terça-feira, 29 de abril de 2014

O Inferno da Irmandade no Egipto


O LEMA DA IRMANDADE MUÇULMANA:
"Allah é o nosso objectivo. O Profeta é nosso líder O Alcorão é a nossa lei. A Jihad é o nosso caminho. Morrer por Allah é nossa maior esperança. Allahu Akbar!"

Somos contra a pena de morte, e de forma alguma nos regozijamos com esta sentença. Pelo contrário! Mas imagine que Israel tomava uma medida destas contra os terroristas que tem detidos...


Sem louvar a pena de morte, convém que não se esqueça o que foi o inferno que a Irmandade (organização terrorista e supremacista islâmica, com raízes nazis) instalou no Egipto. Mesmo que a eleição da Irmandade tenha sido limpa (há muitas dúvidas), nenhuma eleição dá o direito de exterminar, torturar, aterrorizar! Grande parte do que se segue já foi aqui publicado, mas vale a pena lembrar:


A prioridade da Imprensa Ocidental tem sido sempre vitimizar a Irmandade Muçulmana. As notícias das igrejas queimadas, dos cristãos assassinados, das crianças cristãs raptadas, das mulheres cristãs violadas, raramente chegam aos media Ocidentais.

Na nossa pequenez e amadorismo total, acompanhámos como pudemos o INFERNO que a Irmandade instalou no Egipto. Publicámos listas de igrejas cristãs atacadas, de que Imprensa Ocidental pouco ou nenhum eco fez. Era quando os irmãos muçulmanos assassinavam dezenas de polícias por dia - e até uns aos outros, para culparem o Exército. O Mundo não se mexeu, perante o massacre dos cristãos e dos muçulmanos moderados egípcios. Muito por culpa dos media.

Cristãos egípcios a serem atacados ante a impassibilidade da Polícia:


Violação e tortura de raparigas cristãs como represália e método de conversão ao Islão, nos protestos pela queda de Morsi (disto não se falou por cá):


O ataque à catedral de S. Marcos - equivalente copta ao Vaticano para os católicos - precedeu as manifestações contra  irmandade Muçulmana. A perseguição aos cristãos foi um dos motivos da contestação ao regime fundamentalista de Morsi:

  

Em meados de Agosto fizemos várias actualizações das igrejas e mosteiros cristãos no Egipto; por exemplo aqui. Um vídeo de um desses ataques.

  

Após um ano no poder (na sequência de eleições que se acredita terem tido os resultados falsificados), a organização terrorista Irmandade Muçulmana trouxe às ruas mais de 35 milhões de egípcios, cristãos e muçulmanos, descontentes com o regime islamista radical imposto pelo Governo, com a Sharia (a lei islâmica) a tomar o lugar da Constituição. Os cristãos têm sido os bodes expiatórios da queda do governo de Morsi.

 

 Membros da Irmandade Muçulmana na administração Obama

No nosso post Crimes da Irmandade Muçulmana mostrámos o documentário homónimo, numa altura em que o Governo do Egipto se preparava para ilegalizar a organização terrorista no país. Do outro lado do Atlântico, Obama (apontado por autoridades egípcias como membro da Irmandade Muçulmana), como represália, retirava o apoio militar ao Egipto. Sobre os massacres e a perseguição aos cristãos, Obama declarou, num intervalo do seu golfe, não querer interferir nos assuntos internos do Egipto. Vários responsáveis egípcios advertiram na altura Obama de que não deveria passar a apoiar o terrorismo no Egipto, ou divulgariam os documentos que o ligam à Irmandade. Falámos disso e mostrámos vídeos aqui.

"Com pessoas a serem mortas, os cristãos em particular, igrejas a serem destruídas, onde está a linha vermelha do presidente Obama no Egito?" - perguntaram em conferência de Imprensa ao vice-secretário de Imprensa Casa Branca, Josh Earnest, ao que ele respondeu: "Bem, eu não trouxe minha caneta vermelha comigo hoje."
 Só o Christian Post e outras publicações não mainstream fizeram eco desta graçola. Obama e a sua administração são intocáveis...

Documentário Crimes da Irmandade Muçulmana:


"Este vídeo é sobre documentação descoberta após 9/11 de Setembro. Sabia a Irmandade Muçulmana tem posições-chave na administração Obama? Barack Hussein Obama apoia o Islão.

O plano Irmandade Muçulmana para dominar o mundo 
A chamada Primavera Árabe deu à Irmandade Muçulmana poder e influência no Médio Oriente. O seu único objectivo é controlar o mundo com o Islão. Eles sabem que não podem usar já a força para converter o Ocidente, por isso eles usam o engano (a taqiyya). E assim conseguiram enganar os políticos ocidentais e levá-los a acreditar neles .

Al-Kubaisi também entrevistou Gamal al-Banna, irmão de Hassan al-Banna, o homem que fundou a da Irmandade Muçulmana em 1928. Al-Banna teve palavras duras para os actuais membros moderados da Irmandade, dizendo que "não acredita em liberdade de forma alguma.":
"Não acreditamos na liberdade, de forma alguma", disse ele; "Não há nenhuma autoridade islâmica que respeite a liberdade ou a democracia." Al-Banna também condenou o estado da cultura islâmica moderna.
(...)


O LEMA DA IRMANDADE MUÇULMANA:
"Allah é o nosso objectivo. O Profeta é nosso líder O Alcorão é a nossa lei. A Jihad é o nosso caminho. Morrer por Allah é nossa maior esperança. Allahu Akbar!"

. O objectivo da Irmandade Muçulmana é transformar o mundo num império islâmico. A Irmandade Muçulmana é um movimento fundamentalista revolucionário para restaurar o califado e rigorosa lei sharia ( islâmica ) em terras muçulmanas e finalmente em todo o mundo. Hoje, ele tem filiais em 80 países .

"É da natureza do Islão dominar para não ser dominado, impor a sua lei em todas as nações e estender o seu poder a todo o planeta." - Hassan al- Banna, fundador da Irmandade Muçulmana.

"A Irmandade Muçulmana apela à Jihad contra os verdadeiros inimigos dos muçulmanos, não só Israel, mas também os Estados Unidos. Jihad contra ambos os infiéis é um mandamento de Allah que não pode ser desconsiderado." - Muhammed Badi Guia Supremo da Irmandade Muçulmana, Setembro 2010

O Hamas é uma ala da Irmandade Muçulmana

· A Irmandade Muçulmana apoia a guerra do Hezbollah contra os judeus. O líder da Irmandade Mahdi Akef declarou que estava "preparado para enviar 10.000 jihadistas imediatamente para lutar ao lado do Hezbollah" durante a guerra do Hezbollah contra Israel em 2006.

A Irmandade Muçulmana aprova as "operações de martírio na Palestina" .... "Eles não têm bombas, então eles transformam-se em bombas. Esta é uma necessidade" - líder espiritual da Irmandade Muçulmana, Yusuf al- Qaradawi, 17 dez Dezembro de 2010.

· A Irmandade Muçulmana defende a jihad violenta : a "mudança que a nação muçulmana procura só pode ser alcançado através da jihad e do sacrifício, e criando uma geração jihadista que busca a morte, assim como os inimigos perseguem a vida ", disse o Guia Supremo da Irmandade, Muhammed Badi em sermão de Setembro 2010.
Os principais terroristas saídos da Irmandade Muçulmana incluem Bin Laden, Ayman al- Zawahiri e Khalid Sheikh Mohammed ( mentor dos ataques de 9/ 11)."

Os "pacíficos" protestos da Irmandade Muçulmana:



Para impressionar os Ocidentais e levá-los a apoiar a Irmandade, a estratégia tem sido a de produzir vídeos como este, com falsas vítimas, para culpar o Exército:



 As mentiras pró-islâmicas da Al Jazeera e a sua propaganda foram expostos várias vezes - e são doutrinariamente permitidas através taqiyya *! Veja o vídeo acima, recentemente transmitido ao vivo pela rede de TV que apoia os terroristas. A mulher histérica é ouvida criticando os militares egípcios por supostamente matarem manifestantes pacíficos da Irmandade, enquanto um homem parece estar morto - uma suposta vítima dos militares. A sua mão repousa sobre o tronco, a camisa está coberta de sangue, o que implica que há uma ferida de bala nesse ponto. No entanto, quando o médico desavisado tenta levantar a camisa do homem, este homem supostamente inconsciente ou morto - com os olhos ainda fechados e expressão facial impassível - subtilmente levanta a perna esquerda, para empurrar a mão do médico e permitir que o sangue seja gravado pela Al Jazeera. Claro, a pessoa que filmava imediatamente parou - mas não o suficiente antes que o episódio vergonhoso fosse registado, comprovando a campanha de propaganda pró-Imandade Muçulmana  da Al Jazeera, que, por ingenuidade ou intencionalmente, é seguida pela maioria dos meios de comunicação ocidentais.
A taqiyya tem aspectos particularmente horrendos quando, como no Egipto, muçulmanos simpatizantes da Irmandade matam outros muçulmanos simpatizantes da Irmandade para culparem o Exército:




Ver também: 
  
As raízes nazis da Irmandade Muçulmana
 
por LUIS MANUEL CABRAL no Diário de Notícias

 



A Irmandade Muçulmana, principal força de oposição no Egipto, é uma organização que remonta à Segunda Guerra Mundial, com um passado ligado à Alemanha nazi.

O mundo teme que o Egipto venha a ser governado pela Irmandade Muçulmana, a principal força de oposição no país, que recusa a permanência no poder do presidente Hosni Mubarak. E não é para menos, tais os antecedentes da organização fundamentalista islâmica, que como revelam alguns investigadores, remontam à Segunda Guerra Mundial e a um passado ligado ao nazismo.
Apesar das prisões, deportações e execuções de muitos dos seus membros no passado, a Irmandade Muçulmana não foi destruída nem por Mubarak, nem antes por Nasser ou pelo rei Farouk que a viu nascer em 1928. Hoje, a Irmandade está nas ruas, com mais força que nunca, ao lado de milhões de manifestantes que exigem a demissão do seu presidente, e o futuro do Egipto é uma perigosa incógnita.
De braço dado com a suástica
Peter Lavenda, no seu livro " Aliança-Sagrada" (Unholy Alliance), revela que o oficial das SS Otto Skorzeny (famoso, entre outras façanhas, por ter liderado o grupo de comandos que libertou o ditador Benito Mussolini do hotel em que estava detido depois do golpe que o retirou do poder, em 1934) , foi para o Egipto no pós-guerra, onde criou uma "Gestapo" egípcia formada quase completamente por antigos oficiais das SS. De acordo com o autor, esta foi uma medida que recebeu forte apoio de Allen Dulles, então director da CIA, numa operação envolveu a Irmandade Muçulmana, na época associada aos nazis e que nos tempos mais recentes deu origem à al-Qaeda.
A ligação entre os muçulmanos radicais e os nazis, conforme explica Jim Marrs no seu livro "A Ascensão do Quarto Reich", começou com o fundador da Irmandade Muçulmana, Hassan al-Wahhab, que formou um grupo de juventude egípcia, dedicada à reforma social e à moral islâmica. Wahhab era um devoto seguidor de Muhammad ibn Abd al-Wahhab, o muçulmano do século XVIII que fundou a seita Wahhabi, que ensina que qualquer acrescento ou interpretação à lei islâmica posterior ao século X é falsa, devendo por isso ser erradicada de qualquer forma, nem que seja pela violência.
"Nos anos 20 havia um jovem egípcio chamado Al-Banna, de um grupo denominado a Irmandade Muçulmana. Al-Banna era um admirador de Adolf Hitler e escrevia-lhe frequentemente. Foi tão persistente na sua admiração pelo recém-criado partido nazi, que nos anos 30 a Irmandade Muçulmana tornou-se num ramo secreto dos serviços secretos nazis", diz Marrs, citando o antigo advogado John Loftus, que teve acesso quase ilimitado a vários documentos classificados dos Estados Unidos e da NATO. Nessa época, explica , "os nazis árabes tinham muito em comum com as novas doutrinas nazis de então. Odiavam os judeus, a democracia e a cultura Ocidental, pelo que se tornou uma política oficial do Terceiro Reich desenvolver secretamente a Irmandade Muçulmana como um exército no Egipto. Quando começou a guerra, a Irmandade Muçulmana prometeu que iria ajudar o general Erwin Rommel (comandante do Afrika Korps), assegurando-se de que não houvesse um único soldado inglês ou americano vivo, no Cairo ou em Alexandria". Apesar de terem falhado a promessa, os batedores árabes do exército alemão causaram sérios problemas às forças aliadas durante os combates no norte de África durante toda a guerra.
Depois da Segunda Guerra Mundial, escreve Jim Marrs, "a Irmandade Muçulmana e os seus aliados alemães foram procurados por crimes de guerra, uma vez que não eram considerados uma unidade militar tradicional, e depois de várias prisões no Cairo, os seus membros foram entregues aos serviços secretos britânicos que os contrataram para combater o recém-criado Estado de Israel".
Apesar de, segundo o autor, dentro da própria Mossad (serviços secretos israelitas) poucos saberem disso na altura, "muitos dos membros dos exércitos árabes e dos grupos terroristas que tentaram esmagar Israel logo no início, foram os árabes nazis da Irmandade Muçulmana. O que os serviços secretos britânicos fizeram então, foi "vender" os àrabes nazis à antiga OSS, que mais tarde se tornou na CIA, liderada por Allen Dulles. A ideia era usar os nazis árabes no Médio Oriente como um contra-peso aos árabes comunistas. No entanto, os egípcios ficaram assutados com a ideia e Nasser ordenou a toda a Irmandade Muçulmana que saísse do Egipto (1954), sob pena de prisão e execução. Durante os anos 50, a CIA evacuou os nazis da Irmandade Muçulmana para a Arábia Saudita".
Em 1979, a CIA atraiu fanáticos sauditas entre os membros desta Irmandade e enviou-os para o Afeganistão para combater os soviéticos. Num destes grupos, que uma vez fora do Afeganistão viria a ser conhecido como al-Qaeda, estava um jovem saudita, de nome Osama bin Laden. Após a retirada da União Soviética do Afeganistão, os sauditas não quiseram esses fanáticos de volta. Actualmente, conforme afirma Jim Marrs, "Existem muitos ramos muçulmanos radicais, mas são todos da Irmandade Muçulmana, um veneno que se espalhou pelo Médio Oriente e, após o 11 de Setembro, pelo resto do mundo".

 Saiba mais sobre a influência nazi no moderno terrorismo islâmico:

Ninguém mata mais islamistas que os próprios islamistas. Só numa coisa os islamistas estão de acordo. No ódio a Israel e aos judeus. Por ocasião de mais um dia da Memória do Holocausto, na TV egípcia, um "especialista" pratica o desporto preferido da seita: negar o Holocausto. NISTO ESTÃO SEMPRE DE ACORDO!

1 comentário:

  1. Ainda ontem estava a discutir isto com um amigo mais puxado à esquerda para quem isto é apenas o exército a tentar restaurar a ditadura militar e a executar sumariamente adversários políticos. Eu decidi puxar a minha costela de esquerdista e acusei-o logo de racismo e islamofobia. Ele olhou para mim com ar aparvalhado e respondeu-me "Desculpa? O que é que o cu tem a ver com as calças?". Respondi-lhe que o corão ordena a pena de morte para quem espalhar a corrupção na terra e que isso abrangia o o que a Irmandade Muçulmana fez - assassinatos, atos terroristas e contratar gandulos para violar mulheres. Logo, os egípcios estavam a seguir a sua religião e se ele estava contra só podia ser racismo ou islamofobia - epítetos com que ele regularmente me presenteia quando critico o islão. Respondeu-me com um contundente "Olha, vai à m3rd4, uma pessoa a falar de coisas sérias e tu a desconversar" e a conversa nunca mais voltou ao Egito:D

    Corão, 5ª surata, verso 33

    O castigo, para aqueles que lutam contra Allah e contra o Seu Mensageiro, e semeiam a corrupção na terra, é que sejam mortos, ou crucificados, ou lhes seja decepada a mão e o pé de lados opostos, ou banidos. Tal será, para eles, uma desonra neste mundo e, no Outro, sofrerão um severo castigo,

    Portanto já sabem, se alguém de esquerda vier com a história de "ah, e tal, os gajos no egito querem é ficar no poder, os sacanas do exército" façam ver que eles estão apenas a exercer livremente a sua religião e que qualquer crítica é islamofobia :D :D :D

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.