segunda-feira, 6 de junho de 2016

VIDEO: O Milagre da Guerra dos Seis Dias e a Libertação de Jerusalém



Este emocionante filme  destaca os eventos milagrosos da Guerra dos Seis Dias, em 1967, enfatizando a acção divina nestes eventos notáveis.

O 28º dia do mês hebraico de Iyar, Dia de Jerusalém, é um dia de celebração e de recitação do Hallel - salmos de acção de graças e louvor ao Todo-Poderoso pelos grandes milagres que ele opera.

As probabilidades estavam contra o Estado Judaico, em todas as frentes. Os judeus prepararam sepulturas em grande escala, a contar com as baixas que previam.
O Mundo Árabe, percebendo o isolamento político e militar a que o Mundo Livre (como sempre!) votou Israel. avançou, mais uma vez, para tentar o seu objectivo de 1.400 anos: aniquilar todos os judeus do Mundo e tomar Israel.
Israel mais uma vez teve que lutar pela sua existência, em Junho de 1967, e derrotou os países árabes vizinhos, numa coligação muitíssimo mais forte. Israel capturou os Montes Golan e o deserto do Sinai, libertou a Judeia e Samaria e a Cidade Santa de Jerusalém.
Após 2.000 anos, Jerusalém foi restaurado pelo povo judeu. E assim ficará, não importa quanto as forças do Mal difamem e ataquem:

Israel viria a devolver a Península do Sinai - enorme, muitíssimo maior que Israel, rica em petróleo e gás natural - ao Egipto, em troca de Paz.
A Judeia e Samaria (a que os islamistas, os nazis e os comunistas chamam "Cisjordânia") e os Montes Golan, não podem ser dadas de novo aos inimigos de Israel, porque assim o Estado Judaico ficaria indefensável.
É nesse "acto de boa vontade" que os inimigos de Israel (A ONU, a França, o islamista Obama, a extrema-esquerda e a extrema-direita, o mundo comunista em peso, os anti-semitas mais variados) insistem. 
Israel, que é apenas 0,5% do Médio Oriente em área, para além dos 88% que deu aos invasores Árabes em 1947, deve ainda dar metade do seu território, para que assim possa, finalmente, ser entregue à fúria destruidora dos terroristas.
Nós respondemos por Israel:
NUNCA!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.