quarta-feira, 1 de junho de 2016

PETIÇÃO: Ordem da Liberdade para Mário Nunes




Um acto da mais elementar justiça: 

Pela atribuição da Ordem da Liberdade (a título póstumo) a Mário Nunes, voluntário português do YPG na luta contra o autoproclamado "Estado Islâmico"


Para: Exmo. Sr. Presidente da República; Exmo. Sr. Presidente da Assembleia da República; Exmo. Sr. Primeiro Ministro



Mário Nunes, que se saiba, o primeiro voluntário português a ingressar as YPG (Unidades de Protecção Popular, em curdo) na luta contra o totalitarismo do autoproclamado “Estado Islâmico”, disse em 2015 que «preferia morrer a não fazer nada».
Segundo notícias recentes entretanto confirmadas um ano depois Mário Nunes morreu em resultado da sua luta contra a opressão terrorista. 
Alguns dirão que Mário Nunes foi um traidor à pátria, pois, sendo militar, desertou do seu posto numa messe da Força Aérea Portuguesa para ir lutar integrando um grupo paramilitar não reconhecido pelo Governo de Portugal.  
Quem assim pensa comunga do “legalismo” de Adolf Eichmann e seus correligionários, para quem o que importava era obedecer à hierarquia instituída em vez de fazer o que era moralmente correcto.  
Mas desde os Julgamentos de Nuremberga que a Humanidade afirmou inequivocamente um princípio moral: o de que a obrigação de obedecer às hierarquias — e até à Lei — cessa quando a ordem dada configura um crime contra a Humanidade.

Mas o mal alastra-se (e haverá maior mal do que crimes contra a Humanidade?) não só porque alguns, fanáticos, intolerantes e aguerridos, o instigam e o praticam. Não: o mal alastra-se também porque uma enorme massa humana, podendo, nada faz para o impedir. Assim, do “Princípio de Nuremberga” pode deduzir-se um corolário: o de que a desobediência (incluindo a deserção) é aceitável — e até um imperativo moral! — quando, perante crimes contra a Humanidade, a ordem é (implícita ou explicitamente) para nada fazer.

Assim agiu Mário Nunes: perante a inacção da esmagadora maioria do mundo civilizado, perante a ordem para nada fazer face ao horror na distante/próxima Síria, Mário Nunes tomou a iniciativa de dizer basta! Porque, como nos ensinou Antígona, e ecoando as palavras imortais desse outro herói nacional, Salgueiro Maia, «às vezes é preciso desobedecer».

Cremos, por isso, que Mário Nunes não só não é um traidor, como é merecedor do reconhecimento e do louvor nacional, na forma da atribuição, infelizmente a título póstumo, de um grau da Ordem da Liberdade, aquela que, segundo o art.º 28.º da Lei n.º 5/2011, de 2 de Março, se destina «a distinguir serviços relevantes prestados em defesa dos valores da civilização, em prol da dignificação da pessoa humana e à causa da liberdade.»

Não encontramos melhores palavras que descrevam a decisão de Mário Nunes de integrar as milícias das YPG. Encontramos poucas pessoas tão merecedoras quanto Mário Nunes de uma tal condecoração.

Os signatários
ASSINAR PETIÇÃO


Actualização #1 Esclarecimento sobre a tatuagem de Mário Nunes

Quarta-feira, 1 de Junho de 2016
A notícia do JN (http://www.jn.pt/mundo/interior/peticao-pede-condecoracao-de-portugues-morto-pelo-estado-islamico-5202416.html) sobre esta petição diz a certa altura: «Mário estivera em 2014 na Turquia e no Iraque, de onde trouxera, tatuada num braço, a inscrição "morte aos americanos", alegadamente para "despistar" a verdade: era contra o islamismo.» Esta "informação" já fora desmentida pelo próprio Mário Nunes na entrevista de 2015 à revista Sábado (http://www.sabado.pt/portugal/detalhe/escolhi_combater_o_estado_islamico.html): «Acabei por fazer uma tatuagem, em árabe, que diz "um mundo, um povo". Mas quando desertei vi uma notícia sobre mim que dizia que a minha tatuagem significava "morte aos americanos" e que a fiz para despistar, o que é completamente idiota!» É pena que, tantos meses depois, haja órgãos de comunicação social que continuem a divulgar boatos completamente idiotas...
----------------------------
Embora seja compreensível que o sinta, não deixe de assinar por medo. O facto de termos medo, só demonstra que Mário Nunes teve toda a razão na sua luta.

Aristides de Sousa Mendes é um dos "desobedientes" famosos que poderíamos aqui citar.

Vamos assinar, em homenagem ao sacrifício deste HERÓI, e para ajudar a sacudir os nossos políticos da sua hipócrita e cobarde letargia.


VIVA PORTUGAL! VIVA A LIBERDADE!

2 comentários:

  1. Assinei a petição, mas sinceramente acho que as "mentes brilhantes" que nos governam vão ignorar. No entanto o enorme Mário Nunes é um exemplo. Espero que o povo português que foi amansado com expressões como "povo de brandos costumes" (leia-se: manso)esteja à altura de retaliar contra dos FDP dos Daeshes caso estes tentem alguma coisa em Portugal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, mas isso é certo, amigo Paulo. A petição não vai alcançar o que pede. Para já. Mas está a ser importante para separar as águas.

      Até agora, estávamos numa de 'tanto faz', estávamos numa apatia em relação ao bem e ao mal. Com esta morte, começámos a perceber que existe uma diferença total entre os que vão combater o Daesh e os que vão combater pelo Daesh. Que os primeiros são heróis e os segundos são terroristas.

      E acima de tudo, é um acto de justiça, acarinhar quem deu a vida pelo Bem. Temo que quando o Daesh chegar às portas do nosso país, a maioria dos cidadãos se submeta voluntariamente. Porque para isso temos sido 'amansados', como muito bem diz...

      Oliveira

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.