sábado, 10 de janeiro de 2015

David 'Taqya' Munir?

“E quando encontrares os infiéis, corta-lhes a garganta"  (Alcorão 47:4)

Não poderia David Munir admitir que o Islão tem uma componente violenta, mas que está ultrapassada?

Não poderia David Munir deixar de apoiar tacitamente o Hamas, que é o que faz quando se recusa a considerá-lo um grupo terrorista?

Não poderia David Munir (que não é parvo), deixar de dizer que Israel pratica "genocídio" sobre Gaza, quando se passa exactamente o oposto?

A gente só pergunta. Daí o ponto de interrogação no título do post.



"Maomé é o apóstolo de Alá. Os que o seguem são implacáveis para os infiéis e compassivos uns para com os outros" - Alcorão 48:29 - O conhecido Munir está a precisar de Fosgluten!


David Munir, imã da mesquita de Lisboa, veio dizer que os ataques em Paris são contra o Islão, etc., que o seu profeta era pacífico, e por aí fora.

"Chamaram-lhe de feiticeiro, chamaram-lhe de poeta, chamaram-lhe de ilusionista, aquelas pessoas que não concordavam com a sua mensagem. E o profeta respondeu-lhes com tolerância, ignorou muitas das vezes, nunca foi agressivo com nenhum deles".

Está no CORREIO DA MANHÃ.

O xeque "esqueceu-se" de mencionar a longa lista de pessoas que Maomé assassinou pessoalmente que mandou assassinar. Está aqui.

"Esqueceu-se" também de que o Islão manda matar e escravizar todos os não muçulmanos, como está sobejamente demonstrado no Alcorão e noutros escritos do Islão. E como temos aqui citado e demonstrado à saciedade. Quem duvida, que leia o Alcorão e verifique por si mesmo.

Do blog LEI ISLÂMICA EM ACÇÃO, uma breve compilação, para que as ALDRABICES do conhecido Munir não caiam em ouvidos crédulos:

Publicações em português sobre o islamismo e a jihad



E-books
Lei Islâmica (Sharia) para os não-muçulmanos ==> link

Jesus e Maomé, Diferenças Profundas e Semelhanças Surpreendentes ==> link

Jihad e o Reino de Deus ==> link 
Islamismo e a Trindade ==> link
Islamismo e a Cruz de Cristo ==> link 

Livros
Segredos do Alcorão ==> detalhes e comentário





Os Fatos sobre o Islã ==> detalhes
A Hora da Verdade Sobre o Islã ==> detalhes 

Por dentro da Jihad ==> detalhes

Filho do Hamas - Relato Impressionante sobre Terrorismo, Traição, Intrigas Políticas e Escolhas ==> detalhes


Vídeos
DVD Obsessão - A Guerra do Islã Radical Contra o Ocidente ==> detalhes
também disponível no YouTube aqui e aqui.

DVD - A Verdade Sobre o Conflito no Oriente Médio ==> detalhes

Este excelente site desmonta a propaganda islamista ponto por ponto. Conta a História do Islão e do seu fundador com vastas fontes.

Não esqueça também a nossa secção ISLÃO, e sites como:



e em Inglês:


http://themuslimissue.wordpress.com/

Mais um bocadinho de Alcorão que Munir "esqueceu":

"Aqueles que prejudicarem Alá e Seu Mensageiro, Alá os amaldiçoa neste mundo e no próximo, e já lhes preparou um castigo humilhante". (33:57).  
"Malditos eles serão. Onde quer que sejam encontradas, elas serão presos e todos mortos." (33: 61)
"Que haja humilhação neste mundo para eles." (05:45) 

Clérigo muçulmano explica, na sua mesquita, como se deve decapitar um infiel como deve ser:


Lembramos que:

"O Islão não é uma religião"

E que os muçulmanos têm o direito de vida e de morte sobre nós, a escumalha, os "infiéis":


"Quanto aos cativos, o emir [governante] tem a opção de tomar a acção mais benéfica segundo quatro possibilidades: a primeira, condená-los à morte, cortando-lhes o pescoço, a segunda, escravizá-los e aplicar as leis de escravidão em relação à sua venda e alforria, a terceira, resgatá-los em troca de bens ou prisioneiros, e a quarta, para mostrar bondade,  é perdoá-los. Allah (que seja louvado), diz: "Quando encontrares aqueles [infiéis] que negam [a Verdade = o Islão , então corta-lhes [os seus] pescoços" (Alcorão sura 47, verso 4)" - Abu'l-Hasan al-Mawardi, al-Ahkam as-Sultaniyyah (As Leis de Governança Islâmica), trans. por Dr. Asadullah Yate, (Londres), Ta-Ha Publishers Ltd., 1996, p. 192.


Lembramos também que David Munir, quando interrogado sobre se considera o Hamas (o bando que tem como objectivo extinguir os judeus, como manda o Alcorão) é um grupo terrorista, se recusou a responder. E que quem cala, consente!

Não esqueçamos também que:
O xeque Munir (de cuja mesquita têm saído "combatentes" do Estado Islâmico) diz sempre que o Islão respeita o Cristianismo e o Judaísmo, que não há nenhum conflito religioso no mundo, e que a jihad islâmica é uma coisa que não se sabe bem o que é, mas que não tem nada a ver com o Islão.
O Islão é exçlusivista, supremacista e intrinsecamente terrorista, como demonstram os FACTOS e a teologia islâmica. A taqyiia (ou taqya, para simplificar), a mentira sagrada, é um dos aspectos dessa "teologia":

Um "belo truque"

 


Para os que não estejam dentro destas coisas, aconselhamos, para começar:
"Este documentário mostra como o discurso dos que defendem o islamismo contraria a essência do próprio islamismo. São exibidas citações do Corão e das Hadiths (Tradição Religiosa Islâmica) comentadas por especialistas no assunto e por um ex terrorista. Eles concluem e comprovam de maneira convincente que o terrorismo é consequência natural da prática do Islamismo que ordena seus seguidores matar, literalmente, todos aqueles que não seguirem a fé islâmica."

Escravatura, escravatura sexual, genocídio, tortura, canibalismo, terrorismo, tudo isso e muito mais, é permitido, encorajado e parte integrante do Islão, como temos demonstrado em milhares de artigos, com provas tangíveis, citações do Corão, vídeos de clérigos em discurso para consumo interno - e não em exercício da taqyiia.


P.S. - Um dos mais mediáticos apoiantes tácitos do massacre no Charlie Hebdo é aqui o amigo Gustavo Santos:


Um cérebro, este rapaz, não desfazendo...

Na caixa de comentários do Facebook deste menino andou lá também o conhecido islamonazi Nuno Guerreiro Lobito, a aplaudir a chacina de cartoonistas e dos seus odiados judeus, em nome do Islãozinho.


POST-SCRIPTUM - Outro que vem tacitamente apoiar a chacina contra o Charlie e contra outros inocentes, é o conhecido padre islamófilo e comunista Leonardo Boff

3 comentários:

  1. Se a imprensa ouve os muçulmanos, também deveriam ouvir aqueles que dizem as verdades sobre essa enganadora e maligna seita.

    ResponderEliminar
  2. Quem chamar profeta a maomé está a insultar maomé o islam os muçulmanos e o maometano allah. porque ser prfeta implica ter alguma autonomia mas o islam diz que as palavras que dizia não eram dele mas de allah, que ele apenas repetia, que era uma espécie de papagaio e sabemos de quem

    ResponderEliminar
  3. Quantas gargantas ainda vão se oferecer para o ódio islâmico?

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.