terça-feira, 24 de junho de 2014

EUA e UE cúmplices no sequestro

Os Estados Unidos exigem que Israel pare as buscas pelos três jovens raptados pelos terroristas. A União Europeia continua a sua eterna saga antissemita. E a propaganda avança:



Desde os tempos do mega-terrorista Yasser Arafat, que os islamistas aproveitam o terreno fértil do ódio antissemita ocidental, para fazerem passar ridículas encenações de mortos e feridos

"Nós reconhecemos que esta é uma circunstância extremamente sensível e de grande dificuldade no terreno, e sentimos que todos as partes devem exercer deveres de moderação", declarou o porta-voz do Departamento de Estado Jen Psaki  numa conferência de imprensa na quarta-feira!

Ou seja: Não são os terroristas que devem entregar os jovens que raptaram; oh, não!!!... Israel é que tem que se sentar quietinho e esperar dos terroristas... moderação! A Esquerda mais radical celebra os raptos, juntamente com os islamistas e os nazis. Les beaux esprits se rencontrent...



Opinião: Cumplicidade da Europa e dos EUA   no Sequestro cometido pelo Hamas

Pelo coronel Richard Kemp, membro sénior do Gatestone Institute. Kemp passou mais de 30 anos de carreira no exército britânico, na luta contra o terrorismo e a insurgência.



Apenas um dia antes de os três rapazes terem sido sequestrados, a chefe de política externa da UE, Catherine Ashton, saudou a entrada do Hamas no governo da Autoridade Palestina, e criticou Israel para deter terroristas e tomar providências para impedir ataques terroristas do Hamas a partir de Gaza e na Cisjordânia.


A chefe de política externa da UE, Catherine Ashton, embora nunca demore a condenar Israel, levou cinco dias para denunciar o sequestro de três adolescentes israelitas pelo Hamas. As suas palavras e as suas acções têm legitimado e incentivado o Hamas.

Os EUA e a UE pagam os salários dos terroristas palestinos e financiam a propaganda e a doutrinação no ódio anti-Israel.

Como qualquer governo, Israel tem um dever absoluto para proteger os seus cidadãos e de neutralizar esta ameaça terrorista é uma parte essencial de tal responsabilidade.


O mundo sentiu repugnância ao ver esta semana os vídeos de fileiras jovens iraquianos, insensivelmente mortos a tiro por terroristas da Al Qaeda em Mosul. Mas, uma e outra vez, na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, o Hamas tem cometido assassinatos a sangue frio tão brutais como os que testemunhámos no Iraque. Esse conhecimento tem galvanizado a busca desesperada de Israel pelos adolescentes sequestrados pelo Hamas, Naftali Frankel, Gilad Shaar e Eyal Yifrach, capturados pelos terroristas em Gush Etzion, há uma semana.


Enquanto membro do Cobra, o comité de gestão de crise nacional do Reino Unido, estive envolvido em esforços britânicos para resgatar pessoas sequestradas por terroristas islâmicos no Iraque e no Afeganistão. Não há acções militares nos tempos modernos que sejam tão preocupantes: as probabilidades estão contra os cativos, o chicote  está nas mãos dos captores, é uma corrida contra o tempo, e torna-se extremamente pessoal.


Os árabes palestinos adoptaram a saudação de três dedos para celebrar o rapto dos três jovens judeus

As vítimas olham para nós a partir das suas fotografias, nós olhamos nos olhos delas. Conhecemos as suas esperanças, as suas famílias, os seus amigos e as suas vidas diárias. Nada - absolutamente nada - trava os nossos esforços para trazê-las de volta. E, enquanto esperamos o melhor, vamo-nos preparando para o pior. 

 

Do lado de fora, há dificuldade de ler as realidades de um sequestro. Aqueles que têm a responsabilidade de salvar vidas, são forçados a um jogo de gato e rato em que devem tranquilizar o público e semear sementes de desinformação entre os captores. Até agora, para Naftali, Gilad e Eyal, os sinais não são animadores. Tanto quanto sabemos, uma semana depois, não há nenhuma prova de vida, nem exigências, nem negociações.

Na quinta-feira, 19 de Junho, a Agência palestina de notícias Ma'an relatou reportou que o aparente líder do Hamas Salah Bardawil assumiu que a "resistência palestina" (Hamas - a sigla para o "Movimento de Resistência Islâmica") realizou o sequestro.

 Hamas: Sequestro é uma 'Captura Heróica'

A primeira prioridade é sempre o de estabelecer a identidade e o motivo dos captores. Logo no início, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu afirmou que o Hamas  era culpado. O Secretário de Estado dos EUA Kerry concordou, e esta parece ser a visão em Gaza e na Cisjordânia.O líder do Hamas Mohammed Nazzal, por sua vez, descreveu o sequestro de três civis adolescentes como "uma captura heróica", e "um marco" para o povo palestino. Ele disse que cada dia que passa sem que os israelitas  consigam encontrar os adolescentes é "uma grande conquista".



O líder terrorista (financiados pelos EUA e EU) congratula-se com o sequestro

Os comentários de Nazzal reflectem a política de longa data sobre o sequestro e abate de israelitas pela liderança do Hamas, o grupo terrorista internacionalmente proscrito, responsável por disparar milhares de mísseis letais de forma indiscriminada contra a população civil de Israel, a partir da Faixa de Gaza - como aconteceu ainda esta semana. 

  
Árabes palestinos Hamas celebram o sequestro dos adolescentes israelitas. (Foto: blog do IDF )

É este o grupo terrorista que as Nações Unidas, os Estados Unidos e a União Europeia - numa demonstração de falência moral e traição - aprovaram como parceiro legítimo num governo de unidade com a Autoridade Palestina [AP]. Apenas um dia antes de os três rapazes terem sido  sequestrados, a chefe de política externa da UE, Catherine Ashton, saudou o Hamas no governo da AP, enquanto criticou Israel por deter terroristas e tomar providências para impedir ataques terroristas do Hamas a partir de Gaza e na Cisjordânia.

 (CONTINUA)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.