sábado, 11 de outubro de 2014

O enigma do "auto-proclamado" ISIS

Cada vez mais iluminados jornalistas e opinion-makers nacionais (e não só) têm enveredado pela enigmática lengalenga de denominar o Estado Islâmico de "auto-proclamado". Os exemplos abundam:
 
* no Al-PÚBLICO (mas note-se que, apesar desta sua deriva pelo "auto-proclamado", o autor censura a prática do seu próprio jornal de manipular as palavras que já lhe levaram a passar de "muçulmano" para "islamita"; de "islamita" para "islamista"; de "islamista" para "jihadista"; etc., sempre num esforço de afastar o islão dos actos bárbaros que são cometidos em seu nome, tentando apresentar um islão de "Photoshop" para os ocidentais consumirem);
 
* na Rádio Renascença (que devia pautar-se pelo "seja o teu sim, sim; e o teu não, não");
 
* na Ajuda à Igreja que Sofre (idem, idem);
 
* na cada mais islamizada Euronews;
 


O objectivo é claro: continuar a branquear o islão, desejando dissociar as barbáries realizadas pelos membros do ISIS daquele. Mas isso é tão falso como dizer que Maomé não era muçulmano, pois o ISIS está a fazer o que Maomé fez e mandou fazer, fazendo, pois, com que o ISIS seja islâmico até à medula, fazendo incorrer em mentirosos, estúpidos e hipócritas todos aqueles que o denominam de "auto-proclamado", não o fazendo para a denominação (religiosa ou não) de qualquer outro país (de facto, alguém houve falar da auto-proclamada Dinamarca, ou da auto-proclamada República Islâmica da Mauritânia?).
 
 

jornalistas ocidentais a mostrarem a sua inteligência que os faz negar que o ISIS é islâmico
 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.