sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Merkel reeleita - Prepare-se para a ascensão do 4º Reich


"Mutti! Mutti!" - Onde é que já vimos isto?... 

Merkel,  a  proclamada "Mãezinha" dos alemães e dos muçulmanos, vai ser reeleita. Avizinham-se tempos ainda mais sombrios...

Angela Merkel está agora a revelar o seu lado nazi e declarou: "Os dias de confiar na América passaram. Nós, europeus, devemos tomar o nosso destino nas nossas próprias mãos e lutar pelo nosso futuro".
Theodore Shoebat 
Merkel sabe exactamente o que está a fazer: é uma engenharia social para pôr os alemães a favor do militarismo. Com a absorção de migrantes do mundo islâmico, surgiu o terrorismo; e com o terrorismo veio um incentivo muito desejado pelo Estado alemão para aumentar a fabricação e industrialização. 
Como já disse antes, quando Merkel se tornou chanceler da Alemanha, ela sempre jogou a carta do anti-multiculturalismo, afirmando que o multiculturalismo alemão "falhou totalmente"
De repente, tornou-se pró-multiculturalismo, apoiando a absorção de um milhão de refugiados muçulmanos, com as palavras de "wir shaffen das" ("vamos conseguir"). 
Compare as palavras de Merkel contra o multiculturalismo com as suas próprias acções, e torna-se óbvio que ela sabia muito bem que as repercussões seriam desastrosas. Todo o governo alemão sabia que as consequências destrutivas iriam ocorrer. 
É evidente que o raciocínio por trás da absorção de refugiados não foi a compaixão, mas uma agenda política. A agenda é de manipulação social: causar raiva, raiva e frustração em massa, a ponto de que as pessoas desrespeitem todos os tabus históricos e políticos e busquem uma ideologia supremacista e fascista como a solução. 
Em Março deste ano, escrevi um artigo sobre como o governo alemão está a preparar o seu povo para começar a ver América, cada vez mais, como um inimigo. O nome do artigo foi: 
"O governo alemão está agora a planear o retorno ao militarismo e está a apresentar os Estados Unidos não mais como um aliado, mas como uma ameaça para a Alemanha. Prepare-se para a ascensão do 4º Reich"


O governo alemão está a mudar a sua visão dos Estados Unidos como um amigo, para os ver como um inimigo. Tudo está a acontecer no meio da tendência revitalizada do isolacionismo e do ultra-nacionalismo. 
O general Mattis advertiu recentemente a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) que os seus Estados da UE devem gastar mais com a sua própria segurança, ou então os Estados Unidos oferecerão menos apoio à defesa da Europa. 
Agora, os Estados da UE, para mostrarem aos Estados Unidos que podem lidar com a sua própria segurança, estão a comprar aeronaves e submarinos em conjunto, e possivelmente abrirão uma nova sede para tropas de elite. 
Os Ministros da Defesa da Alemanha e da França, afirmaram que comprarão aviões de transporte Martin C-130J. A Alemanha, ao lado da Bélgica e da Noruega, juntar-se-á a uma frota controlada pelos Países Baixos, composta por aviões-tanque Airbus A330. 
Rose Gottemoeller, vice-secretária-geral da OTAN, disse: "Esta cooperação multinacional através da OTAN é um caminho claro para que os países melhorem significativamente as suas forças armadas, garantindo o maior valor para o dinheiro dos seus contribuintes"
A França concordou em permitir que os jactos belgas e holandeses voem no seu espaço aéreo em caso de "um conflito com uma ameaça estrangeira". A Alemanha e a Noruega também concordaram em comprar uma nova classe de submarinos, conhecida como U212As, que detecta, rastreia e dispara contra submarinos e navios inimigos. 
A Alemanha também concordou em treinar tropas romenas e checas, com a Roménia e a República Checa preparadas para colocar milhares de soldados sob a liderança alemã. 

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, disse que os aliados enfrentavam um "ambiente de segurança mais exigente e desafiador", a que a aliança precisa responder. "Esta é uma maneira de tornar o que fazemos mais eficiente e aumentar a produção", disse ele sobre os acordos assinados. 
Essas acções estão a ser levadas a cabo sob a justificativa de que a Europa deve proteger-se, uma vez que não pode ser dada muita fé à segurança dos Estados Unidos. 
Parte da ameaça de Mattis em relação à UE foi: "O contribuinte americano não pode mais representar uma parte desproporcional da defesa dos valores ocidentais. Os americanos não podem importar-se mais com a segurança dos vossos filhos do que vocês mesmos".
Esta não é a primeira vez que os EUA pressionam os aliados da OTAN para gastarem mais em segurança, mas o que torna este instante diferente é que existe a percepção amplamente aceite do "America first" (“A América primeiro”) que vem conquistando a população. 
Por outras palavras, o isolacionismo está em alta. Como Trump declarou na sua inauguração, a América "subsidiou os exércitos de outros países, permitindo o muito triste esgotamento dos nossos recursos militares"
Essas declarações reflectem os sentimentos do clima político em mudança. O facto de a Alemanha e os Estados da UE agirem de forma cada vez mais independente dos Estados Unidos mostra que a UE realmente deseja providenciar a sua própria segurança sem a superintendência americana. 
O isolacionismo está a acontecer não apenas nos EUA, mas também na UE, com os políticos da UE pressionando cada vez mais pelo aumento da tecnologia militar. 
O que isto também mostra é que actualmente estamos a assistir a uma corrida armamentista cada vez maior. Este é um sinal de uma guerra iminente. 
O conhecido historiador da Primeira Grande Guerra, David Fromkin, escreve: 
"Olhando para trás, talvez a característica mais notável da paisagem internacional de pré-guerra tenha sido a aceleração da corrida aos armamentos. A empresa alemã de armamento Krupp foi a maior empresa única na Europa. ... Cada um ajustou os requisitos de mão-de-obra militar - a combinação de exército regular, conscritos e reservas de um tipo ou de outro - pelo menos, aos níveis dos seus adversários potenciais. A competitividade implacável alcançou o oposto do que se destinava. O acúmulo nas forças armadas visava alcançar a segurança nacional, mas enfraqueceu-a: a corrida aos armamentos, impulsionada por medos mútuos, acabou por tornar todos os grandes poderes da Europa radicalmente seguros ". 
Um regresso do militarismo alemão não é especulação, é algo que está a ser discutido no próprio governo alemão. Niels Annen, legislador dos social-democratas de centro-esquerda, expressou recentemente a sua preocupação com "um retorno à geopolítica na forma como a víamos no século XX e talvez no século XIX"
O Sr. Annen apontou para Steve Bannon como uma das principais figuras alimentando grupos fascistas na Europa, dizendo: "Alguém como o Sr. Bannon sentado na Casa Branca que tem contactos com grupos de direita, até fascistas, aqui na Europa ... é realmente preocupante"
Após a Segunda Guerra Mundial, a Alemanha realizou uma política de "pacificação" no mundo, mas, de acordo com Ulrich Kühn, membro da Carnegie Endowment for International Peace, a Alemanha está a chegar a um ponto em que não consegue continuar na senda do pacifismo. "Essa é uma boa ideia", disse Kühn, mas a Alemanha "está a ser confrontada com uma realidade na qual não podemos continuar assim".


Enquanto em público a Alemanha se refere aos EUA como um aliado, à porta fechada, a Alemanha prevê o dia em que verá a América como um inimigo. De acordo com um alto funcionário do governo alemão, que falou anonimamente, os funcionários alemães estão de facto a preparar-se para o dia em que os EUA serão vistos como uma ameaça para a Alemanha. 
De acordo com um relatório: "À porta fechada, de acordo com um alto funcionário do governo alemão, as autoridades estão a preparar-se para o dia em que Berlim poderá tratar o seu aliado de longa data como uma ameaça, exigindo mudanças radicais na política externa alemã"
Roderich Kiesewetter, ex-oficial militar que agora é legislador dos Democratas-Cristãos, está a pressionar a Alemanha para se tornar militarmente independente. Ele acredita que "não devemos esperar" para considerar a aceleração da independência militar. 
Kiesewetter exige uma "defesa europeia única contra a Rússia" e acredita que tal plano tornaria a Alemanha mais forte num conflito contra a Rússia em oposição ao actual status-quo
Este discurso não é aprovado apenas por alguns reaccionários. Falar sobre um retorno ao militarismo é generalizado em Berlim, como é relatado pelos analistas de políticos.


Roderich Kiesewetter.

--------------------------

Breve Comentário:
Um dos líderes partidários alemães criticando Trump: "Falando aos repórteres em Berlim, Schulz disse que Trump era o destruidor de todos os valores ocidentais", acrescentando que o presidente dos EUA está "a minar a cooperação pacífica das nações com base no respeito mútuo e na tolerância"
Assim, os valores ocidentais são: 
a) promover a ideologia de género e outras novidades da nova Revolução Cultural da extrema-esquerda
b) rejeitar o Cristianismo
c) fazer tudo para antagonizar a Rússia
d) inundar a Europa com dezenas de milhões de muçulmanos, com o terrorismo e a ruína financeira que daí estão a advir

Sem comentários:

Enviar um comentário

Os comentários estão desactivados pois o blogue está inactivo. As nossas desculpas por qualquer incómodo.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.