quinta-feira, 21 de julho de 2016

Intifacada na Alemanha e em Israel - Porquê o duplo padrão?


Ataca alemães? É terrorista! Ataca israelitas? É herói! Porquê a diferença de tratamento, se os atacantes (os jihadistas) e os motivos (a jihad), são os mesmos?

Esfaqueamento na Alemanha, esfaqueamento em Israel: Porquê o duplo padrão?
Anteontem, um terrorista islâmico na Alemanha tentou assassinar pessoas com um machado. Fizemos um post sobre esse ataque:

Intifacada na Alemanha - Ainda há esperança para o MUNDO LIVRE?

Este ataque foi semelhante a muitos ataques recentes em Israel - inseridos na campanha de assassínio que designámos como INTIFACADA.
Se foi semelhante, porque é que foi relatado na Imprensa de forma tão diferente? Os editores da HONEST REPORTING (agora em Português!) fazem a pergunta:


Na secção  que denominámos INTIFACADA temos compilado algumas das centenas de ataques contra cidadãos israelitas em Israel, e a forma como os jornalistas fazem parecer que foram os terroristas islâmicos as vítimas, com títulos enganadores, com a repetição de chavões como "o alegado ataque terrorista", ou "as autoridades israelitas dizem que", e outros ainda mais obscenos - ainda mais nazis, porque não dizê-lo?

Halel Ariel, de 13 anos, foi assassinada por um terrorista islâmico igual em tudo ao que atacou alemães à machadada. Os jornalistas esconderam o ataque, fizeram crer que foram israelitas que atacaram os colonos árabes muçulmanos, esconderam as habituais celebrações dos terroristas. Esconderam e escondem tudo, sempre.

E assim, o terrorismo contra os israelitas continua a ser rentável para os jihadistas, porque tem o apoio garantido de políticos, comentadores, académicos e jornalistas ocidentais. Ver por exemplo: 

O Hamas e a Guerra da Propaganda Global

A classe profissional dos jornalistas, que se gaba tanto da sua ética, é basicamente constituída de anti-semitas e pró-terroristas como o do post anterior.


--------------------------

'POGROM' DIGITAL E CEGUEIRA ESPIRITUAL 
QUATRO COMENTÁRIOS DE YOUTUBERS AO VÍDEO ACIMA:

- O anfitrião deste vídeo está errado quando diz que a maioria das pessoas só quer que as notícias sejam comunicadas de forma justa e com precisão, especialmente quando se trata de fontes como a MSNBC, a BBC ou a RT de Putin -  Russia Today (RT). (...) É essencialmente um pogrom digital.
- O que quer que Israel faça, é sempre retratado como o mau.
- Um Mohammed usou um camião em Nice, França, para trucidar inocentes. O ISIS, em seguida, elogiou os palestinos pela ideia de utilizar veículos para trucidar peões. O ISIS também agradeceu aos palestinos pelas inovações dos cintos de suicídio, pelos carros-bomba e pelos esfaqueamentos com ferramentas de uso doméstico. Como é que as mamãs e papás palestinos se orgulham de que os  seus filhos disfuncionais "inventem" algo original como matar, cometer suicídio e assassínio em massa? Não admira que os palestinos estejam sempre a usar o dinheiro da ajuda internacional para construir monumentos na Judeia, Samaria e Gaza, para elogiar os seus assassinos como heróis. Quem é que ainda não ligou os pontos? Os islamitas radicais em todo o Ocidente e na Europa e os radicais islâmicos em Israel aka "palestinos" são a mesma coisa.
- É uma cegueira espiritual
 
É realmente cegueira espiritual - mais do que doutrinação de extrema-esquerda e extrema-direita, mais do que jornalismo assassino, mais do que simples ódio atávico, mais do que ignorância milenar ou hábito adquirido.
Correndo o risco de ser catalogado como "fanático religioso" (a classificação moderna para quem crê em Deus e não despreza a cultura judaico-cristã), cito:

Isaías 5

20 Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.