sábado, 18 de junho de 2016

Homenagem a japonês que salvou milhares de judeus


Israel homenageou mais uma vez o diplomata japonês que salvou judeus no Holocausto. 

Israel nomeou uma rua na cidade costeira de Netanya com o nome do diplomata japonês Chiune  Sempo Sugihara, que salvou milhares de judeus que fugiam dos nazis, durante o Holocausto. 

O diplomata emitiu vistos de trânsito para milhares de judeus durante a Segunda Guerra Mundial, que mais tarde vieram a ser conhecidos como "vistos para a vida." 

O Japan Times relatou que muitos daqueles que foram salvos por Sugihara foram residir em Netanya. A dedicação de rua marca os 30 anos desde a morte de Sugihara. 
"É uma grande honra. Eu queria que meu pai estivesse aqui", disse o quarto filho de Sugihara,  Nobuki, de 67 anos, presente na cerimónia, em Israel. 

Nobuki reuniu-se com cerca de 50 moradores que sobreviveram, graças ao seu pai, que emitiu os vistos como vice-cônsul em Kovno, capital da Lituânia. Ele forneceu entre 2.100 e 3.500 vistos de trânsito. 

Em 1984, o Yad Vashem, o Memorial do Holocausto em Israel, reconheceu Sugihara como Justo entre as Nações.




Entendemos o que moveu pessoas como o senhor Sugihara, ou os portugueses Aristides de Sousa Mendes, Carlos Sampaio Garrido e padre Joaquim Carreira. Não nos imaginamos a fazer menos, em situação semelhante.

Já nos perguntaram porque é que, não sendo judeus, "defendemos os judeus". Como se ser amigo de Israel e dos judeus fosse em si mesmo uma ofensa a alguém. Não se trata de defender "os judeus" em especial; trata-se de defender vítimas contra algozes. É dever de qualquer pessoa defender as vitimas de injustiça, sejam de cor forem, de que religião forem, de que tradição cultural forem, de que nacionalidade forem.

Os judeus ainda são vítimas de preconceitos tão ridículos como a questão das palavras goy (singular) e goym (plural), que designam simplesmente nações e cidadãos de uma dada nação. Toda a gente é goy. Os judeus são goym de Israel, são nacionais de Israel. A palavra nada tem de pejorativo. 

Aliás, os judeus, que foram os pioneiros entre os povos da Terra no monoteísmo ético, foram a primeira sociedade a conceder direitos e deveres iguais a nacionais e estrangeiros e a criar condições para o fim da escravatura. Há mais de 3 mil anos. Quando hoje, no terceiro milénio, a máxima de "todos diferentes, todos iguais", ainda é uma miragem em grande parte do planeta.

Judeus, tibetanos, cristãos e outras minorias em África, no Paquistão ou no Médio Oriente - defender os que sofrem e são perseguidos, não deveria ser causa de estranheza.

4 comentários:

  1. Sim, estimados. E o Salmo 117:1 diz: Halelu et Yehowah col goyim; shabechuchu col haumin - Louvai à Iehouah todas as nações; elogiai-o todos os povos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva, amigo Benaiah,

      Eu sou "suspeito", porque creio em Deus, mas mais que nunca, acho que estamos numa época em que faz falta ao Mundo olhar para a herança judaica com olhos de ver.

      O Eterno revelou-se aos Hebreus, porque a alguém tinha que se revelar, e as Suas escolhas, não no-las compete discutir. Contudo, a realidade da existência de Deus e do propósito da nossa vida na Terra, é para todos os povos.

      À nossa volta, vemos ruírem as sociedades fundadas com base no egoísmo e em idolatrias diversas. As crises sucessivas que se abatem sobre o Mundo são resultado da nossa insistência em nos afastarmos de Deus, sendo criaturas de Deus.

      Quando todas as nações se regerem pelos princípios consagrados já pelas Leis de Noé (que são facílimas de cumprir, aliás, e não requerem grandes elaborações sociológicas porque são naturais), teremos finalmente o Mundo de paz e concórdia que todos desejamos.

      Abraço,

      Oliveira

      Eliminar
  2. O Infinito Elohim através da Promessa Ao Pai Abraão guarda e cuida de todos os que creem na Sua Palavra.

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.