quarta-feira, 23 de abril de 2014

Hamas-Abbas, o que está por detrás?


"Compreendo que os Árabes nos queiram exterminar, mas eles esperam mesmo que nós cooperemos?" - Golda Meir
Os Árabes não esperam, mas muita opinião pública mundial, prisioneira do ódio ancestral ao judeu, da ignorância e da propaganda neo-nazi hippie new-age, islamista e da extrema-esquerda, condena veementemente que Israel se defenda, quando é atacado pelos terroristas e pelas nações terroristas que o cercam!


 A Autoridade Palestina pretende aliar-se ao grupo terrorista Hamas

Os "palestinos" ameaçaram, e "desameaçaram" desmantelar a Autoridade Palestina. 
  
Avi Issacharoff e Dan Margalit argumentaram que tal simplesmente não era uma hipótese realista, mas então Mahmoud Abbas encarregou-se de complicar as coisas ele mesmo:

"Se as negociações pararem, é o governo de Israel que vai assumir a responsabilidade da situação económica e do pagamento dos salários dos (palestinos) empregados, trabalhadores e agricultores, trabalhadores de saúde da educação, tal como aconteceu antes da criação da Autoridade, disse Abbas aos repórteres que visitavam o seu quartel-general em Ramallah."
"Também vão ter a responsabilidade pela segurança, ou seja, Israel vai assumir a total responsabilidade".
AFPHaaretz e Maan News relatam que o Hamas e a Fatah chegaram a um acordo de partilha de poder. Uma coligação de unidade nacional liderada por Mahmoud Abbas será formada nas próximas cinco semanas, novas eleições serão realizadas no prazo de seis meses, e a OLP será reestruturado para incluir o Hamas.   
 
Não é a primeira vez que um governo de unidade nacional tem sido anunciado pelas facções rivais, e em várias ocasiões anteriores tentativas para formar um governo entraram em colapso.


E a reacção de Israel? Abbas deve escolher entre Israel e os terroristas do Hamas.

Na realidade, não há diferenças entre AP e Hamas. Ambos glorificam o terrorismo. Ambos odeiam os judeus e ambos pretendem varrer Israel do mapa.

Os interlocutores de Israel para a "paz":

"Matar judeus é adorar Allah" 

Pela nossa parte, aplaudimos a resolução de Israel de não negociar com terroristas!

Israel não negoceia com terroristas. Israel (bem sei que me repito, mas é para entenderem), cabe dentro do Alentejo e ainda sobra espaço. Essa temível "potência expansionista" que é 1% do Médio Oriente, que teve direito a 12% (!!!) da sua terra na partição da "Palestina Britânica", e que é atacada pelos terroristas e pelas nações hostis todos os dias, é a única democracia do Médio Oriente, e ficaria indefensável se cedesse (ainda mais!) território - pela paz que os árabes nunca quiseram nestes anos todos. Hamas, Fattah, AP, o mundo islâmico, o mundo comunista e o resto dos nazis do mundo, não aceitam menos que a extinção de Israel e o extermínio dos judeus. Eles não colaboram. Nem os campos de extermínio, nem as fogueiras da Inquisição, nem milénios de perseguições atrozes os vergaram.


 O antissemitismo está vivo e recomenda-se!



Durante os recentes dias de Páscoa, os terroristas de Gaza atacaram Israel. Israel respondeu. Jornais como o DN "noticiaram" que "Israel atacou Gaza na sequência do acordo entre facções palestinas rivais". Outros já nem falam do assunto.


Entregar Gaza aos terroristas foi um erro histórico colossal! Já de lá partiram mais de 13 mil mísseis contra Israel. Imagine-se se Israel entregasse a Judeia e Samaria aos terroristas também? Quantas horas de vida teria? Este diagrama das Forças de Defesa de Israel explica o alcance e o perigo que os mísseis de Gaza representam para três milhões e meio de civis israelitas.


"24/03/2014 - Ontem, o primeiro-ministro do Hamas, Ismail Haniyeh, fez um discurso febril na frente de milhares de simpatizantes na Praça Saraya, na Faixa de Gaza. A mensagem: Os palestinos não devem e não vão parar de lutar por meio de actos terroristas contra o Estado de Israel. Haniyeh encoraja os palestinos a atacar israelitas inocentes e explicitamente traça um novo plano para usar túneis numa ofensiva contra Israel. O seu discurso também apela ao ataque contra Tel Aviv, enquanto milhares de apoiantes o aplaudem".
De notar a semelhança entre estes comícios e discursos, e os de Hitler.
Para mais da IDF:  
http://www.idfblog.com/
http://twitter.com/idfspokesperson/
http://www.facebook.com/idfonline/

P.S. - Hoje, uma usuária do Facebook que não sabe escrever uma palavra sem dar pelo menos um erro, acusou-me de "escrever bem", (a mim que apenas procuro não maltratar muito a Língua de Camões), debitou umas quantas lugares-comuns da propaganda Pallywoodesca, e preveniu-me de que não valia a pena eu responder, "pois não iria ler a resposta". Se eu tivesse 1 euro por cada pessoa que larga bombas verbais antissemitas e depois foge para não ouvir os FACTOS, estava razoavelmente abastado...De que interessa a verdade para quem escolheu o ódio atávico?

3 comentários:

  1. «...acusou-me de "escrever bem",»
    :-)
    Começo o dia a ler anedotas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acusou-me de escrever bem e de citar estatísticas e factos, veja bem! E que Israel é muito mauzão porque construiu a cerca de segurança, para não deixar entrar os terroristas. Não percebo a cabeça desta gente...

      I.B.

      Eliminar
  2. Exactamente: «PA president's proposal to declare West Bank under occupation»... mas não estava sob ocupação? onde está a esquerda filo-islâmica e as p*utas do PÚBLICO a irem a correr dizer a Abbas: "olhe, mas se não sabe já está sob ocupação"?

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.