domingo, 27 de setembro de 2015

Europa - regressa o antissemitismo de Estado

1. E O NAZISMO VOLTOU...


A História repete-se. O antissemitismo de Estado volta à Europa.


Joseph Goebbels foi o ministro da Propaganda de Adolf Hitler na Alemanha Nazi, um dos piores torcionários do regime, que exerceu severo controle sobre as instituições educacionais e os meios de comunicação. Diz-se que é dele a velha máxima da propaganda:
“Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”
Joseph Goebbels

O Nazismo foi oficialmente extinto, mas nunca morreu, e os seus métodos nunca cessaram de ser utilizados. O mundo islâmico, que foi um forte aliado do Nazismo, nunca digeriu a sua derrota, e continua a cultuá-lo e a usar a sua propaganda.

Mensagem em manifestação de rua islâmica: "FECHEM GUANTÁNAMO E REABRAM AUSCHWITZ". 

Organizações terroristas como o Hezbollah ou o Hamas usam a obra ficcional antissemita "Os Protocolos dos Sábios do Sião" como parte da sua ideologia e da sua "Constituição". O livro Mein Kampf, de Adolf Hitler, é best-seller no mundo islâmico e até está disponível nos quartos dos hotéis, como no Mundo Livre costuma estar A Bíblia.

Os exemplos de propaganda islâmica-nazi, e até os testemunhos de antigos nazis que o atestam, são inúmeros. O que não seria de esperar era ver-se a Europa, palco principal da II Grande Guerra e dos campos de extermínio nazis, embarcar de novo nos métodos Hitlerianos.


Europa nazi: primeiro marcaram as lojas dos judeus, depois levaram os judeus para serem mortos. Note-se, na foto de cima (Noruega), que a Terra de Israel, na época sob domínio britânico, era conhecida como Palestina.


2. O BOICOTE 
 
A União Europeia, o tal projecto de Paz e Humanismo, desejosa de agradar ao mundo islâmico (os muçulmanos são 1/4 da Humanidade, e têm petróleo), acaba de aprovar uma medida digna de Hitler:  Os produtos provenientes da Judeia e Samaria vão ser rotulados.



Como temos inúmeras vezes demonstrado, a Judeia e Samaria, erradamente chamada "Cisjordânia", não existia há 46 anos, e a "Palestina" é uma pura invenção. Não existiu, jamais, uma Palestina Árabe. A divisão de Israel pelo Mandato Britânico da Palestina já criou um Estado para os colonos árabes - a Jordânia!

Mas a repetição de mentiras, à moda da propaganda nazi, acabou por inculcar nas massas desinformadas a ideia de que Israel está a "ocupar" territórios alheios. 

O mapa e a História de Israel desde 1516

Para saber um pouco mais, leia ou releia o post 

DA ALDRABICE E DA POUCA VERGONHA!

Esta decisão de rotular produtos representa mais um passo na escalada europeia para regressar ao antissemitismo institucional mais feroz. Por enquanto marcam produtos, amanhã marcarão judeus. O Nazismo também começou assim.

 

Europa nazi: das lojas judaicas marcadas aos bancos de jardim marcados, só para judeus. Eis onde a Europa foi parar, apenas 70 anos depois.


Esta decisão da União Europeia vai causar problemas a israelitas e a "palestinos", a árabes e a judeus, a pessoas que trabalham, e que, como as outras pessoas, aspiram a uma vida calma, próspera e feliz.

Israelitas e "palestinos" trabalhando lado a lado numa fábrica da Judeia. Israel é a única democracia do Médio Oriente, mas é o único país da região que recebe sanções.  (Nati Shohat/Flash90)

Os impulsionadores deste boicote não têm a mínima preocupação com o bem-estar de ninguém. São movidos pelo ódio e/ou pagos por gente muito endinheirada que visa a destruição de Israel.

Este boicote é ainda mais infame e de má-fé quanto Israel - apesar de não dever absolutamente território nenhum a ninguém - não tem feito outra coisa senão dispor-se a ceder ainda mais do seu ínfimo território. Acontece que os "palestinos" continuam a não aceitar menos do que a extinção de Israel. Não apenas as lideranças terroristas, mas também os colonos árabes.

3. AGORA ATENÇÃO! VAMOS FAZER UMA EXPERIÊNCIA!

Vistam todos as batas, ponham os óculos de protecção, calcem as luvas, que vai fazer-se Ciência!...


Imaginemos, contudo, que a Judeia e Samaria não eram territórios israelitas de pleno direito. Imaginemos que eram de facto territórios sob disputa e com questões legais pendentes sobre a soberania. Não seria lógico e justo que as disposições aplicadas a Israel fossem aplicadas  a todos os países nas mesmas condições?

Vamos aplicar sanções aos produtos provenientes de territórios sob disputa? Vamos a isso!

Comecemos por Portugal: Olivença e Ilhas Selvagens, ambas reivindicadas por Portugal, Olivença na posse de Espanha. Vamos boicotar Espanha?

Por falar em Espanha: País Basco e Catalunha querem a independência, Marrocos quer Ceuta e o famoso Ilhéu da Salsa. Espanha quer Gibratlar, que é território do Reino Unido. Espanha mantém uma acesa disputa com Andorra sobre o Pico de  Montmalús, e mais umas quantas com outras tantas nações.

De Marrocos temos a questão do Saara Ocidental, pela qual ninguém se interessa. E isto é só aqui em casa e à porta de casa.


Vila de Olivença. Para quando o boicote a Espanha?

Se quer saber mais, a pouco fiável Wikipédia tem uma lista de territórios sob disputa ao redor do nosso planeta: AQUI. Porque não boicotá-los a todos?

A nossa esperança é que este tiro saia pela culatra e que mais pessoas façam questão de comprar os produtos marcados, e digam dessa forma que NAZISMO NUNCA MAIS!

4. APÊNDICE

Re-escrevemos o que recentemente aqui vos expusemos:

Este vídeo vale por todo este blogue:



 
Israel e o Mundo Árabe

Até o maior ignorante do Mundo percebe que o conflito NÃO É SOBRE TERRITÓRIO!
Nos últimos 15 anos, Israel tem oferecido repetidamente a independência aos "palestinos"  (NUNCA existiu nenhum Estado Árabe "palestino"; essa designação só começou a usar-se a partir de 1967, como parte da estratégia islâmica-soviética para extinguir Israel).
Nos últimos 15 anos, Israel tem oferecido repetidamente  a independência de quase toda a Judeia e Samaria, uma parte de Jerusalém e Gaza.
O que sucedeu em Gaza é significativo: Israel ofereceu esse território aos Árabes, em 2006. Em menos de 24 horas os árabes arrasaram tudo o que Israel lá deixou e que os tornaria uma Malásia do Médio Oriente, um Estado próspero e sempre com a companhia de Israel, uma potência global em cérebros.
Em vez disso, os habitantes de Gaza elegeram os terroristas do Hamas e dedicam-se desde então a bombardear Israel e a assassinar os seus cidadãos, ao mesmo tempo que vivem da "caridade" do Mundo - os líderes na opulência e o povo na miséria.

Quando a sua independência foi restaurada, em 1948, Israel abriu mão de 88% do seu território. A "Palestina" (ou como quiserem chamar-lhe) já existe: É A JORDÂNIA!

O actual governo liderado por Benjamin Netanyahu foi para as negociações de paz com a Autoridade Palestina em 2013 comprometendo-se previamente a fazer cedências territoriais e a uma solução de dois Estados. No entanto, mais uma vez os "palestinos" recusaram todas as ofertas (como fez o mega-terrorista Yasser Arafat em 2000 e 2001), levantaram-se e saíram da sala em vez de darem uma resposta (como fez o actual líder da Autoridade "Palestina", o também mega-terrorista Mahmoud Abbas, em 2008), e simplesmente cancelaram as conversações sem nunca terem negociado seriamente (como fez Abbas em 2014).
A resposta "palestina" às ofertas de paz de Israel:


NÃO, NÃO, NÃO, NÃO, NÃO, NÃO e NÃO! 

Vale a pena também olhar para este mapa, que mostra até onde Israel é capaz de ir em busca da Paz. Entre 1967 e 2011 Israel ofereceu mais de 2/3 do seu território em troca de Paz:

Se a senhora Björk conhecer outro país que tenha feito tanto, diga-nos, se fizer favor...
Os "palestinos" não estão interessados ​​numa solução de dois Estados. Há anos que afirmam repetidamente que só a extinção de Israel e a erradicação dos judeus da face da Terra os satisfará.
O supostamente moderado mega-terrorista Mahmoud Abbas (que ainda esta semana incitou a mais violência, dizendo que os israelitas estão a poluir os lugares sagrados de Jerusalém com os seus "pés sujos judeus") não irá jamais ceder, nem mesmo à pressão americana para reconhecer Israel como Estado judeu, não importa onde as suas fronteiras sejam traçadas.

Mais algum esclarecimento básico para a senhora Björk:

1920 - The year the Arabs discovered Palestine:
 https://www.youtube.com/watch?v=MM9tV4-Hg_A

Inventing the "Palestinian people"
https://www.youtube.com/watch?v=aYMviMHH0nc

A PALESTINIAN MYTH - The so said NAKBA
https://www.youtube.com/watch?v=cn4r7ZjG9Nc

Phantom Nation: Inventing the "Palestinians" as the Obstacle to Peace
https://www.youtube.com/watch?v=SH0w7dUBfnE
 https://palestineisraelconflict.wordpress.com/

https://www.facebook.com/ToBeOrNotToBeStupid
https://www.facebook.com/La.Palestine.Existe.C.est.La.Jordanie

1933 All Over Again?


http://amigodeisrael.blogspot.pt/2015/02/inventando-palestina-e-os-palestinos-1.html


http://amigodeisrael.blogspot.pt/2015/02/inventando-palestina-e-os-palestinos-2.html


http://amigodeisrael.blogspot.pt/2015/02/inventando-palestina-e-os-palestinos-3.html

http://www.mythsandfacts.org/index.as

Hamas minister: we are alien in Israel:
https://youtu.be/r1l5mRP_fzw

Azmi Bishara: There's no Arab «Palestine»: https://youtu.be/lzyx3Zt72QU

Hamas Interior Minister: We are Egyptians and Saudis, Allahu Akbar
https://www.youtube.com/watch?v=Bd3tA_dAl-A&spfreload=10

Egyptian TV Host Osama Mounir to Hamas Leaders: Dream on! You Belong in a Mental Asylum -
https://www.youtube.com/watch?v=5xuYcjubV7I

The Roots of Nazism in Radical Islam - PLO , Fatah , Hamas , Hezbollah & The Muslim Brotherhood - http://www.youtube.com/watch?v=B0SXaVKXPMA


THE NAZIS AND THE PALESTINIAN MOVEMENT - http://www.youtube.com/watch?v=VjARZPAcATM


Hitler and the Grand Mufti of Jerusalem - https://www.youtube.com/watch?v=7mkbBudJu1w



Nazism and Islam, an incovenient truth - https://www.youtube.com/watch?v=g9KqrRajY9Y

1 comentário:

  1. http://bancdjardim.blogspot.pt/2015/09/nao-podemos-ignorar.html

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.