sexta-feira, 24 de junho de 2016

Trump insiste na caracterização como forma de combater o terrorismo islâmico

"Esperamos que Trump ganhe. Hillary Clinton, financiada por islamistas, ou o lunático e anti-semita furioso Bernie Sanders, seriam a continuação da catástrofe Obama!"


Aparentemente, um apoiante de Trump fez o gesto da saudação nazi para as câmaras. A partir daí, a maior parte dos media tem apelidado Trump e os seus seguidores de "nazis". Não há volta a dar!
Os mesmos media (que não se cansam de difamar e ridicularizar Trump) ignoram as constantes agressões verbais e físicas aos seus apoiantes:

Estas agressões são agressões "boazinhas", é claro! É este  conceito de isenção dos órgãos de "Informação". Faz muito lembrar o tratamento que dão a Israel
Trump, como político, é ainda uma incógnita, ao contrário de Ted Cruz.
Mas promete:


Embora "odeie o conceito", Trump sugeriu que os EUA devem "seriamente" considerar os perfis dos muçulmanos dentro do país como uma ferramenta necessária de combate ao terrorismo.
"Temos realmente que considerar a caracterização", disse Donald Trump, em entrevista transmitida na CBS no programa "Face the Nation".
O candidato presidencial republicano acrescentou que "odeia o conceito de caracterização, mas temos que usar o bom senso."
"Eu acho que a caracterização é algo em que vamos ter que começar a pensar enquanto país", disse Trump. "Não é a pior coisa a fazer ... olhamos para Israel e para outros países, e eles fazem-no. E fazem-no com sucesso."
As declarações são consistentes com outros pontos de vista de há muito expressos por Trump sobre como parar o terrorismo nos EUA, incluindo uma proibição temporária de muçulmanos estrangeiros entrarem no país até que os Estados Unidos consigam descobrir "o que está a acontecer".
Trump reforçou esta abordagem desde que Omar Mateen perpetrou o pior massacre em massa na História americana moderna, em 12 de Junho, num clube gay em Orlando, Florida. Quarenta e nove pessoas morreram no ataque, o que alimentou uma mistura de temores sobre o terrorismo, armas e violência contra gays.
Os motivos de Mateen não são claros, mas o presidente da Comissão de Segurança Interna do Senado, o republicano Ron Johnson, de Wisconsin, disse que Mateen escreveu no Facebook que "os verdadeiros muçulmanos nunca aceitarão os costumes sujos do Ocidente". Ele também jurou lealdade ao ISIS/Estado Islâmico.
Trump também disse que o Governo deve investigar as mesquitas nos EUA, da mesma forma que o  Departamento de Demografia da Unidade de Polícia de Nova Iorque espiou muçulmanos e mesquitas da cidade com a ajuda da CIA.
O grupo reuniu bases de dados sobre onde os muçulmanos viviam, faziam compras, trabalhavam e oravam, infiltrando grupos de estudantes muçulmanos, colocando informadores em mesquitas e monitorizando sermões, informou a Associated Press em 2011.
O Departamento de Polícia de Nova Iorque/NYPD, de acordo com o presidente da câmara Bill de Blasio, anunciou que havia abandonado o programa, devido a processos judiciais e reclamações."Era isso que era feito em Nova Iorque antes de este presidente ter desmantelado o programa", disse Trump.
NOTA NOSSA - Dedicámos alguns posts ao  MASSACRE DE ORLANDO, e contamos fazer mais alguns, e uma das razões é demonstrarmos que este foi mais um massacre que só ocorreu porque o terrorista islâmico Barack Hussein Obama proibiu as investigações, e até as simples alusões ao terrorismo islâmico na legislação norte-americana:

Terrorista!



Os americanos estão divididos
As propostas foram severamente rejeitadas e criticadas por muitos líderes republicanos, incluindo Paul Ryan.Os americanos estão surpreendentemente divididos sobre se se deve caracterizar as comunidades muçulmanas, como parte de um plano para lutar contra o terrorismo, de acordo com uma sondagem realizada de 31 de Março a 4 de Abril.

49% dos entrevistados disseram que favorecem programas de vigilância destinados a comunidades predominantemente muçulmanas nos EUA para obter informações sobre a possível radicalização. 47% opuseram-se.
Trump lançou a caracterização como uma questão de triunfo do "bom senso" sobre o "politicamente correcto".

NOTA NOSSA - CLAP! CLAP! CLAP! CLAP! CLAP!

Defensores das liberdades civis, muçulmanos e outros, têm fortemente discordado, argumentando que a caracterização é inconstitucional e é discriminação com base em raça, religião e outros factores.

NOTA NOSSA - O Islão está em guerra com o Ocidente, e as comunidades muçulmanas são (as estatísticas e os ataques terroristas demonstram-nos!) hostis e perigosas para os países que as albergam - ver por exemplo este que foi dos nossos posts mais lidos:

Apontamentos sobre os ataques de Paris

Dia 19 de Ramadão de 2016 - 147 ataques terroristas, 1063 mortos, incontáveis feridos, mutilados, mulheres e crianças estupradas, todo um cortejo de horror - ver A RELIGIÃO DA PAZ.
Esta é a ÚNICA religião do Mundo em que os adeptos de "radicalizam". Por isso tem que haver  acompanhamento da Polícia!
TRUMP TEM RAZÃO! Esperamos que Trump ganhe. Hillary Clinton, financiada por islamistas, ou o anti-semita furioso Bernie Sanders seriam a continuação da catástrofe Obama!

A Procuradora-Geral Loretta Lynch disse no domingo que a aplicação da lei não deve eximir-se de incidir em grupos que possam ter informações úteis.

"É muito importante para nós manter contactos dentro da comunidade muçulmana, porque, muitas vezes, se alguns estiverem a ser radicalizados, os amigos e familiares serão os primeiros a sabê-lo. E nós queremos que as informações venham até nós", disse Lynch à CNN.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.