelo IDF. Segundo a Euronews "uma das testemunhas relata que “Mohammed estava apenas a assistir, não representava qualquer ameaça para ninguém. Atingiram-no com três balas. Morreu no local.”

Mais uma Rachel Corrie (a rapariga norte-americana que se foi atirar para a frente dos bulldozers).

E resta saber se este rapaz morreu mesmo. Encenar mortes ou atribui-las falsamente aos israelitas é uma estratégia clássica de Pallywood:


Os actores são muito maus, e a cena teve que ser repetida. "CORTA! CORTA! Entrem as ambulâncias outra vez!". Mas para bom antissemita meia encenação basta!




ACTUALIZAÇÃO: Fontes afirmam que o IDF entrou em Gaza a pé. Esperamos que seja desta vez que os terroristas sejam EXPULSOS de vez, quer de Gaza, quer da Judeia e Samaria - a que os antissemitas chamam "Cisjordânia". Que fiquem em Israel os cidadãos honestos, ordeiros, amigos da Paz e da Liberdade, sejam eles de que confissão religiosa, cor de pele ou ideologia política (democrática) forem! Chega de  sofrimento!

FORÇA IDF! FORÇA ISRAEL!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.