segunda-feira, 13 de junho de 2016

A insustentável hipocrisia de Ban Ki-moon

O Secretário-Geral da ONU diz-se "chocado" porque os terroristas do Hamas aplaudiram o massacre de Tel Aviv
por Jay Sekulov
Nos nossos posts   Muçulmanos (e jornalistas) festejam o massacre de Tel Aviv e Atentado em Tel Aviv - Árabes já festejam mostrámos um bocadinho da festa islâmica e islamófila. Não fomos exaustivos, nem nada que se pareça...

A comunidade internacional mais uma vez revelou a sua hipocrisia na sequência dos recentes ataques terroristas em Tel Aviv, que causaram quatro mortos e mais de uma dezena de feridos.
Os terroristas jihadistas disfarçados de judeus ortodoxos abriram fogo contra civis israelitas que se encontravam no local.
Os terroristas tinham laços familiares com o Hamas. Sem surpresa, o Hamas elogiou os ataques como "heróicos" e "uma mensagem dos filhos da resistência aos líderes da ocupação". O líder do Hamas declarou que este ataque foi apenas "a primeira surpresa para o inimigo sionista durante o Ramadão", o mês sagrado islâmico durante o qual há muitas vezes um aumento nos ataques terroristas a realizados contra Israel.

NOTA NOSSA: a propósito -  Terrorismo de Ramadão - Estado Islâmico é Islão. Será que os jovens da discoteca gay em Orlando estavam a "ocupar" alguma coisa?


O grupo radical
Organização de Libertação da Palestina (OLP) disse que os ataques são uma "resposta natural" às "violações" de uma "ocupação israelita".

NOTA NOSSA: Para quem não sabe, esclarecemos que o estatuto de Israel, aos olhos do Direito Islâmico, é o mesmo que o de Portugal e Espanha - já foram ocupados por muçulmanos, então, serão sempre muçulmanos:

ISIS e Al-Qaeda a caminho de Portugal e Espanha


ISIS volta a ameaçar Portugal (e agora, ainda somos doidos?)


E como é que o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon respondeu? Certamente que, uma vez que muitas vezes ele condena Israel por "força excessiva" no palco do mundo, porque Israel se defende contra ataques terroristas, seria de pensar que ele condenaria o Hamas, dado que os estatutos do grupo terrorista defendem a destruição absoluta de Israel e do povo judeu em todo o mundo, certo? 

Errado. 

Ban Ki-moon disse em comunicado que "não há nenhuma justificação para o terrorismo, nem para a glorificação daqueles que cometem tais actos hediondos". E passou a afirmar que está "chocado por os líderes do Hamas terem escolhido aplaudir este ataque e alguns optarem por celebrá-lo", apelando para "a liderança palestina para que esta assuma as suas responsabilidades e se mantenha firme contra a violência e o incitamento que a alimenta".

NOTA NOSSA: Isto é exactamente a mesma coisa que Ban mostrar-se chocado com o Bion Laden por este atacar "infiéis"! Aqueles a quem Ban pede que sejam contra a violência são os que a incitam, organizam e recompensam!!! 

Ban Ki-moon está chocado porque os terroristas cobardes que matam civis israelitas c,elebraram a morte de civis israelitas.

"Chocado?" O secretário-geral da ONU está "chocado" porque um grupo terrorista cujo estatuto prevê a destruição de Israel e que tem uma longa história de violência jihadista contra Israel aplaudiu ataques terroristas jihadistas contra civis israelitas. É completamente absurdo. É irritante. 

Poderia Ban ser mais ingénuo ou ignorante? A própria Autoridade Palestina emitiu uma declaração cuidadosamente redigida rejeitando quaisquer operações que tenham como alvo civis, sem sequer mencionar o ataque terrorista Tel Aviv. Houve fogos de artifício e celebrações em Hebron, na região de onde os terroristas partiram.

Mas isto não pode ser surpreender, quando os líderes internacionais como Ban Ki-moon mostram tanta ignorância deliberada, indo mesmo tão longe como dizer: "É da natureza humana para reagir à ocupação".


Netanyahu visitando o local do massacre.


O primeiro-ministro israelita Netanyahu acusou Ban Ki-moon justamente de defender a recente série
ataques por esfaqueamento e a tiro realizados contra civis israelitas inocentes por terroristas palestinos.

10 perguntas ao terrorista Ban Ki-moon


Chega. Este duplo padrão não pode e não deve ir mais longe.
 

É por isso que eu falei nas Nações Unidas na semana passada contra os anti-Israelitas do BDS  (Boicote, Desinvestimento e Sanções), movimento cujo objectivo é deslegitimar e destruir o Estado de Israel. É o mesmo objectivo dos terroristas. Ambos devem ser condenadas no cenário mundial.




É por isso que nos mobilizámos em Jerusalém, no Capitólio, e ao redor do mundo, para enviar uma carta oficial ao secretário-geral Ban Ki-moon, informando-o da Carta e da História do terrorismo do Hamas, dizendo-lhe que a única via adequada de acção que ele pode e deve tomar é a de condenar veementemente estes ataques terroristas, condenar fortemente o Hamas, e estar com Israel.

ACTUALIZAÇÃO 2016/06/10: Acabamos de enviar uma carta ao secretário-geral da ONU descrevendo na longa história de ataques terroristas contra civis israelitas inocentes por parte do Hamas. A carta diz:

    A sua resposta ambígua ao massacre de Tel Aviv levanta sérias questões sobre a vontade das Nações Unidas para abordar e condenar o Hamas pelas suas flagrantes violações do Direito Internacional. O Hamas é uma organização brutal, sem arrependimento, um grupo terrorista que busca nada menos do que a total destruição do Estado de Israel.
    É fundamental que pessoas como o senhor saibam o que o Hamas defende.  O senhor não pode reivindicar superioridade moral, enquanto que simultaneamente tolera comportamento imoral.
   Pedimos que reconheça que o Hamas é o que é, um vicioso bando terrorista, e condene de forma clara e publicamente as suas contínuas violações do Direito Internacional e de cada pingo de decência.


NOTA NOSSA: Temos até agora 65 posts sobre o HAMAS. E não andamos a tentar ter muitos, apenas pretendemos dar uma ideia das coisas e encorajar as pessoas de boa-vontade a estudarem estas questões, a não irem na cantiga dos media e dos politiqueiros como ban Ki-moon.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.