domingo, 5 de outubro de 2014

'Yom Kippur - Factos e Pensamentos'

Um dia comum na Terra de Israel é tão santo como um sábado na Diáspora. Um sábado na Terra de Israel é tão santo quanto o Yom Kippur na Diáspora. A santidade do Yom Kippur na Terra de Israel não pode ser encontrada em qualquer outro lugar do mundo.

- Livro Sagrado do Zohar


Comemora-se o dia mais sagrado do ano, o Yom Kipur - o Dia da Expiação (Levítico 16:29 e 23:27). O Yom Kippur é um dia de jejum em que nenhum alimento ou bebida são consumidos por quase 25 horas, juntamente com uma série de outras restrições destinadas a transcender os nossos desejos humanos. Naturalmente, aqueles que estão doentes não são obrigados a jejuar, nem as crianças. É um dia inteiro dedicado à oração, reflexão e expiação. Todo o livro de Jonas é lido na sinagoga, e recorda o arrependimento em massa do povo de Ninveh perante a repreensão de Jonas, que se destina a inspirar-nos arrependimento.
Nos tempos do Templo o serviço de Yom Kippur era um procedimento elaborado e detalhado, em que o Kohen Gadol, o Sumo Sacerdote, fazia a expiação em nome da nação judaica. Só no Yom Kippur o Kohen Gadol era autorizado a entrar no Santo dos Santos para comungar directamente com Deus.

O Yom Kippur é o único dia do ano em que há cinco serviços de prece, enquanto na maioria dos outros dias do ano há três serviços. (...) Em Israel as ruas estão vazias - nem um único carro é visto nas estradas no Yom Kippur. Até mesmo os judeus mais seculares observam o Yom Kippur em algum grau e participam nos cultos na sinagoga. Não ousamos esquecer que a paz e a serenidade de Yom Kippur foram dizimadas em 1973, quando sirenes de ataque aéreo soaram em toda a nação para alertar as pessoas da invasão surpresa árabe - a Guerra do Yom Kippur.

Roupa branca, com a kittel, é usada no Yom Kippur. Trata-se de uma peça de roupa, fina, branca longa, usada pelos homens casados. O branco simboliza o nosso desejo de pureza e do perdão dos nossos pecados. Da mesma forma, simboliza o nosso desejo de imitar os anjos, que são referidos como sendo brancos, e totalmente independentes dos desejos humanos naturais, como comida e bebida. Assim também, o talit é usado em todos os serviços de oração no Yom Kippur, sendo a única vez que um talit é usado à noite. Uma característica central de todas as cinco orações é o "vidui", a confissão dos pecados. O Yom Kippur termina com as orações neilah e maariv, seguidas pelo toque do shofar e pelo cântico jubiloso de "No próximo ano, em Jerusalém."

Embora o Yom Kippur expie os próprios delitos e transgressões contra Deus, não expia pecados e ofensas feitas a outras pessoas. A fim de sermos perdoados por Deus pelos nossos erros, também devemos procurar o perdão de qualquer um que possamos ter prejudicado durante o ano.
O Yom Kippur, em última análise, trata de mudança. Mudança de comportamento, de hábitos e de valores, para melhor. O Yom Kippur é uma oportunidade para cada um de tornar uma pessoa melhor. Uma das minhas orações preferidas recitados no Yom Kippur é baseada em Jeremias 18, e refere-se ao "barro nas mãos do oleiro". Exorto-vos a usar o Yom Kippur para reflectir sobre o passado, presente e futuro, para lembrar que todos nós somos o barro nas mãos do oleiro Supremo. Deixe Deus entrar no seu coração e moldá-lo uma pessoa melhor. Desejo a todos um significativo e espiritualmente produtivo Yom Kippur.

Shabat Shalom e Gmar Chatimá Tova.

Que todos nós possamos ser inscritos e selados no Livro da Vida!

Rabbi Ari Enkin

- Um artigo de Ari Enkin, director rabínico da United With Israel

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.