domingo, 5 de outubro de 2014

Elefante na Redacção do Correio da Manhã

MENTIR POR OMISSÃO
 

Titula assim o CORREIO DA MANHÃ:
Pai mata mãe e vende filhas a um violador violento
- Podia não ter sido um "violador violento". Podia ter sido um violador meiguinho. Mas continuemos:

Mulher do País de Gales revela vinte anos de sofrimento, em livro.
- A legenda da foto é "Fotografia da família de Gaby Gillespie, no Iémen"

Portanto: temos um típico casal britânico, os Gillespie, o marido é um louco que matou a mulher e vendeu as filhas. Ponto final, assunto encerrado, o resto é para encher as colunas. Transcrevemos, só para demonstrar, preto no branco, o nosso ponto:
Uma britânica de 50 anos revelou recentemente que quando era adolescente foi vendida pelo pai, juntamente com as duas irmãs, a um violento violador no Iémen. Antes de ter vendido as três crianças, o homem tinha morto a mãe delas, revela o jornal britânico Daily Mirror.

Gaby Gillespie, uma galesa com 50 anos, publicou as suas memórias no livro 'A traição do meu pai' ('A Father's Betrayal', no título original). No livro, a britânica revela ter sido vítima de abuso prolongado após o homicídio da sua mãe. "Foi uma decisão de grande importância contar, finalmente, a minha história. Penso que é uma história que tem de ser contada. Isto não aconteceu apenas connosco, comigo e com as minhas irmãs. Quem quer que esteja nesta situação tem de começar a falar", referiu Gaby à imprensa britânica, agora que o seu pai já morreu e que ela vive no Reino Unido, com os seus filhos.

O homicida, e pai das três órfãs, vendeu-as a um homem do Iémen. A adolescente e as suas irmãs foram maltratadas e violadas de forma tão violenta pelo iemenita que uma delas acabou por se suicidar. A mulher do País de Gales afirmou à imprensa britânica que desculpa o pai, "pelo que fez à minha mãe e às minhas irmãs", mas, refere que nunca irá "perceber como é que alguém pode fazer isto aos seus filhos".

- É claro que o tipo físico das meninas, que aparecem na imagem (o pai e a mãe não são mostrados), não é o de galeses típicos. Ma, à luz do politicamente correcto, esse FACTO, apesar de notado, NÃO PODE ser comentado, nem sequer se pode puxar o fio que leva ao CERNE DA QUESTÃO!


O CERNE DA QUESTÃO


O cerne da questão é que não se trata meramente de assassínio e venda a um violador. Trata-se de ISLÃO. Pura e simplesmente. O Islão permite o «casamento» de meninas a partir de 1 ano de idade. O pai das crianças é muçulmano, e, como tal, decidiu vender as meninas para se «casarem». É simples!

Se os comentários do CM fossem como dantes, quando não precisavam de autenticação, os leitores do CM (aqueles que já estão na fase bípede), já lá teriam depositado as pérolas do costume, do género:

"Os senhores ingleses, das terras de Sua Majestade, afinal são tão finos e fazem destas poucas vergonhas"

Não me consegui obrigar a escrever um erro de ortografia em cada palavra. As minhas desculpas.



Gabriella Gillespie - O CM trata-se sempre pelo diminutivo Gaby, para acentuar a britanicidade da senhora - está de regresso a Inglaterra, com os seus cinco filhos: Taz, Justina, Adam, Sandy e Luke.

Um caso típico de "elefante na sala". O CM rende-se ao apaziguamento do Islão. Submete.-se. Tem medo. Para sabermos efectivamente o que se passou e porquê, fomos verificar o MAILONLINE.

O QUE O CM NÃO CONTA, PORQUE NÃO É POLITICAMENTE CORRECTO
Mas o MAILONLINE conta:
'O meu pai matou minha mãe - e vendeu-me para o Iémen como esposa quando eu tinha 13 anos':  noiva criança britânica revela o abuso violento que sofreu nas mãos do seu pai e do seu marido
 - Gabriella Gillespie, hoje com 50 anos, cresceu no País de Gales e agora vive em Bristol  
 -  O seu pai iemenita foi preso por matar a sua mãe britânica quando ela tinha seis anos
  
 - Ao ser libertado, levou-a e às irmãs para o Iémen para umas "férias"
-   As irmãs foram vendidas em casamento, com Gabriella, que casou aos 13 anos  
 
-   Ismahan, de 17 anos, suicidou-se no dia de seu casamento, para não casar com um homem muito mais velho

-    Gabriella foi casada à força com Ziad Nasser, de 18 anos, um viciado em drogas violento

-   Depois de 17 anos, conseguiu fugir para a embaixada britânica com os seus cinco filhos

Voltou para o Reino Unido em 1992 com sua família
-   Escreveu um livro de memórias numa tentativa de garantir que a sua história não se repetirá

Eis estão como o CM sobrevoa a razão de ser do livro - lutar contra a exploração sexual de menores no Islão - e dá uma notícia truncada. Porque se rendeu ao politicamente correcto.

Quando os casos são, por exemplo, em Portugal, o CM enche o peito e titula "Padre pedófilo arrisca cadeia" - mesmo antes do julgamento - ou "Escola em Almada escondeu abusos sexuais a menor" - mesmo que as investigações ainda estejam a decorrer.

O SENHOR GILLESPIE

Se a filha se chama "Gaby" Gillespie, o pai deve ser o senhor Gillespie, certo?

ERRADO! O pai é Ali Abdulla Saleh Yafai, um muçulmano iemenita, com quem em má hora uma britânica desprevenida se casou.


O bárbaro e assassino Ali Abdulla Saleh Yafai, com as filhas


A IGNORÂNCIA BEM-PENSANTE

Mas não há casos de abuso e assassínio sem ser no mundo islâmico? - perguntarão rectoricamente os  bem-pensantes. Claro que há! Mas não é de lei. «Casar» as filhas a partir de 1 ano de idade, é permitido no Islão. Espancar as mulheres, torturá-las. mutilá-las, matá-las por motivos triviais, é permitido no Islão e é a regra nos países islâmicos, onde em vez de Direitos Humanos há a sharia, a medieval lei islâmica.

Depois, os mesmos bem-pensantes, que não sabem do que falam, mas que falam alto e pensam que sabem tudo, entram em modo de histeria com verdades óbvias, como esta:
Lembram-se do brado que isto deu?  Alguns vieram logo com a questão dos padres pedófilos. A visão sectária anti-cristã e pró-islâmica, anti-ocidental e pró resto do Mundo, não permite a essas pessoas a simples constatação de que o abuso de menores, na nossa sociedade, é legalmente punido e moralmente mal visto. Já no mundo muçulmano, é a REGRA! Escrita! É a LEI! É aprovado pela religião - que é a ÚNICA autoridade que lá existe!


Policarpo sabia do que falava

 Mais disse, na mesma entrevista:
"Só é possível dialogar com quem quer dialogar, por exemplo com os nossos irmãos muçulmanos o diálogo é muito difícil", disse D. José Policarpo durante a tertúlia.
Respondendo a uma pergunta da anfitriã sobre se o diálogo inter-religioso em Portugal tem estado bem acautelado, o Cardeal Patriarca sublinhou que, no caso da comunidade muçulmana, "estão-se a dar os primeiros passos".
"Mas é muito difícil porque eles não admitem sequer [encarar a crítica de que pensam] que a verdade deles é única e é toda", sustentou.

É a cultura e a psicologia muçulmana. É precisamente por isso que eles cá estão, e consideram serem uma bênção para nós, infiéis, a quem darão a divina graça de nos convertermos. A alternativa é a decapitação, a sanção para quem não quer converter-se à Religião da Paz - também prevista nos livros sagrados.

DO PARAÍSO AO INFERNO

Enquanto estiveram numa família de acolhimento, britânica, o casal  Jim e Thelma, as meninas viveram um período que Gabriella considera idílico, com tudo aquilo a que as jovens britânicas da época tinham direito. 


Tempos felizes, com a família de acolhimento

Após ter cumprido a pena de 6 anos de cadeia (pesadíssima...) pelo assassínio da mãe de Gabriella, o senhor Ali Abdulla Saleh Yafai levou as meninas para o Iémen, em Maio de 1977, com uma carrada de mentiras, como conta Gabriella e como manda o Islão:
"O nosso pai disse-nos tantas mentiras sobre o quão bonito o Iémen era e como nós iríamos ter umas férias maravilhosas; uma família unida novamente, pela primeira vez em anos."
E continua o seu relato penoso:
Gabriella e a sua irmã Ismahan foram levados para a capital iemenita Sanaa por um "tio" chamado Mohammed.

Por um tempo, as duas moraram com os avós paternos numa aldeia perto da cidade, aprenderam árabe e tiveram que vestir a abaya, que cobre o corpo todo - uma peça de roupa nunca tinham vestido antes.

Estas peças de roupa destinam-se a evitar que os homens violem as mulheres ou as meninas. Na cultura islâmica, em caso de violação, a culpa é da mulher, porque não se tapou toda com panos ou saiu de casa sem escolta masculina. É visto como natural que os homens "não consigam" resistir a violar meninas ou mulheres.

A sua irmã Yasmin, que foi rejeitada pelo seu "marido" depois de tentar matar-se com uma overdose de analgésicos, juntou-se a elas. 
Seis meses depois de terem chegado ao Iémen, o pai anunciou que Ismahan - ou Issy como era conhecida -  de 17 anos, casaria com um homem de 60 anos, que tinha uma esposa e filhos mais velhos do que ela.  
Ismahan (foto à direita) suicidou-se, saltando de um telhado, para não se casar
O impacto foi devastador. Apesar das suas recusas repetidas e protestos desesperados, o seu pai insistiu que ela se casaria.

No dia de seu casamento, em vez de se casar com o homem de 60 anos que o pai escolheu para ela, Ismahan suicidou-se,  saltando do telhado do bloco de apartamentos do seu noivo.


Gabriella, sabendo que não demoraria muito até que o pai escolhesse um marido para ela, decidiu fazer amizade com um menino da vila chamado Mana e encorajou-o a aproximar-se do seu pai.

(...) Aos 13 anos, Gabriella tornou-se uma noiva pela primeira vez. Mas, apenas seis semanas depois do seu casamento, Mana, o seu marido de 18 anos, morreu, após dois dias vomitando sangue.

Gabriella foi devolvido ao seu pai, que rapidamente anunciou que ela iria casar novamente, desta vez com um rapaz de18 anos de idade, filho de uma família rica, chamado Ziad Nasser.

"O meu pai escolheu o meu segundo marido", diz ela. "Eu o vi no dia do acordo de casamento. Não tive boa impressão dele, não o conhecia nem queria ficar com ele."


Mas já era tarde demais e quase que imediatamente após o casamento, Gabriella viu-se, aos 14 anos, grávida e vivendo a vida de uma iemenita numa pequena aldeia perto da capital.

O FUTURO DAS NOSSAS FILHAS?

Se tivesse ficado em Inglaterra, Gabriella seria, aos 14 anos, uma rapariga do colégio, a viver talvez o seu primeiro namorico, a colar posters dos seus artistas preferidos nas paredes do seu quarto. No país muçulmano do seu pai, que as esquerdas de todo o mundo efabulam como sendo um Jardim de Éden de paz e harmonia, ei-la precocemente envelhecida, escravizada, apagada da condição de ser humano;
Aos 14 anos, grávida e no segundo casamento. Eis Gabriella Gillespie, brutalmente islamizada.
"Eu vivia com a família do meu marido e foi muito difícil. Eu tinha fazer tudo o que uma mulher iemenita faria.
"Cozinhar para toda a família num forno de barro. Alimentar os animais à mão. Transportar cargas pesadas sobre a minha cabeça, incluindo baldes de água. Trabalhar longas horas nos campos durante a gravidez.
"Foi extremamente difícil adaptar-me a uma nova cultura, especialmente depois de ter sido criada como uma menina britânica e nem mesmo saber falar árabe, quando fomos para o Iémen."
A história continua, com espancamentos que quase a levaram à morte, violação, tortura, com o marido a querer vender as filhas de ambos em casamento para fazer dinheiro, e mais uma quantidade de horrores.

As camaradas Ana Lopera (a do Bloco de Esquerda, que quer criminalizar o piropo), não quererá ir para o Iémen, viver assim? Afinal, lá é que é bom, não é? Cá, somos todos oprimidos pelo capitalismo, pá!!! Lá é só fumar o narguilé e não fazer nada o dia inteiro, enquanto as odaliscas bailam e os anjos vêm pousar sobre as fontes gorgolejantes!

A camarada Marisa Matias, também do Bloco - que odeia e calunia Israel, como toda a sua gente - não quer fazer o mesmo?

As camaradas não quererão mandar filhas ou sobrinhas para lá, casarem com um ogre qualquer de 60 anos? É que, pelo desvelo que dedicam ao Islão e pelo ódio que dedicam à nossa civilização judaico-cristã, não tardará muito para que estejam a defender a islamização do mundo ocidental - com a mesma cegueira com que defendem o Comunismo!

Essas distintas senhoras - tal como toda a Esquerda - não têm uma palavra de condenação da brutalidade islâmica. Ao mesmo tempo que aqui no Mundo Livre defendem todas as "liberdades" e mais algumas. Que estranha doença mental...

Ver:  

Moças casadoiras de 1 aninho!

- Mais sobre o modo como são tratadas as crianças no Islão, na nossa etiqueta "Crianças"


RESPEITINHO É MUITO BONITO!


O elefante muçulmano na redacção do CM - um jornal que nem tem propriamente fama de ser de Esquerda. 

A Imprensa tem por missão INFORMAR. Não é sua missão MENTIR, ainda que "apenas" omitindo. O estado a que a Europa chegou - nomeadamente às mãos dos gangues de estupro islâmicos - deve-se em muito à COBARDIA da Imprensa.

1 comentário:

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.