sexta-feira, 22 de maio de 2015

Papa nunca chamou a Abbas "Anjo da Paz"

ACTUALIZADO 



Abbas: chamar-lhe pomba da paz seria demasiado mau-gosto!


Mammoud Abbas, também conhecido pelo seu nome de terrorista - Abu Mazen -  tem uma longa história de apoio e envolvimento no terrorismo (participou p. ex. na chacina de israelitas dos Jogos Olímpicos de Munique), e recebe em festa e glória os terroristas assassinos de crianças israelitas, de sobreviventes do Holocausto e de judeus em geral. É o líder da "Autoridade Palestina" e grande encorajador de actos como a jihad automóvel (leia-se o atropelamento de judeus em Israel). Temos documentado as suas actividades neste blog. Declarou sem equívoco que, num futuro Estado «Palestino», nem um judeu entrará. Como Hitler, um dos heróis do Islão.

Depois de o Papa em Israel se ter prestado a mais um epísódio lamentável  do seu extenso rol de actos aparente submissão ao Islão, agora circulou nos media que terá chamado a Abbas "Pomba da Paz". Se tivesse sido "Bomba", ainda vá que não vá. Agora "Pomba", era demais!

Lamentamos que o Papa (e muita gente que cremos bem intencionada) acredite que é possível fazer a paz com terroristas irredutíveis como Abbas. É, no mínimo, desconhecer a História sangrenta do Islão. 1400 anos de crueldade sem limites, terrorismo e genocídio.

Lembramos ainda o recente "puxão de orelhas" ao Papa, protagonizado pelo presidente turco, o jihadista Erdogan, que negou o Holocausto Arménio.

Neste vídeo de 2011, o terrorista Abbas encoraja o rapto de judeus:


Via Europe-Israel:
Vaticano corrige desinformação da AFP e da Associated Press: O Papa nunca chamou a Abbas "Anjo da Paz"

Jornalistas anti-Israel e pró-palestinos da AFP, BBC e Associated Press divulgaram a informação falsa de que durante o encontro com Abbas, o Papa  ter-lhe-ia dito: "Você é o anjo da paz. "
O Vaticano recordou entretanto que Mahmoud Abbas, de seu nome terrorista Abbu Mazen, tem sangue judeu nas mãos ...
O Padre Lombardi fez questão de corrigir:
"O Papa queria encorajar os esforços de paz de um homem que foi convidado por ele em 2014, com o presidente Shimon Peres, para uma oração pela paz, no Vaticano."
"Ele não disse que Abbas é um anjo de paz, mas, em vez disso, que procurasse actuar à maneira do 'Anjo da Paz', que está gravado no medalhão que o Papa lhe ofereceu."
"A ideia de incentivo parece-me clara, e o presente (o medalhão) é dado a muitos Presidentes e não apenas a Abbas" insistiu o padre Lombardi.
No Twitter, muitos usuários sentiram que o Papa tinha sido mal interpretado pelos media: (...)
"Foram os media e não o Papa, quem chamou a Abbas anjo da paz".

O judeu italiano Riccardo Pacifici, cujos avós morreram em  Auschwitz, expressou a sua decepção.

No diário La Stampa, Riccardo Pacifici, presidente da Comunidade Judaica de Roma, expressou a sua "decepção":
"Vimos a exortação do Papa a Abu Mazen, ('anjo da paz') como uma amarga ironia. Ele confia a um anjo da morte a esperança da paz, enquanto que nós, judeus, queremos o nascimento de um Estado palestino ao lado de Israel e não no seu lugar ".


A "PAZ" DE ABBAS:

Continua a jihad automóvel em Israel, encorajada pelo terrorista Mammoud Abbas. Como não somos profissionais, não podemos dar-vos as constantes notícias de atropelamentos de judeus em Israel (muitos deles mortais) a mando deste senhor.

Mas os jornalistas, os profissionais, tão pouco falam disso.

Veja a recepção delirante ao corpo do terrorista Amraan abu Dahim, abatido pela Polícia na sequência de mais um ataque por atropelamento:

  

O funeral teve severas restrições de segurança, mas o entusiasmo da populaça é manifesto. É esta a postura dos colonos muçulmanos em Israel.
A "Autoridade 'Palestina'" é tão terrorista como o Hamas, que é tão terrorista como o ISIS, que é tão terrorista como a al-Qaeda, que são todos terroristas, porque seguem o Alcorão à risca, mai'-los seus mandamentos de fazer guerra e dizimar os "infiéis".


O terrorista líder do Hamas e o da Autoridade "Palestina". Ambos pretendem "varrer Israel do mapa". O Ocidente apoia-os.

Alguém no seu perfeito juízo defenderia o "diálogo para a paz" com o Osama bin Laden, com o ISIS, com a ETA, com as FP-25, com a Mafia, com os Hells Angels, com a Mexican Mafia, com os Los Zetas, com o Bibi da Casa Pia, com o Rei Ghob, etc., etc.

Se o Papa não recebe os cappos da Mafia para lhes desejar que sejam "Anjos da Paz", porque recebe este indivíduo, que é bem pior?

Porque é que a "Comunidade Internacional" teima em obrigar Israel a "dialogar" com terroristas como Abbas?

Porque é que a "Comunidade Internacional" teima em encher esta gente com dinheiro, que eles gastam em armas para destruir Israel, e em engordar as suas fortunas pessoais?

Assine a petição contra esse escândalo: AQUI.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.