segunda-feira, 25 de setembro de 2017

A AfD (Aliança pela Alemanha) é anti-semita?


O AfD celebra a sua entrada no Parlamento alemão.

Após a entrada do Partido AfD - Aliança pela Alemanha - no Parlamento alemão, com cerca de 13% dos votos, a Imprensa global toca a rebate. Não há um jornal, uma TV, uma rádio que hoje não gritem alarmados que a extrema-direita chegou ao Parlamento.
E os mesmos jornalistas que regurgitam anti-semitismo todos os dias, vêm hoje até com "preocupações" de que a Afd seja anti-semita. 
É certo que a AfD, nas suas origens, albergou elementos e opiniões anti-semitas. Mas outros partidos há que omitem publicamente tais opiniões, mas tomam posições e adoptam políticas manifestamente anti-semitas. 
As apreensões dos judeus alemães parecem, felizmente, ter pouca razão de ser. E as prevenções dos jornalistas são mera hipocrisia e oportunismo. 
Um partido como a AfD é susceptível de atrair racistas, anti-semitas, nazis e outras pessoas menos recomendáveis. No entanto, a invasão islâmica promovida por Angela Merkel  é a primeira responsável pela ascensão deste partido.
Segundo algumas opiniões, Merkel deseja mesmo reabilitar a aliança Islão-Alemanha da Segunda Grande Guerra: 

O lado nazi de Angela Merkel


O Times of Israel publicou ontem um artigo de que transcrevemos alguns trechos:

Temido pelos judeus, o AfD de extrema-direita da Alemanha ama o Estado judaico, e os candidatos da alternativa nacionalista para a Alemanha, ridicularizados como anti-semitas, professam predominantemente posições pro-israelitas.

Manifestação de vários grupos de esquerda contra o partido de direita da Alemanha AfD (Alternativa para a Alemanha) em Berlim, Alemanha, 23 de Setembro de 2017. (AP Photo / Michael Probst).

O partido, ridicularizado e acusado de ter opiniões anti-semitas, xenófobas e nazis, apoia firmemente Israel, e é um dos vários partidos populistas de direita na Europa que tentaram fazer causa comum com Israel em relação ao terrorismo, valorizando o Estado judaico como um baluarte diante do extremismo islâmico. 
A maioria dos judeus alemães repudia o AfD como anti-semita, apontando para sua plataforma anti-imigração e anti-muçulmana e argumentando que quem é contra os muçulmanos e outras minorias, mais cedo ou mais tarde, procurará prejudicar as liberdades religiosas dos judeus. 
"É abominável que o partido do AfD, um movimento reaccionário lamentável, que recorda o pior do passado da Alemanha e que deveria ser proscrito, agora tenha lugar no Parlamento alemão de promover a sua vil plataforma", disse o presidente do Congresso Judaico Mundial, Ron Lauder. 
"Este resultado é um pesadelo tornado realidade", declarou Charlotte Knobloch, presidente da comunidade judaica de Munique e ex-presidente do Conselho Central de Judeus na Alemanha. 
"Com o AfD, a exclusão, o interiorismo, a agressão, o desprezo pela Humanidade, as teorias da conspiração, o nacionalismo 'volkisch', o neo-nazismo, a violação da Constituição, a negação do Holocausto, o anti-semitismo, o racismo, a anti-religiosidade, a hostilidade para os media e para a Europa, o revisionismo e o relativismo histórico passam para o Bundestag e seus órgãos nacionais e internacionais", disse ela.

Um apoiante do partido nacionalista AfD ergue um cartaz com os dizeres: "Protejam a Constituição de Merkel", enquanto a chanceler alemã Angela Merkel fala na campanha eleitoral do seu partido CDU em Bitterfeld, na Alemanha, em 29 de Agosto de 2017. (AFP Foto / Odess Andersen).

As declarações de altos funcionários da AfD sugerem o desejo de mudar a posição sobre a admissão de culpas da Alemanha pelo Holocausto e as opiniões outrora expressas , de admiração pelos soldados da Wehrmacht durante a Segunda Guerra Mundial. Apesar dos intensos esforços, os responsáveis do partido nunca conseguiram livrar-se da impressão de que este se tornou uma plataforma para anti-semitas, racistas e outros xenófobos.
No entanto, como muitos partidos de extrema-direita na Europa e em outros lugares, a AfD apresenta-se solidamente solidária com Israel.
De acordo com uma ampla sondagem encomendada por um grupo que promove as relações germano-israelitas, a maioria dos políticos da AfD professam preocupar-se profundamente com a segurança de Israel, apoiam a demanda do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu de que os 'palestinos' reconheçam Israel como um Estado judeu, rejeitam reconhecer unilateralmente um Estado 'palestino', e, no geral, apoiam uma relação mais forte entre Jerusalém e Berlim.

Um cartaz de campanha Alternativa para Alemanha  vandalizado, em Berlim  em 21 de Setembro de 2017. (AFP Photo / John Macdougall).

Mais de metade dos entrevistados da AfD disseram que concordam  "totalmente" com a afirmação de que o apoio ao movimento anti-Israel de Boicote, Desinvestimento e Sanções é anti-semita; nenhum outro grande partido teve uma tão forte oposição ao BDS. 
77% dos entrevistados concordaram com a afirmação de que o anti-sionismo é uma forma de anti-semitismo; 23% discordaram.

Cerca de 88% disseram que o 70º aniversário de Israel no próximo ano é um motivo para os alemães celebrarem, enquanto menos de 4% discordaram dessa afirmação. (Para comparação, nos social-democratas de Martin Schulz - que ficou em segundo lugar nas eleições nacionais, antes do AfD - 11% sentiram que o aniversário de Israel não era motivo para comemorar.) 
"As relações germano-israelitas são especiais, não só por causa da História, mas também porque Israel é a única democracia que funciona realmente na região", afirmou um membro do AfD. "Israel é a única democracia no Médio Oriente e tanto politicamente como de uma perspectiva cristã, é um país fraternal", opinou outro.
A grande maioria dos candidatos policiais do AfD (86%) também apoiam as exportações alemãs de armas para Israel. 
"Enquanto a Alemanha fornecer regimes islâmicos como a Turquia ou a Arábia Saudita com armas, não há razão para que Israel, como um estado democrático pró-ocidental, deva ser excluído das negociações de armas", disse Beatrix von Storch, porta-voz do partido.

Beatrix Von Storch da Alternativa para a Alemanha. (CC BY-SA, Wikimedia)

Jerusalém tem um relacionamento complicado com os partidos populistas europeus de extrema-direita, que prosperam no sentimento anti-muçulmano, mas abraçam com entusiasmo o Estado judeu.
MK Nachman Shai, um legislador da oposição que preside o Grupo de Amizade Parlamentar Israel-Alemanha, disse que as eleições democráticas da Alemanha devem ser respeitadas, mas, ao mesmo tempo, classificou-as como "um grande sinal de alerta" para Israel e para o povo judeu.
"O surgimento da extrema-direita na Alemanha é indicativo de humores perigosos que estão a crescer e a ficar mais fortes", disse ele. "A xenofobia, o racismo e o extremismo conquistaram uma parte significativa do público alemão e provam que o estrato democrático é frágil e vulnerável". 
Dois terços dos candidatos da AfD não acreditam que a presença israelita na Judeia e Samaria sejam o principal obstáculo para a paz. 
Três quartos dos políticos da AfD não querem que a Alemanha reconheça o 'Estado da Palestina' antes de que um acordo de paz com Israel seja assinado, enquanto 11% tendem a favorecer um reconhecimento unilateral. (Para comparar, 77% dos Verdes e 28% dos social-democratas tendem a apoiar o reconhecimento unilateral). 
Todos os candidatos da AfD disseram que a Alemanha deveria usar a sua ajuda financeira aos 'palestinos' para os pressionar a cessarem a sua incitação e glorificação do terrorismo. 
Dois terços disseram que "totalmente" não concordam com a decisão da União Europeia de rotular os produtos israelitas provenientes da Judeia e Samaria - ninguém expressou apoio à ideia (21% tendem a discordar da política e 12% não tinham opinião). 
69% "absolutamente" concordaram com a afirmação de que um tratado de paz abrangente deve incluir o reconhecimento de Israel como um Estado judeu. Apenas 3% "absolutamente" discordaram.

"O reconhecimento do direito de Israel a existir é pré-condição para toda solução pacífica do conflito árabe-israelita. Isso inclui enfaticamente o reconhecimento de Israel como um Estado judeu", disse von Storch. "Como qualquer outra nação, Israel tem o direito natural de proteger os seus cidadãos, garantir as suas fronteiras e salvaguardar a sua identidade cultural". 
No que diz respeito ao ensino do Holocausto, no entanto, a pontuação da AfD não parece tão grande. Enquanto 100% dos entrevistados do centro-esquerda, dos partidos de centro-direita e dos Verdes, disseram que "totalmente" concordam que é importante ensinar a geração jovem sobre a Shoah, na AfD, 38% "tendem a" concordar e 6% "tendem a" discordar.

------------------------------------------------------------

Nota sobre o último parágrafo do artigo do Times of Israel: 
Os partidos da Esquerda têm muito apreço pelos judeus... mortos. Mas só por aqueles que foram mortos pelos nazis, e a partir do momento em que a União Soviética deixou de ser aliada de Hitler. 
Já relativamente aos judeus mortos em massa pelos soviéticos ou aos cristãos mortos em massa pelos turcos, os partidos de Esquerda assobiam para o lado. Como assobiam com o presente Holocausto dos Cristãos.

 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.