segunda-feira, 4 de julho de 2016

"Palestinos" homenageiam terrorista que matou menina de 13 anos

  
 Hallel Yaffa Ariel

Após o terrorista 'palestino' Mohammad Taraireh, de 17 anos, ter assassinado Hallel Yaffa Ariel, de 13 anos, enquanto esta dormia, o líder da 'Autoridade Palestina', Mahmoud Abbas, postou a foto do terrorista na sua página oficial do Facebook, declarando-o um "mártir".
Posts deste blog sobre mais este trágico episódio da INTIFACADA, a campanha de assassínio de judeus lançada por Mahmoud Abbas:

Intifacada - terrorista executa menina israelita de 13 anos

O senhor Mahmoud Abbas (É simpático, não é? O Hitler também era...) um mega-terrorista da craveira de bin Laden ou Arafat, continua ser recebido na ONU, no Vaticano, no Parlamento Europeu, em todo o lado!, como se fosse pessoa de Bem.

A liderança 'palestina' elogiou o terrorista de 17 anos de idade que esfaqueou e matou uma menina israelita de 13 anos de idade, Hallel Yaffa Ariel, enquanto esta dormia, na quinta-feira.

O terrorista 'palestino' Mohammad Taraireh, que entrou na casa da menina em Kiryat Arba, perto de Hebron, também feriu um oficial de segurança de Israel antes de ter sido baleado e morto pelas forças de segurança israelitas.

O partido Fatah, da 'Autoridade Palestina' (AP), liderado por Mahmoud Abbas, postou a foto do terrorista na sua página oficial do Facebook logo após o ataque, declarando-o um mártir - "Shahid", a maior honra possível no Islão.


O terrorista islâmico  Muhammad Taraireh (o senhor Abbas não só é responsável pela morte de crianças e jovens judeus, como manda os jovens árabes para a morte).

"O Mártir (Shahid) Muhammad Taraireh, que realizou a operação de hoje em que um colono feminino foi morto, e um colono do sexo masculino foi ferido", diz o texto sob a foto, na página do grupo terrorista Fatah no Facebook.

(Também é assaz "interessante" como todos os grupos terroristas do Mundo são barrados no Facebook, no YouTube, etc. - menos os que matam judeus! A INTIFACADA (a presente campanha de assassínio de judeus) é publicitada nas chamadas redes sociais em total impunidade!).

A WAFA, a agência oficial de notícias da AP, também homenageou o terrorista, referindo-se a ele como um Shahid.


Shahid é um termo de glorificação islâmico usado para heróis nacionais e para os que morreram enquanto travavam a Jihad, a guerra santa muçulmana, contra os infiéis.
Tornar-se um mártir, no Islão, representa o maior conquista religiosa que pode ser alcançada por um muçulmano, de acordo com os ensinamentos da "Autoridade Palestina", e são concedidas ao mártir numerosas recompensas.

Segundo a lei da AP, a família do assassino começa imediatamente a receber uma bolsa mensal que a AP paga às famílias de todos os "mártires".

A mãe do terrorista disse a uma rede de notícias local, de Hebron, que o seu filho era "um herói" e que está muito "orgulhosa".

"O meu filho morreu como um mártir defendendo Jerusalém e a Mesquita Al-Aqsa", declarou ela. "Louvado seja Alá, Senhor do Universo, ele [o meu filho] juntou-se aos outros Mártires como dele, e ele não é melhor do que eles. Se Alá quiser, todos eles vão seguir este caminho, todos os jovens da Palestina. Alá seja louvado".

Hallel Ariel e seus pais.

No domingo, as forças do IDF prenderam a irmã de Taraireh por esta louvar as suas acções. O IDF disse em comunicado que esta prisão se insere na política de repressão contra o incitamento e o apoio ao terrorismo.

Um pequeno vídeo publicado nos media 'palestinos' na quinta-feira mostrou a irmã referindo-se ao terrorista como um "mártir".

"O meu irmão é agora um Shahid. Que Alá castigue os judeus, e que o meu irmão esteja feliz no Paraíso", disse ela.O pai de Taraireh também foi preso pelas forças israelitas após o ataque.
Uma prima de Taraireh foi morta na sexta-feira enquanto tentava esfaquear um soldado do IDF do sexo feminino que fazia a segurança da Gruta dos Patriarcas, em Hebron.
Um primo de Taraireh, Yusuf, foi morto em Março, depois de ter atirado o seu carro contra um grupo de soldados perto de Kiryat Arba. Após o incidente, Muhammad Taraireh postou várias mensagens de elogio ao seu primo no Facebook, e manifestou o seu próprio desejo de morrer.
Via UNITED WITH ISRAEL

https://unitedwithisrael.org/es/

Se é a sua primeira vez neste blog, e/ou se não está dentro destes assuntos, é possível que  ache que estes actos são "resistência" contra o mauzão Israel. É natural que assim pense, pois é isso que os media lhe vendem todos os dias. Mas é errado:

Mas afinal quem são os "palestinos"?

Inventando a Palestina e os palestinos - 1



 É errado em termos históricos e legais, porque Israel é um Estado de Direito, que fez cedências como nenhum outro na História. E é errado que Israel seja o mauzão que os jornalistas e os partidos de extrema-esquerda e neo-nazis lhe pintam:
 Confira:


http://amigodeisrael.blogspot.pt/search/label/Pallywood

Agora repare, sff: se estes terroristas ditos "palestinos" são uns cheguevaras valentes que lutam contra os judeus mauzões, em nome de quê é que os muçulmanos, só até este 29º dia de Ramadão (o mês "sagrado" do Islão), já mataram 1651 inocentes em 228 ataques, em diversos continentes? São todos mauzões, como os judeus?


A Religião da Paz distinguiu-se nas últimas horas por ter espancado um líder religioso  Budista até à morte, por ter assassinado com tiros na cabeça um padre Cristão , por ter assassinado um funcionário de um templo Hindu e por ter chacinado uma menina Judia de 13 anos... em menos de 24 horas!
Ainda acha que todas as religiões são iguais?
 - The Religion of Peace
Se ainda tem dúvidas, alguma coisa de bastante errado se passa consigo. Olhe que na era da Informação, só anda enganado quem quer:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.