sexta-feira, 11 de setembro de 2015

A Profecia de Kaddafi

INVASÃO E CAÇA ÀS BRUXAS

 

O ISIS (Estado Islâmico) controla a maior parte das cidades costeiras líbias, e ameaça invadir a Europa em breve. Os "migrantes" são a arma psicológica que antecipa o assalto final. Calcula-se que apenas 30% sejam efectivamente fugitivos, e que o resto venha à aventura. 75% são homens jovens. E vêm bem nutridos e fortes. Os outros, são terroristas, camuflados no meio da multidão. É o vale-tudo!

Os jornaleiros (quase toda  Imprensa)  e os politiqueiros (capitaneados pelo inenarrável António Guterres) multiplicam-se em louvores à invasão e em condenações a quem se lhe opõe. Na Europa, nos dias que correm, quem se atrever a abrir a boca contra a invasão islamista, corre sérios riscos. Não nos interpretem mal: somos absolutamente a favor de auxiliar os desvalidos. Mas somos também contra a infiltração de terroristas e a submissão do Mundo Livre.

Está aberta a caça às bruxas. O actor Pedro Barroso atreveu-se a questionar as prioridades da Europa, que abre as portas aos já famosos "migrantes" e se está nas tintas para os europeus que vivem na miséria. Está ser alvo de um linchamento moral, e a tentar salvar a carreira, multiplicando-se em desculpas.



PORQUE É QUE OS PAÍSES MUÇULMANOS NÃO QUEREM LÁ MUÇULMANOS

Israel (como não poderia deixar de ser) tem sido alvo de recriminações, por não abrir ainda mais as portas aos "migrantes". Acontece que Israel é 0,02% do mundo islâmico, em área. Os países islâmicos não recebem refugiados, e a Liga Árabe nem uma reunião fez para debater esta crise.
Este dirigente do Quwait explica porque é que o seu país não pode receber refugiados:

"Sai-nos muito caro e não podemos aceitá-los, porque eles vêm de um meio e de uma cultura diferentes. Têm problemas nervosos e não podemos integrá-los na nossa Sociedade."
Percebeu agora? É simples!

A IMINENTE INVASÃO DA EUROPA




Desfile dos imponentes Toyota Land Cruiser do ISIS/Estado Islâmico, na Líbia.

Já em Fevereiro de 2015, o Daily Mail, avisava:

"O ISIS ameaça mandar meio milhão de migrantes para a Europa como "arma psicológica", num eco arrepiante da profecia de Kaddafi, de que o Mediterrâneo "se iria tornar um mar de caos". As comunicações dos jihadistas mostram planos para esconder terroristas entre os refugiados.
Em 2011, Muammar Kaddafi previu que "a guerra viria da Líbia". O ISIS ameaça inundar a Europa com meio milhão de migrantes provenientes da Líbia, num ataque "psicológico" contra o Ocidente. (...)
Muitos correrão risco de afogamento, a que os serviços de socorro são insuficientes para acudir. As autoridades temem que, se os números chegarem a essa escala, as cidades europeias possam testemunhar tumultos.
Os terroristas do ISIS esperam consolidar o seu controle sobre a Líbia, e em seguida, atravessar o Mediterrâneo disfarçados como refugiados, de acordo com os serviços anti-terrorismo europeus, conforme relatado pelo Telegraph.

21 cristãos egípcios foram decapitados na Líbia, pelo ISIS. Após este acto terrorista, o Egipto bombardeou furiosamente o ISIS na Líbia.

O Ministro italiano do Interior, Angelino Alfano, disse  que a Líbia é "prioridade absoluta" e insistiu que não "nem um minuto a perder" pela comunidade internacional:
"Se as milícias do Califado avançarem mais rapidamente do que as decisões da comunidade internacional, como podemos apagar o fogo na Líbia e conter os fluxos migratórios? Estamos em risco de um êxodo sem precedentes."(...)

Enquanto as atenções da comunidade internacional se centram na Síria e no Iraque, o ISIS exibe a sua força na Líbia, aqui bem às portas da Europa.

A população líbia saúda efusivamente os terroristas do ISIS.


 "VAMOS CONQUISTAR ROMA!"
O ISIS ainda não tinha feito incursões assustadoras na Líbia, quando Kaddafi fez essa profecia arrepiante, durante a sua última entrevista, em Março de 2011.

O ISIS tinge o Mediterrâneo com sangue de cristãos.
A revolta da Primavera Árabe provocou uma guerra civil na Líbia e as forças de oposição - apoiadas pela NATO - depuseram Kaddafi num golpe violento (...).
Quatro anos depois, o Estado Islâmico sequestrou 21 cristãos coptas egípcios em Sirte - cidade natal de Kaddafi - fez um vídeo horrível da sua decapitação nas margens do Mediterrâneo, a apenas 220 milhas ao sul da Itália. No vídeo de propaganda, os terroristas advertiram: "Vamos conquistar Roma".

 
As crianças saúdam os terroristas do ISIS, a força que será finalmente capaz de dobrar os "infieis". Faz muito lembrar o apoio ao Hamas em Israel.
Em resposta, os chefes de segurança italianos aprovaram planos para colocar 4.800 soldados nas ruas do país, para ajudar a prevenir ataques terroristas.

O Ministério do Interior disse que iria guardar "sítios sensíveis" (...) e os soldados já estão a guardar residências diplomáticas, sinagogas e escolas judaicas. As tropas também vão ser colocadas em locais turísticos, tais como sítios arqueológicos e monumentos.


Um tratado entre Kaddafi e o primeiro-ministro italiano previa patrulhas navais conjuntas que reduziam a saída de barcos de migrantes provenientes da Líbia.


Mas, como o déspota líbio previu, se ele fosse derrubado, os islamistas iriam explorar o vácuo de poder. (...) Kaddafi advertiu: "Se, em vez de um governo estável que garanta a segurança, essas milícias ligadas a Bin Laden assumirem o controle, os africanos deslocar-se-ão em massa em direcção
à Europa."


(...) o ex-presidente Giorgio Napolitano disse que o "maior erro" no período do pós-Kaddafi foi a "falta de envolvimento" da União Europeia no país.
Enquanto isso após ameaças directas sobre Roma, o comandante da Guarda Suíça do Vaticano disse que as suas forças estão prontas para defender o Papa Francisco se o ISIS tentar um ataque.


Têm sido várias as tentativas de assassinato do Papa Francisco, que só tem pedido aos terroristas um assassínio indolor (ao que isto chegou!).

UMA GAZA ÀS PORTAS DA EUROPA

Kaddafi previu que, sem o seu regime despótico, o norte de África se transformaria "numa imensa Gaza". A comprová-lo, e para além do crescente terrorismo islâmico e calamidades associadas que fustigam a Europa (gangues de estupro, mutilação genital feminina, crescendo de criminalidade, exploração dos contribuintes europeus, etc.),  vamos tendo todos os dias imagens e relatos de europeus que são atacados nas suas casas, assaltados e espancados nas ruas, ameaçados de morte. 

Aqui é na ilha grega de Lesbos, onde os habitantes vivem aterrorizados desde que chegou a invasão:



"Vivemos aqui há milhares de anos, agora chegaram estas pessoas, ameaçam as nossas vidas, apedrejam-nos, dão cabo da nossa vida.", diz um senhor. Exactamente o que se passa em Israel, invadido em 1920 pelos Árabes. A cultura islâmica não reconhece o direito de precedência. Quando os muçulmanos chegam, a terra torna-se muçulmana. É esse o problema de Israel.


Padre iraquiano: "Estado Islâmico é a verdadeira face do Islão"

Os Cagalhões Desprezíveis

Aylan Kurdi e a indignação artificial

(A propósito: a Imprensa "séria", que não se cansa de bombardear o público com a imagem do pobre menino Aylan Kurdi, não parece interessada em divulgar que o seu pai está a ser acusado de ser um contrabandista de "migrantes".)

Furiosamente ateístas, os adeptos da invasão islâmica defendem-na com um fervor religioso. Quem se atreva a sugerir que a Europa será islâmica dentro de poucos anos se a invasão continuar, vai parar à lista negra como "racista" e "xenófobo":


2 comentários:

  1. http://bancdjardim.blogspot.pt/2015/09/elementar-meu-caro-comissario-elementar.html

    E Kahdaffi era louco, mas não estúpido. No início da década de 80 já ele previra a inevitabilidade do que sucederia em 1990: a reunificação da Alemanha.

    ResponderEliminar
  2. Tarde demais 4000 já cá estão. Se não dominarem a europa pelas armas, será pela descendência... Tem filhos como ratas. São uns parasitas da sociedade, tarde verão o que estou a dizer

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.