terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Obama aprovou mísseis iranianos para atingir Israel

Na sequência do post anterior:

Irão tem "permissão divina para destruir Israel"



Obama concordou com mísseis iranianos que podem atingir Israel
A análise das declarações iranianas mostra que os EUA, sob Obama, permitiram ao Irão desenvolver mísseis que podem chegar até Israel.De acordo com autoridades iranianas, a administração Obama deu o consentimento não-escrito nas negociações nucleares para o Irão desenvolver mísseis balísticos com uma faixa de apenas 2.000 km, capazes de atingir Israel, mas não a Europa, informou o MEMRI.Na semana passada, o Irão realizou um teste falhado de um novo míssil balístico, o Khorramshahr. Segundo relatos, o míssil explodiu após um voo de 965 km.


Todas as sextas-feiras, o tema principal dos sermões da teocracia iraniana é a destruição de Israel e dos judeus. Confira na nossa secção IRÃO.
O irmão Obama deu uma ajuda. Ver por exemplo:

"Destruição de Israel dentro de 11 dias"


Enquanto o Irão alega que o seu programa de mísseis é defensivo, os mísseis com um alcance de 2.000 km são estritamente ofensivos e estratégicos. 
Nos anos que precederam as negociações nucleares entre os EUA e o Irão, o Irão desenvolveu mísseis balísticos com faixas de 2.500 a 5.000 km, que ameaçam a Europa e até mesmo os EUA. 
O Dr. Hassan Abbasi, teórico do Corpo de Guardas Revolucionários Islâmicos do Irão (IRGC) e director do Centro de Análise da Doutrina de Segurança Sem Fronteiras do IRGC, disse em 2004:

"Temos uma estratégia elaborada para a destruição da civilização anglo-saxónica - os americanos e os ingleses".

No entanto, depois de as negociações entre os EUA e o Irão terem começado, e no final da sua primeira etapa em Genebra, em Novembro de 2013, os  funcionários iranianos começaram a relatar que o programa de mísseis do Irão estava restrito a um alcance de 2.000 km.


Alvo principal do Irão: IsraelNa verdade, os comandantes do IRGC enfatizaram que o objectivo mais importante para o regime era a capacidade de atacar Israel. 
O director da divisão aeroespacial e de mísseis do IRGC, Amir Ali Hajizadeh, disse, após um lançamento de mísseis em 2016: "Para nós, o mal de Israel é totalmente claro e os 2.000 quilómetros dos nossos mísseis [pretendem] enfrentar o distante regime sionista". 
Além disso, o ministro da Defesa Hossein Dehghan disse, em 18 de Agosto de 2015, em resposta à pergunta de um repórter sobre o fabrico de mísseis com uma extensão superior a 2.000 km: "Não produzimos mísseis com faixas superiores a 2.000 km".

A pergunta é então - a permissão dos EUA para o Irão desenvolver mísseis com alcance que pode atingir Israel, é um anexo secreto do acordo nuclear, ou simplesmente um consentimento não escrito?
Funcionários do IRGC sugeriram que as restrições ao alcance dos mísseis iranianos para chegarem a Israel, mas não à Europa, fazem parte do acordo nuclear com o Irão.

Obama capitula e mente

A nossa relação com o mundo é regulada pelos nossos interesses. Em Genebra os poderes mundiais renderam-se à vontade do Irão.

Obama dá a bomba H ao Irão



Por exemplo, o comandante do IRGC, Mohammad Ali Jafari, referiu-se ao acordo de 2 de Novembro de 2015, e comentou a Resolução 2231 do Conselho de Segurança da ONU, dizendo: "Um dos pontos desta resolução era a questão das restrições que alguns elementos militares temiam. Mantivemos reuniões no Conselho Supremo de Segurança Nacional [do Irão], e também fomos ao Líder [Khamenei]. A equipa de negociação [iraniana] disse aos ocidentais que não concordamos com essas restrições. Eles [os ocidentais] disseram que essas questões devem ser incluídas na resolução. Mesmo quando eu me encontrei com o líder, ele disse que não havia nenhuma limitação em desenvolver capacidades defensivas. A única restrição refere-se a mísseis nucleares, que, obviamente, nunca quisemos".

No dia seguinte, em 3 de Novembro de 2015, o chefe de gabinete do Exército iraniano, Hassan Firouzabadi, referiu-se às observações de Jafari, dizendo: "Confirmo as declarações do comandante do IRGC de que a actividade de mísseis do Irão não é restrita. Seguiremos duas restrições: a primeira é mencionada no JCPOA, em matéria de não planeamento nuclear, e a segunda é a faixa de 2.000 km, que já foi notada anteriormente por todos os elementos no Irão".

Estas declarações indicam que, embora a permissão dada ao Irão para desenvolver mísseis capazes de atacar Israel provavelmente não seja um anexo secreto do JCPOA, ela constitui consentimento não escrito que é parte integrante do acordo nuclear.

É conveniente que ambos os lados não publiquem esse entendimento por escrito - para o Irão, porque ele rejeita qualquer referência pública ao seu programa de mísseis, que define como defensiva, mas de facto é ofensiva; e para a administração Obama, porque haveria repercussões se fosse revelado que tinha dado permissão ao Irão para desenvolver mísseis capazes de atacar Israel.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.