quinta-feira, 27 de junho de 2013

"Nzingalis"




A propósito de um novo episódio de violência junto à escola Seomara da Costa Primo, na Amadora, escreve um leitor na caixa de comentários do Público:

«o Nzingalis vai acontecer, quer os tugas queiram, quer não. Já há apoio político, apoio social e jurídico. Só falta algum apoio militar. Vamos vencer.»

Como não faziamos ideia do significado de tal palavra, fomos ver de que se tratava. A concretizar-se este projecto, teremos que começar a ceder território a este grupo supremacista, terrorista e racista, como faz Israel em relação aos «palestinianos». E daqui a uns anos, a ver pela taxa de natalidade orgulhosamente exibida pelos «nzingalistas», teremos que lhes dar lugar. O paralelo parece-nos perfeito.

E sabeis o mais engraçado? É que há-de haver gente a ler este post e a concluir que EU sou o racista! Como o Robert Spencer. Foi o ponto a que o politicamente correcto chegou!


Denominam-se Nzingalis e dele fazem parte alguns africanos de segunda geração. E porque acreditam que a raça negra será a dominante daqui a 50 anos na área metropolitana de Lisboa, querem um Estado africano independente em Portugal chamado Nzingalis, em honra da rainha angolana Nzinga e em homenagem a Lisboa.


Um site (www.blackmind.com/hosting/nzingalis) é a porta de entrada para as aspirações destes jovens que escolheram a Internet para divulgar as suas ideias. Assumem a criação de um Estado africano na zona de Lisboa como uma inevitabilidade. 
Um Estado, cujas fronteiras, a Sul, chegariam a Sesimbra/Setúbal, a Este, a Benavente e Cartaxo e, a Norte, às Caldas da Rainha e Rio Maior. No seu interior ficariam, naturalmente, Lisboa, Cascais, Sintra, Setúbal, Almada e Torres Vedras.
Uma inevitabilidade que assumem por motivos de natalidade. Pelas suas contas, bastarão menos de 50 anos para a região de Lisboa e vale do Tejo se tornar «uma região de maioria negra». E, na lógica dos seus argumentos, Portugal nada poderá fazer para limitar esse crescimento, até porque também «já demonstrou que não consegue controlar a entrada de um numero crescente de imigrantes africanos».
Citando o exemplo de Portugal em relação a Espanha e a determinação de Portugal em conseguir a independência para Timor, os Nzingalis evocam o direito de autodeterminação. Um direito que, para estes, será conseguido a qualquer custo. «Será que os portugueses querem um novo "País Basco" aqui em Portugal?», afirmam.
Mas não só. Os Nzingalis evocam apoios internacionais e lembram que «no Kosovo, a NATO defendeu o direito dos Kosovares a uma pátria própria apesar do território do Kosovo ser historicamente Sérvio».
E, se o mesmo não acontecer em Portugal, «nós temos os milhões de irmãos afro-americanos nos Estados Unidos cuja influência nesta sociedade é cada vez maior (...) que não deixarão de nos vir ajudar, caso seja necessário».
O site tem vários links quer para partidos políticos portugueses, com excepção do PSD e do PP, movimentos cívicos, como a SOS Racismo e a Frente Anti-Racista ou ainda para «lutas irmãs», como é o caso do UÇK e dos Curdos.
O Diário Digital tentou contactar os Nzingalis por e-mail mas não obteve resposta. Contactou também a Frente Anti-Racista que não comentou o assunto. O Diário Digital apurou que os movimentos que defendem a criação de uma nação africana em Portugal são «acompanhados há algum tempo» pelo Serviço de Informações e Segurança (SIS).

1 comentário:

  1. "O silêncio em face do mal é o próprio mal. Não falar é falar. Não agir é agir".

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.