terça-feira, 26 de julho de 2016

Padre francês decapitado por recusar submeter-se a Alá

O padre Jacques Hamel tentou defender os seus co-reféns e recusou ajoelhar-se e prestar culto a Alá. Então os muçulmanos ajoelharam-no à força e cortaram-lhe a cabeça, enquanto filmavam. É esta a escolha que todos temos: submissão ou decapitação. É o Islão.

Dois muçulmanos entraram hoje na Igreja da Gambetta, em Saint-Etienne-du-Rouvray, perto de Rouen, Normandia, pelas 09:45 horas, durante a missa matinal.
Atacaram o padre Hamel e outro sacerdote, duas freiras e dois fiéis, aos gritos de "Allahu Akbar".
Um dos terroristas tinha uma pulseira electrónica, depois de ter sido preso por tentar viajar para a Síria, para se juntar ao ISIS. 
O padre Jacques Hamel, que foi em socorro dos outros reféns e recusou ajoelhar-se e adorar o deus Alá, foi decapitado com uma faca. O outro sacerdote está gravemente ferido. Os dois terroristas foram abatidos pela Policia. 
O ISIS já celebra.


A intervenção da Polícia impediu que mais vidas se tivessem perdido.

Se quer ter uma ideia do que aconteceu hoje em França, não deve ter sido muito diferente da decapitação do padre François Murad, na Síria, há 3 anos:



AVISÁMOS QUE ISTO VINHA A CAMINHO...
Quando na altura divulgámos este vídeo e fizemos vários posts a avisar que estava a decorrer um Holocausto dos Cristãos (e dos outros "infiéis" todos) fomos acusados de "não nos sabermos focar no que é positivo", e estarmos a divulgar notícias susceptíveis de "provocar o ódio".

Escrevemos na altura:

Há quem ache que estas coisas não devem ser faladas, "que nos devemos focar no que é positivo". Pois precisamente por amarmos o que é positivo é que achamos útil chamar atenção para esta viva ameaça ao Mundo Livre.
Foi neste post:

So Many Jihadists, So Litlle Time


 Escrevemos também:
A Europa e os Estados Unidos estão a armar os terroristas sírios, também conhecidos pelos media ocidentais pelo simpático eufemismo de "rebeldes". Pode ser que nos esteja a escapar alguma coisa aqui, para além da desgraça toda que temos relatado em posts anteriores, devidamente ilustrada com vídeos.
Quando relatámos o assassínio do sacerdote católico franciscano François Murad, houve quem dissesse que era mentira, que os "rebeldes" são bonzinhos, que é tudo contra-informação, o costume...

Foi no post em que mostrámos pela primeira vez a execução do padre Murad:

Síria: Franciscano decapitado

Neste post, de há um ano, um padre iraquiano pedia desesperadamente ajuda, e nós tentávamos resumir os perigos que infelizmente agora se confirmam:

Relembrando os nossos alertas para a invasão jihadista:

 

De acordo com os especialistas em contra-terrorismo, estão a entrar na Europa hordas de terroristas do ISIS, camuflados no meio dos "migrantes". O próprio ISIS admite que está a enviar "migrantes" aos milhões como arma psicológica para a submissão da Europa.

75% dos "migrantes" que entram na Europa são homens jovens. Com eles chegam terroristas do ISIS, como estes, que foram detidos com propaganda islamista e vídeos de decapitações nos seus telemóveis. 

Trazemos hoje o testemunho de alguém que está no terreno e passa pelo que as outras vítimas do chamado "Islão radical" passam. Aqui na Europa, quem se atreve a dizer o mesmo, é levado à barra do Tribunal. É o que está a passar-se com o Pastor James McConnell no Reino Unido, que declarou que a religião islâmica é maléfica.
NINGUÉM SE RALA COM AS VÍTIMAS DOS ISLAMISTAS. TODA A SOLICITUDE VAI PARA OS COLONOS QUE OS ISLAMISTAS PARA CÁ MANDAM, COMO MANDARAM EM 1920 PARA COLONIZAR ISRAEL.



Nestes três anos, os cristãos têm sido eliminados (decapitados, crucificados, queimados e enterrados vivos, etc.), à média de 11 mortos por hora, e no meio das mais abomináveis torturas.
No ano passado, dedicámos alguns posts a um massacre numa Sinagoga no bairro de Har Nof, em Jerusalém ocidental, que vitimou quatro rabinos, um jovem polícia druzo e uma criança. 
Os muçulmanos celebraram, como sempre. Os jornalistas disseram que o ataque foi... contra muçulmanos!!!


  Muçulmanos celebrando a morte dos inocentes que oravam em Jerusalém.

 
Muçulmanos em França, celebrando o massacre de editores do Charlie Hebdo e de judeus no Hyper Cacher.

No post

"Quanto tempo durará ainda este pesadelo?"

citámos o Ministro dos Negócios Estrangeiros de Israel, Avigdor Liberman, que declarou que estes ataques voltam a "demonstrar o que afirma há anos: Israel e o povo judeu têm sido vítimas deste horror porque estão na vanguarda da guerra que o terrorismo move contra o Ocidente e contra todo o mundo livre ".

Liberman
observou: "A comunidade internacional não deve satisfazer-se com as declarações e manifestações contra o terrorismo, deve ir além dos limites do que é politicamente correcto e travar uma guerra para acabar com o terror islâmico".

---------------------

Agora já não são apenas os descartáveis judeuzecos, nem os obscuros cristãozecos do Médio Oriente. Agora também SOMOS NÓS, os tão humanistas e sofisticados europeus!
Mas não faz mal. Como dizia o senhor Angel Lee ao seu pobre filho, após o Massacre de Paris, "eles podem ter armas e bombas, mas nós temos flores e velas". E assim ficamos todos muito mais descansados! 

Pelo sim, pelo não, em vez de estarmos a mudar a bandeira no perfil do Facebook todos os dias, mais vale meter um mapa mundi e escrever JE SUIS MUNDO.

2 comentários:

  1. Ajudando a divulgar...
    http://www.caoquefuma.com/2016/07/padre-frances-decapitado-por-recusar.html

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.