quarta-feira, 16 de abril de 2014

Al Qaeda: "Temos de eliminar a cruz!"

ACTUALIZAÇÃO: 
Raides com drones americanos no Iémen matam 43 suspeitos de terrorismo -  PÚBLICO 21/04/2014 
Os alvos foram um campo de treino da Al-Qaeda e um veículo onde viajaria um destacado dirigente daquela rede. 

Jihadista da Al Qaeda: "Temos de eliminar a cruz... O portador da cruz é a América!"
Via Jihad Watch:

"Um novo vídeo mostra o que parece ser o maior e mais perigoso encontro da Al Qaeda dos últimos anos. E a CIA e o Pentágono, ou não sabem, ou não conseguiram fazer lá chegar um drone a tempo de os eliminar". Talvez estejam ocupados a satisfazer as exigências dos grupos islâmicos pró jihadistas que operam nos Estados Unidos - grupos muçulmanos ligados ao Hamas e à Irmandade Muçulmana. Talvez estejam demasiado ocupados a assegurar à população norte-americana que esses grupos jihadistas têm intenções benignas, e por isso não estejam disponíveis para prestar atenção a isto:

"Vídeo inquietante mostra grande reunião da Al Qaeda no Iémen" 
Barbara Starr para a CNN, 16 de Abril (Clique na hiperligação para ver o encontro dos terroristas)

    Washington (CNN) - Um novo vídeo mostra o que parece ser o maior e mais perigoso encontro da Al Qaeda dos últimos anos. E a CIA e o Pentágono, ou não sabem, ou não conseguiram fazer lá chegar um drone a tempo de os eliminar.


    As autoridades dos EUA não comentam, mas o vídeo está a ser analisado.

    No meio do vídeo, o homem conhecido como o príncipe herdeiro da Al Qaeda, Nasir al-Wuhayshi, aparece descaradamente, a céu aberto, cumprimentando os seus seguidores no Iémen. Al-Wuhayshi, o líder No. 2 da Al-Qaeda no mundo e chefe da Al-Qaeda na Península Arábica, disse que quer atacar os Estados Unidos. Aparece despreocupado ante a possibilidade de ser atingido por um avião-robô americano.

    O vídeo começou a aparecer recentemente em sites jihadistas, chamando a atenção das autoridades norte-americanas e de especialistas em terrorismo global. Autoridades norte-americanas dizem acreditar que é autêntico ....

    O vídeo mostra al-Wuhayshi abordando mais de 100 terroristas algures no Iémen, Cruickshank disse que se trata de um reduto rebelde na porção sudoeste da Península Arábica. O líder da Al Qaeda, segundo ele, está "a assumir um grande risco ao fazer isto."


   O terrorista não mediu palavras sobre sua missão.

    Em discurso para o grupo, al-Wuhayshi deixa claro que quer atacar os Estados Unidos  dizendo: "Devemos eliminar a cruz. ... O portador da cruz é a América!".


    Autoridades norte-americanas acreditam que o vídeo, sofisticadamente produzido, é recente. Algumas das caras dos terroristas aparecem pixelizadas. Existe a forte probabilidade de que estejam a tramar algum ataque em grande.

- Voltamos a lembrar que está a decorrer, enquanto você, amigo (ou inimigo) leitor, passa os olhos por este post, o maior genocídio da História da Humanidade. O site RESCUE CHRISTIANS relata em pormenor todo o horror que os cristãos estão a passar no mundo islâmico, nesta que é uma verdadeira "solução final" do Islão para com a "Cruz".

Obviamente que, para a mentalidade vigente, nada disto se deve referir, sob pena de sermos considerados "instigadores do ódio". Clique na imagem para aceder ao site do ex-terrorista islâmico e hoje cristão e activista pela Paz, Walid Shoebat:

http://rescuechristians.org/

Um excerto de uma de muitas histórias do genocídio dos cristãos às mãos da "Religião da Paz":
"Eles são um casal cristão no Paquistão, foram presos e brutalmente torturados pelos muçulmanos depois de falsamente acusados de blasfémia contra o Islão. Enfrentam a pena de morte.

Os polícias muçulmanos que sadicamente os atormentaram, ameaçaram o marido de que se ele não admitisse as acusações, atirariam a sua mulher completamente nua para a estrada.
Um filho do casal disse:
     "Eles forçaram o meu pai a admitir a acusação, mas o meu pai negou. Eles torturaram o meu pai e disseram que se ele não admitisse, então eles vão bateriam na minha mãe e a lançariam na estrada nua. Então, o meu pai admitiu."
Depois de suportarem tortura física e violência psicológica, ambos foram condenados à morte. O coração de Faraó endureceu-se, para arrancar o nome do Cristianismo e para acabar com os cristãos da Terra. Esta é a derradeira batalha pela sobrevivência.
Este casal foi caluniado, torturado, humilhado no grau mais terrível, e ainda assim eles não desistiram da causa de Cristo, nem aceitam converter-se ao Islão.

Assista a este vídeo em que os filhos e pai de Shafqat choram e imploram por ajuda de qualquer pessoa disposta a assumir a sua causa:

Já assistiu?  O vídeo tem poucas visualizações. Não são muçulmanos, não interessam a ninguém. Acima de tudo, o que é importante, é não ofender o Islão. Nomeadamente, deixando-o esmagar tudo e todos os que não se convertam. Um grande Allah Akbar, meus semelhantes!
"O silêncio em face do mal é o próprio mal. Não falar é falar. Não agir é agir".

Dietrich Bonhoeffer, pastor Luterano alemão, opositor e mártir do Nazismo

1 comentário:

  1. Qurão, 9:28-30

    28. Ó crentes, em verdade os idólatras são impuros. Que depois deste seu ano não se aproximem da Sagrada Mesquita! E se temeis a pobreza, sabei que se a Allah aprouver, enriquecer-vos-á com Sua bondade, porque é Sapiente, Prudentíssimo.

    O 9:28 explica que os não muçulmanos estão proibidos de entrar em Meca. Ora, na altura, a grande maioria da riqueza dos habitantes de Meca vinha de peregrinos não-muçulmanos, portanto Maomé tinha de os assegurar que eles não iam perder rendimentos. Como?


    29. Combatei aqueles que não crêem em Allah e no Dia do Juízo Final, nem se abstêm do que Allah e Seu Mensageiro proibiram, e nem professam a verdadeira religião daqueles que receberam o Livro, até que paguem de bom grado a Jizya (taxa ou tributo pago pelos não-muçulmanos dentro do Estado Islâmico) e se sintam submissos.

    Assim mesmo. Os pagãos deixam de entrar em Meca, mas para compensar os muçulmanos estão autorizados a atacar judeus e cristãos não só para obter despojos de guerra mas também para que estes paguem a jizya, um pesado imposto que não-muçulmanos a viver num estado islâmico tinham de pagar. No entanto, isto levantava alguns problemas: Maomé tinha afirmado anteriormente que muçulmanos, judeus e cristãos adoravam o mesmo Deus, portanto como justificar guerra baseada em diferenças religiosas?

    30. Os judeus dizem: Ezra é filho de Allah; os cristãos dizem: O Messias é filho de Allah. Tais são as palavras de suas bocas; repetem, com isso, as de seus antepassados incrédulos. Que Allah os combata! Como se desviam!

    Desta forma, afirmando que judeus e cristãos se desviaram da verdadeira fé. A ortodoxia islâmica afirma que todas as figuras bíblicas, profetas ou não, eram na realidade profetas muçulmanos que professavam o mesmo que Maomé. Nunca nenhum judeu acreditou que Ezra tivesse natureza divina. Quanto aos cristãos, a natureza divina e ressurreição de Jesus são a base da religião cristã. Fica aqui o Tafsir Ibn Kathir, um comentário clássico do Corão, acerca do 9:30:

    "Lutar com os Judeus e Cristãos é legislado porque são idólatras e descrentes. Alá o Exaltado encoraja os crentes a lutar os politeístas, Judeus e Cristãos descrentes, que proferem esta terrível afirmação e completas mentiras contra Alá, o Exaltado. Quanto aos Judeus, eles afirmam que Uzayr era o filho de Deus, Alá é livre daquilo que Lhe atribuem. Quanto à má orientação dos Cristãos acerca de Isa (Jesus), é óbvia."

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.