domingo, 2 de agosto de 2015

História de Israel

Moisés e as Tábuas da Lei, por  Rembrandt. O nascimento da nação de Israel e a confirmação da sua matriz Monoteísta, que viria a marcar toda a Civilização Ocidental.

O colunista Charles Krauthammer disse uma vez sobre a História de Israel: "Israel é a própria encarnação da continuidade judaica: É a única nação na Terra que habita a mesma terra, tem o mesmo nome, fala a mesma língua, e adora o mesmo Deus desde há mais de 3.000 anos".  

Na verdade, a história de Israel é inigualável, tanto em longevidade quanto em riqueza. Convidamos os leitores e amigos a saberem mais sobre a História de Israel, antiga e moderna. Vamos tentar contá-la aqui, sucintamente, e bem gostaríamos que cada um de vós procurasse muitas fontes, sérias, isentas, imparciais. Se cada um procurasse conhecimento objectivo sobre este micro-país que está diariamente sob os holofotes políticos e mediáticos globais, muitos mal-entendidos se evitariam.

Longe da Política: Festa na Rua Shushan, em Jerusalém, a 6 de Novembro de2014, congrega gente de todas as religiões e etnias, escassos dias após mais um atropelamento mortal perpetrado por terroristas islâmicos.

 Alguns factos rápidos sobre a História de Israel:
 
A soberania de Israel foi restaurada com a fundação do moderno Estado de Israel, em 14 de Maio de 1948, depois de quase 2000 anos de dispersão judaica pelo Mundo. Mas os judeus nunca deixaram de estar presentes na sua Terra, apesar das diversas invasões que a fustigaram ao longo dos milénios.


 David Ben-Gurion lê a declaração de independência do Estado Judaico

Actualmente, 42,9% da população judaica do Mundo reside já em Israel.

Os judeus são 6,103,200 em Israel, o que representa 74% da população. 

Os judeus são cerca de 0,18% da população total do Mundo. 

Em Portugal há 600 judeus - 0,01% da população. A lotação do Estádio da Luz, em Lisboa, é de 65.647 pessoas.
 
Israel mede cerca de 466 quilómetros de comprimento por 136 de largura. 


Israel constitui 0,5% do Médio Oriente em área.


Israel (a azul) e o Mundo Árabe (a amarelo)

É o único país não muçulmano do Médio Oriente e do Norte de África, e o único Estado democrático, laico e respeitador dos Direitos Humanos em toda a região

Caminhando de Israel para Leste e para Sul, poucas mais democracias plenas se encontram, infelizmente:



Na Ásia, o regime livre e democrático de Israel goza apenas da companhia da Índia e do Japão


Na Oceânia, só a Austrália e a Nova Zelândia são democracias plenas. E Timor-Leste.

No Continente Africano, só há liberdade, democracia e direitos humanos na África do Sul e no Botswana.

Nas Américas, os regimes livres e democráticos são: Canadá, Estados Unidos, Costa Rica, Panamá, Brasil, Uruguai e Chile.

E temos finalmente a Europa como oásis dos valores democráticos, humanistas e judaico-cristãos. Ainda assim, no Leste da Europa encontramos alguns regimes autoritários ou ditatoriais.

Há cerca de 200 países no mundo inteiro.

Se meditarmos um pouco no mapa acima, constataremos a importância estratégica de Israel, como ilha de democracia num oceano de tiranias comunistas, islamistas e tribalistas. 

Grande parte da campanha anti-Israel movida pelos sectores políticos e mediáticos islamistas, da extrema-esquerda e da extrema-direita, tem nessa posição estratégica a sua razão. É que Israel é a guarda-avançada do Mundo Livre.

Fontes: Jewish Virtual Library; Stand For Israel; AnthroWorks.


 MOISÉS
Sir Ben Kingsley, actor premiado com o Óscar, interpreta Moisés, o profeta do Antigo Testamento, neste clássico de três horas. A história começa quando a mãe de Moisés o lança à deriva no Nilo, dentro de uma cesta, durante a purga mortal dos filhos dos hebreus, decretada pelo faraó Ramsés, brilhantemente interpretado por Christopher Lee. O bebé é encontrado pela princesa e criado como herdeiro do trono da família, mas Moisés vai renunciar a uma vida de privilégios e luxo quando é chamado por Deus para libertar o seu povo da escravidão.
O grande Êxodo do Egipto é narrado de forma dramática, neste filme que segue a vida e os tempos da tribo hebraica - as suas provações e tribulações - com grandes actuações de um elenco impressionante que inclui actores internacionalmente aclamados, como David Suchet, Geraldine McEwan, Frank Langell, Anton Lesser, Dudley Sutton, Anna Galiena e muitos mais.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.