quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Última hora: casal assassinado, quatro órfãos


Eitam e Naama Henkin foram assassinados. Os quatro filhos sobreviveram.

ACTUALIZAÇÃO: Os terroristas da Fatah, o bando terrorista da "Autoridade Palestina", já reivindicaram, esfuziantes de alegria, este assassínio:



 


O veículo foi metralhado por terroristas "palestinos"
Um casal israelita acaba de ser assassinado a tiro na Judeia e Samaria - vulgo Cisjordânia.
Os quatro filhos, com idades entre 4 meses, 4, 7 e 9 anos, saíram ilesos do tiroteio.  
O veículo dos terroristas "palestinos" dirigiu-se à aldeia vizinha, onde se presume que os assassinos estão agora escondidos.
O ataque ocorreu pouco antes de 21:00 (hora local) entre as povoações de Itamar e Elon Moré, perto da aldeia "palestina" de Beit Furik.
A Magen David Adom (correspondente à nossa Cruz Vermelha) resgatou as crianças, mas nada pôde já fazer pelo casal. 
A cena do ataque terrorista
Vários tiros foram disparados contra o carro do casal israelita de um veículo em andamento. Pelo menos dois atiradores estiveram envolvidos, porque foram encontradas balas de um revólver e de uma metralhadora.
Ambas as vítimas, moradores em Neria, a norte de Ramallah, foram atingidas várias vezes, disseram os paramédicos. Foram declarados mortos na cena do crime.

As equipas de resgate que chegaram ao local também foram atacadas a tiro.
O paramédico Boaz Malka, um dos primeiros a chegar, disse: "Nós vimos um veículo no meio da estrada, e um homem dos seus trinta anos caído ao lado do carro com ferimentos na parte superior do tronco. Dentro do carro estava uma mulher da mesma idade, também com ferimentos graves no tronco. Estavam sem quaisquer sinais de vida, e, infelizmente, fomos obrigados a pronunciá-los mortos no local ".
A estrada foi fechada ao tráfego, e as forças da IDF varrem a área em busca dos autores.

- Os elementos que aqui divulgamos são do The Times of Israel

1. Lembramos que mais este assassínio é resultado da política de incitamento por parte do mega-terrorista Mahmoud Abbas, presidente da "Autoridade Palestina", sempre apontado como "interlocutor para a paz" pelo Ocidente, mas que sempre se tem recusado (como todos os líderes dos colonos Árabes) a qualquer acordo.

2. A presença destes invasores árabes em Israel é simplesmente intolerável. Israel fez o favor de ceder 88% do seu território para os colonos (que invadiram Israel em 1920) lá fazerem o seu Estado. Chamaram-lhe Jordânia. A partir dos anos 60, inventaram a patranha absurda da "Palestina Árabe", para reivindicarem direitos sobre o que resta da Terra de Israel. 

3.  Se não está dentro do assunto, veja s.f.f. o APÊNDICE deste post. De uma coisa pode estar certo: esta notícia (como sempre que os colonos árabes assassinam judeus) não vai chegar à "Grande Imprensa", que está mais interessada nos "refugiados" e no rapazinho do relógio-bomba. O que é preciso é manter o mito de que é Israel que ataca os árabes.

4. Nos países islâmicos, regra geral, os judeus nem têm autorização de entrar. Israel é apenas 0,02% do Mundo Muçulmano. Estes invasores e terroristas devem ser expulsos de Israel de uma vez por todas. Têm 99,98% de território para viverem felizes, sem terem que andar a assassinar judeus. E têm ainda o resto do planeta, que lhes abre os braços, enquanto abana o rabinho, submisso, na esperança de não ter o mesmo destino deste casal. 

5. Mais uma família destruída, pais mortos, filhos órfãos. Isto tem de PARAR! Se não for Israel a olhar pelos seus, ninguém o fará. 

As vossas orações para este casal e para estas crianças. Para Israel e para os seus cidadãos.

 

1 comentário:

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.