quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Abbas, o Biface

 

Abbas é um terrorista. Abbas esteve envolvido em inúmeras operações de massacre de judeus. Abbas dirigiu e financiou os massacres das Olimpíadas de Munique. Abbas é um antissemita consumado, que quer fazer do imaginário Estado da "Palestina" uma zona "livre de judeus" - tal como Hitler. Abbas recebe os assassinos de judeus como heróis e recompensa-os principescamente. Abbas é um cínico.
Tido no Ocidente como um «moderado» - porque assim convencionou a máquina de propaganda antissemita, Abbas condenou este ataque para ocidental ver. Mas para dentro do mundo islâmico, a conversa foi outra. Como sempre.
O Partido Fatah de Abbas comemorou o ataque terrorista brutal contra uma sinagoga de Jerusalém:

O Partido Fatah, de Abbas, chama ataque terrorista em Jerusalém "uma operação abençoada" (Foto: Facebook)

A condenação de mais este ataque terrorista em Jerusalém é desonesta, considerando também, por exemplo, que Abbas louvou a recente tentativa de assassinato do rabino Yehuda Glick, um activista pelos direitos civis iguais para pessoas de todas as fés no Monte do Templo.
Abbas elogiou Hijazi, o autor dos disparos, e enfureceu-se contra as forças de segurança israelitas que abateram o terrorista na cena da tentativa de assassinato. "Muatez Ibrahim Hijazie ... subiu para os céus como um mártir", disse o terrorista Abbas, parceiro de Israel nas negociações de paz mediadas pelos EUA.

Outro terrorista, o da Casa Branca, não teve uma palavra para condenar mais este massacre.
O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, imediatamente a seguir ao massacre, acusou Abbas de ter desempenhado um papel significativo no ataque, não obstante as palavras de condenação para consumo externo.

No dia 18 de Outubro de 2014, Abbas apelou a que os árabes usassem todos os meios para impedir os judeus de entrarem no Monte do Templo. E a onda de violência e vandalismo começou.
"Este é o resultado directo do incitamento liderado pelo Hamas e por Abu Mazen [ 'nom de guerre' de Abbas], o incitamento que a comunidade internacional está de forma irresponsável a ignorar. Vamos responder com mão pesada ao brutal assassinato de judeus que vieram para rezar e foram vítimas de assassinos", declarou Netanyahu. 
 Escusado será dizer que a Imprensa internacional retirou de todos estes assassínios, apenas a promessa de "mão pesada" de Netanyahu. Tal como a George Bush após o 11 de Setembro, é exigido ao P.M. de Israel que acate passivamente a chacina dos seus compatriotas.

Após o incitamento de Abbas, que detalharemos em próxima oportunidade (hoje isto já vai longo), até o ISIS não se coibiu de mostrar a sua presença no lugar mais sagrado do Judaísmo... onde cristãos e judeus não podem orar livremente:


Foto recente do ISIS no Monte do Templo

1 comentário:

  1. QUE ABBAS MORRA COM A BOCA CHEIA DE FORMIGAS......COMENDO A SUA LINGUA FALSA E FERINA COMO QQ VERME QUE RASTEJE. ESTE FALSO TRAIDOR SEM PRINCIPIOS E SEM CORAÇÃO HUMANO ELE TEM NO PEITO UMA COBRA VENENOSA.....DESTINANDO VENENO ......

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.