quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Londres: esquerda e islamistas pelo Terrorismo


O Louçã e a malta ou o feliz casamento vermelho (extrema-esquerda) e verde (islamismo), no Reino Unido como em Portugal e no Mundo.

Anti-Semitismo e extremismo em demonstração aberta na cidade de Londres, a pretexto da visita do Primeiro-Ministro de Israel,  Benjamin Netanyahu, para um encontro com o Primeiro-Ministro Britânico, David Cameron. Apesar de se tratar de organizações terroristas, as bandeiras do Hezbollah e do Hamas ondularam ao vento. O Breitbart UK reporta a cena:
Arrieh A. Miller, director executivo  da  Federação Sionista, disse ao Breitbart London: “As bandeiras amarelas e verdes são as do Hezbollah, e há também as do Hamas, no reverso destas".
Brandir ostensivamente a bandeira de uma organização terrorista é crime passível de prisão, mas a Polícia parece tão desinteressada em tomar medidas em relação a estes manifestantes, como em relação ao homem que brandiu a bandeira do ISIS ao pé do Big Ben.
“Apresentámos queixa à Polícia e eles disseram que tomariam medidas. O Hezbollah é uma organização proibida no Reino Unido, uma organização terrorista proibida, tal como o Hamas, na União Europeia.” continuou Miller.

“Isto mostra qual o objectivo do protesto. A manifestação não é contra Netanyahu, nem mesmo contra Israel; é uma manifestação de apoio ao terrorismo.
“O que aqui vemos é uma aliança vermelha-verde, que é a dos socialistas alinhados com os pró-palestinianos e anti-Sionistas.

“A única coisa em que eles estão de acordo é no ódio a Israel. Eles não estão de acordo nos direitos da Mulher; não estão de acordo nos direitos dos gays; não estão de acordo no direito à educação. O que os une é o ódio a Israel, e é isso que se pode testemunhar hoje nesta manifestação.”

Este apelo expresso ao genocídio dos israelitas é apenas um pedaço das filmagens feitas em Downing Street, que expõem a verdadeira agenda por detrás dos protesto:



O The Times of Israel também comentou a presença deste indivíduo, que viria a ser detido, brandindo uma moeda e gritando aos manifestantes pró-Israel: "Vocês só percebem o dinheiro!"


Do extenso caudal de notícias que não podemos, por absoluta falta de tempo, trazer-vos, escolhemos noutro dia reportar a tendência pró-terrorista, anti-semita e islamista da Esquerda britânica:

Cai a Máscara do Anti-Sionismo 

Os velhos hippies, saudosos do Maio de 68 e dos amanhãs que cantam, descobriram em Israel um ódio de estimação, e no Islamismo a força que os poderá catapultar, finalmente, ao Poder.

Do artigo de Matti Friedman que este blogue traduziu e publicou, recuperamos esta passagem:

«Hoje, as pessoas no Ocidente tendem a acreditar que os males da nossa época são o racismo, o colonialismo, e o militarismo. O único país judeu do mundo fez menos danos do que a maioria dos países do mundo, e mais coisas boas - e ainda assim, quando as pessoas vão em busca de um país que simbolize os pecados da nossa era pós-colonial e pós-militarista enquanto vão em busca de um mundo de sonho pós-étnico, o país que escolhem é este.
Quando as pessoas responsáveis ​​por explicar o Mundo ao Mundo - os jornalistas - cobrem a guerra dos judeus como mais digna de atenção do que qualquer outra, quando eles retratam os judeus de Israel como o partido obviamente errado, quando eles omitem todas as justificações possíveis para as acções dos judeus e obscurecem a verdadeira face dos seus inimigos, o que eles estão a dizer aos seus leitores - queiram ou não - é que os judeus são as piores pessoas da Terra».
A extrema-esquerda gosta muito dos judeus. Desde que tenham sido passados pelos fornos da Inquisição ou pelos campos de extermínio nazi. 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.