domingo, 4 de outubro de 2015

Lua de Sangue sobre Israel


Aqueles que tiveram a sorte de estar em Jerusalém e acordados nas primeiras horas da manhã do primeiro dia de Sucot (28 de Setembro de 2015), presenciaram este espectáculo magnífico.  

Tantas coisas agradáveis, bonitas e interessantes, de que vos queríamos falar, e que temos vindo a adiar devido à escalada da violência que varre Israel desde o Ano Novo judaico.

A foto acima (que achamos lindíssima) não é uma montagem. É o fenómeno da "Lua de Sangue", do qual já temos falado neste blogue, nomeadamente no post 4 Luas de Sangue.

O Sucot é a festividade mais alegre do calendário judaico. Já falámos também desta festividade, que evoca os 40 anos do Êxodo dos Hebreus, por exemplo no post Feliz Sukkot!.

O Sucot de 2015 foi marcado pelo aparecimento de uma "lua de sangue" rara, a quarta consecutiva a mostrar-se durante uma festividade judaica no último ano e meio. Ocorrência rara.

Na Internet nota-se uma sede de esclarecimento sobre o possível significado deste fenómeno astronómico, em relação com as palavras dos Antigos profetas judeus. 

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu aceita as quatro espécies utilizadas durante a festa judaica de Sucot e inscreve uma letra num rolo da Torá. Nesta festa os judeus devem tomar as quatro espécies (ramo de palma, ramo de murta, ramo de salgueiro e fruta cítrica) entre outros mandamentos especiais.

O eclipse lunar total faz com que a lua apareça de cor avermelhada, resultado da sua passagem pela sombra da Terra e da reflexão dos raios de Sol "vermelhos". 

O que é que a Torá e a tradição judaica têm a dizer sobre as luas de sangue? Para começar, o primeiro eclipse lunar sangue coincidiu com o feriado judaico da Páscoa, um evento crucial que comemora o Êxodo  dos antigos israelitas da escravidão no Egipto. E como todos sabemos, a primeira das dez pragas foi SANGUE. 


Milhares de judeus acorrem ao Kotel (o Muro das Lamentações), para a bênção de Sucot. A bênção vem de Números 6: 23-27, onde Aarão e seus filhos são ordenados a concederem a seguinte bênção ao povo judeu: "Que o Senhor te abençoe e te guarde, Que o Senhor faça Sua face derramar luz sobre ti e tenha misericórdia de ti, Que o Senhor levante o Seu rosto para ti e te dê a paz. "
As quatro recentes Luas de Sangue aconteceram no dia de grandes feriados judaicos

Todas as quatro luas de sangue ocorreram nos grandes feriados judaicos: Páscoa de 2014, seguida do feriado de Sucot de 2014, em seguida novamente na Páscoa de 2015, e em seguida, novamente no Sucot de 2015. Isto aconteceu apenas oito vezes em toda a História!

E há ainda mais: grandes eventos de importância para o povo judeu aconteceram em cada uma das últimas três vezes em que estas
raras luas de sangue ocorreram. E foram eventos que alteraram para sempre o curso e a direcção da História judaica.

A recente lua de sangue vista ao redor do Mundo:


Uma lua de sangue coincidiu com a Guerra dos Seis Dias, em 1967, quando Israel libertou Jerusalém; os Judeus foram capazes de retornar a Jerusalém depois de 2000 anos de exílio. Infelizmente, sangue judeu foi derramado durante essa guerra.

Houve também uma lua de sangue na véspera da declaração de independência de Israel em 1948, após uma sangrenta guerra que teve lugar apenas alguns anos depois do Holocausto, quando seis milhões de judeus foram assassinados!
E, finalmente, houve uma lua de sangue em 1493, quando Tomás de Torquemada, o primeiro Inquisidor espanhol, começou a massacrar os judeus. Aqui também, sangue judeu foi derramado. 
A lua de sangue é um sinal do céu?

Esta profecia tem sido das mais evocadas por judeus e cristãos:   
"Eu vou definir prodígios no céu e na terra: sangue, fogo e colunas de fumo; o sol vai-se transformar em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível Dia de Deus".
(Joel 3: 3).

Inspirados pelas palavras finais do Joel, alguns estão a sugerir que as luas de sangue são um sinal de Deus de que estamos um passo da vinda do Messias.Vai acontecer algo de prodigioso? Ninguém sabe ao certo. O Rabino Ari Enkin, da United With Israel, lembra as palavras do Talmude:
"Quando os judeus fazem a vontade de Deus, não precisam preocupar-se com presságios ou fenómenos celestes. Assim diz o Senhor: 'Não se assustem com os sinais dos céus."
(Talmud, Sukkah 29a)

Judeus, cristãos ou crentes de outros credos, aguardam para ver, se as profecias de Joel se cumprirão em breve. E se sim, como. Para já, volta a ser derramado sangue judaico, como temos noticiados nos últimos posts. O que nos parece ser falta de bom-senso é alinhar no alarmismo que certos sites se comprazem em lançar, anunciando o Fim do Mundo, uma mania que existe há milénios e que persiste na Era da Internet.

1 comentário:

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.