domingo, 12 de outubro de 2014

É preciso CORAGEM para admitir os erros

O site da HONEST REPORTING há muito que tem posto os seus leitores a par do terrível preconceito anti-Israel por parte da revista médica "The Lancet". Ser-se médico, músico, sociólogo, físico, poeta, escritor, teólogo, ou ter qualquer outra ocupação, por muito socialmente prestigiada que seja, não isenta as pessoas de ideias feitas e ódios irracionais, alimentados por preconceitos milenares e campanhas políticas sujas. Neste caso, há que louvar a CORAGEM de alguém que não teve medo de ver a VERDADE com os seus olhos.

Hospital Rambam desmonta preconceito anti-Israel

Uma visita a um hospital israelita e um encontro com os factos foi uma experiência educacional para o editor de acusações anti-Israel. Ele corrigiu o seu ponto de vista.


 Jovem paciente palestino tratados no hospital israelita
Durante três dias em Israel, o autor diversas mentiras e preconceitos anti-Israel enfrentou os factos, e anunciou que iria corrigi-los. Mais disse sobre a sua visita a Israel: "foi um ponto de viragem para mim e minha relação com esta região."

O Professor Richard Horton, editor da importante revista médica The Lancet, que publicou uma "carta aberta" extremamente venenosa acusando Israel de crimes de guerra e crimes contra a humanidade durante a Operação Protecção-Limite, foi convidado pelo Rambam Health Care Campus (RHCC), em Haifa, para testemunhar a verdade sobre a forma como os palestinos são tratados em Israel.

Hospital Rambam - um modelo de coexistência entre árabes e israelitas

Depois de três dias no hospital, que incluíram visitas a várias unidades médicas, palestras, discussões, debates e reuniões com os médicos que trabalharam no campo de batalha durante o conflito de Gaza e trataram baixas israelitas e cidadãos de Gaza, bem como com os médicos árabes e israelitas que trabalham lado a lado, Horton expressou o seu "profundo pesar" pela publicação da carta.

Horton concluiu sua visita com uma palestra sobre as responsabilidades das revistas médicas e científicas, durante a qual declarou: "Estou extremamente honrado e orgulhoso de estar aqui". Horton declarou que o Hospital
Rambam serviu de modelo para a coexistência entre árabes e israelitas.

Definir o registo correcto

Antes de iniciar a sua palestra, Horton disse que queria "esclarecer as coisas."

"Eu
lamento, profundamente, a polarização completamente desnecessária que a publicação da carta por Paola Manduca causou", disse ele. "Em segundo lugar, fiquei pessoalmente horrorizado com o vídeo ofensivo que foi produzido e disseminado por dois dos autores da carta. A visão do mundo expressa nesse vídeo é repugnante, deve ser condenada, e eu condeno-a. "
Horton referia-se a um vídeo feito pelo supremacista branco David Duke, que foi promovido por dois dos autores da carta. Depois de uma rodada de aplausos, Horton continuou: "Publicarei o que acabo de dizer no The Lancet na próxima semana."

Horton também expressou a sua clara oposição aos boicotes em geral e ao movimento BDS em particular.

Funcionários do Hospital Rambam acreditam que o resultado da visita de Horton é uma promessa para nova colaboração académica e médica. Horton manifestou interesse em receber manuscritos de Israel e promover a colaboração entre o Hospital Rambam e o The Lancet, para promover a causa dos cuidados de saúde em todos os níveis da sociedade para as pessoas em todo o mundo. A visita de Horton, nas suas próprias palavras, representa "um novo começo para um futuro novo e diferente."

Autor: Aryeh Savir
United With Israel

A palestra pública de Horton:

Qualquer pessoa pode procurar informação isenta sobre Israel na Internet. Israel é um país aberto e livre. Qualquer pessoa pode lá ir, movimentar-se à sua vontade, e confrontar as fantasmagóricas propagandas com a REALIDADE. Experimente escrever, por exemplo, "Rambam Hospital in Haifa, Israel" na caixa de pesquisa do youtube, e encontrará vídeos como estes, que mostram um hospital eficiente, com gente dedicada, e que põe em prática os ensinamentos de um judeu famoso, que disse que se só tratarmos bem os nossos amigos, pouco mérito temos...




Se você, que se deixou impressionar pela propaganda anti-Israel (da extrema-esquerda, da extrema-direita, dos islamistas e dos antissemitas em geral), tiver coragem de dar o beneficio da dúvida a esta nação, como fez o médico Richard Horton, descobrirá que os judeus são apenas GENTE, como nós.

E não, Richard Horton não foi pago para mudar de ideias. Como eu não fui. É preciso ser-se destituído dessa qualidade básica que se chama saber viver, é preciso não se ter valores, para acreditar que toda a gente se deixa comprar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.