sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

História de Israel - Plano de Partição da ONU


Mais um post da série HISTÓRIA DE ISRAEL:

Bibliografia:
Stand With Us.  
Jewish Virtual Library 

Myths and Facts



Do plano de partição à invasão Árabe e à vitória israelita.
 Em 1947, um plano adoptado pela ONU previa uma solução de dois Estados para o conflito árabe-israelita. As raízes do Plano de Partição da ONU, também conhecido como Resolução 181, começaram aproximadamente dez anos antes.
Durante os distúrbios de 1936-1939 na Terra Santa, uma comissão britânica chegou à Palestina para examinar as causas do conflito. O chefe da comissão, Lorde Peel, depois de investigar a deterioração da situação na Palestina, sugeriu a solução do problema através de um plano de divisão, a primeira vez que tal plano tinha foi recomendado. Seu relatório ficou conhecido como a Comissão Peel.
A comissão britânica aceitou a recomendação. A comunidade judaica em Israel estava intensamente dividida sobre o assunto, porque o proposto "Estado Judeu" era uma pequena percentagem da terra na Palestina, mas muitos eram a favor. A comunidade árabe, no entanto, imediatamente a rejeitou, pois o plano implicava a aceitação de um Estado judeu, além de forçar os árabes residentes nas cidades judaicas a viverem sob o domínio judaico. A Comissão Peel, embora nunca promulgada, foi o precursor do Plano de Partição posterior.

A emissão do "Livro Branco" britânico de 1939 deteriorou ainda mais as relações entre o governo britânico e o Israel pré-estatal. O Livro Branco limitou severamente a imigração judaica para Israel, renunciando essencialmente à Declaração de Balfour, que apenas duas décadas antes havia prometido o compromisso da Grã-Bretanha de estabelecer uma pátria judaica na Palestina.
Mesmo depois de as atrocidades do Holocausto se terem tornado conhecidas, a Grã-Bretanha recusou-se a levantar as restrições de imigração. As comunidades judaicas em Israel começaram a retaliar contra os britânicos. Um colapso entre os governos britânico e americano sobre como facilitar a paz e dividir a terra foi a última gota. A Grã-Bretanha recomendou que a questão da Palestina fosse entregue à ONU.

As Nações Unidas nomearam uma comissão especial para lidar com esta delicada situação. A comissão, chamada Comité Especial das Nações Unidas para a Palestina, ou UNSCOP, iniciou três meses de investigação e audiências em 1947. No final, publicou o relatório, com a recomendação endossada pela maioria dos países participantes de que Israel fosse dividido em um Estado judeu e um Estado árabe, com Jerusalém permanecendo neutra, sob o controlo internacional.

 A Resolução 181 da Assembleia Geral das Nações Unidas pediu a divisão do Mandato da Palestina, governada pelos britânicos, para um Estado judeu e um Estado árabe. Foi aprovado em 29 de Novembro de 1947 com 33 votos a favor, 13 contra, 10 abstenções e um ausente . A resolução foi aceite pelos judeus na Palestina, mas rejeitada pelos árabes na Palestina e nos Estados árabes.

O mapa proposto assemelhava-se a um quebra-cabeças. Os limites eram baseados em dados demográficos, com o Estado Árabe e o Estado Judeu recebendo terras que continham a maioria de suas respectivas populações. No entanto, as comunidades judaicas estavam dispersas por toda a terra, e as linhas de demarcação serpenteavam para cima e para baixo do país. Além disso, os padrões de vida mais elevados nas comunidades judaicas em relação às comunidades árabes haviam atraído muitos árabes, o que significava que o Estado judeu teria uma população árabe significativa - algo que não deixou felizes nem os judeus nem os árabes. A comunidade judaica existente em Jerusalém foi colocada numa posição precária - essencialmente apátrida, e cercada de todos os lados por comunidades árabes hostis.

De acordo com a recomendação, o Estado judeu seria composto pela terra que se estende de Haifa até Rehovot, a Galileia Oriental, e o Negev, incluindo Eilat. O Estado árabe incluiria a Galileia Ocidental, a cidade de Acre, as terras altas da Samaria e Judeia e a costa sul de Ashdod através da Faixa de Gaza. Os árabes receberam a maioria das fontes de água. Os judeus receberam uma percentagem maior do território sob Mandato Britânico, para acomodar o crescimento projectado na imigração, mas grande parte do território era o Deserto do Negev, que não era cultivável.

A Agência Judaica criticou o plano, especialmente a exclusão da Jerusalém moderna, fora das muralhas da Cidade Velha, do Estado judeu. No entanto, a Agência e a maioria dos grupos judaicos aceitaram temporariamente o plano. Os árabes rejeitaram-no e opuseram-se a qualquer plano que reconhecesse o estabelecimento de um Estado judeu, especialmente aquele em que muitos árabes seriam "aprisionados" em terras controladas pelos judeus. E, como a maioria dos habitantes da Palestina ainda era, naquela época, árabe (cerca de 980 mil, enquanto os judeus estavam perto de 650 mil), os árabes alegaram que o plano violava os direitos da maioria.

No entanto, em 29 de Novembro de 1947, a resolução foi aprovada, com trinta e três países votando a favor, treze contra e dez abstenções.

 O vídeo da votação do plano de partição e da criação dos dois Estados:

 
- Votação da Resolução 181 das Nações Unidas:
Votos a favor: 33Dinamarca, Equador, Eslováquia, Espanha, Nicarágua, Nicarágua, Nicarágua, Nicarágua, Nicarágua, Nicarágua, Nicarágua, Nicarágua, Nicarágua, Nicarágua, Nicarágua, Peru, Filipinas, Polónia, Suécia, Ucrânia, União da África do Sul, EUA, URSS, Uruguai, Venezuela.

Contra: 13

Afeganistão, Cuba, Egipto, Grécia, Índia, Irão, Iraque, Líbano, Paquistão, Arábia Saudita, Síria, Turquia, Iémen.

Abstenções: 10

Argentina, Chile, China, Colômbia, El Salvador, Etiópia, Honduras, México, Reino Unido, Jugoslávia.

A luta começou imediatamente, no próprio dia da votação. As comunidades árabes na Palestina instigaram uma "guerra civil", provocando e atacando os moradores judeus. Os consulados israelitas da Polónia e da Suécia, que votaram a favor da proposta, também foram atacados. Entre Novembro de 1947 e Fevereiro de 1948, a "guerra civil" na Palestina matou ou feriu centenas de judeus, árabes e também os britânicos, que tentaram fornecer algum tipo de segurança.
O Plano de Partição da ONU nunca se concretizou. Em 14 de Maio de 1948, um dia antes de o Mandato Britânico ter terminado, Israel declarou a sua independência. Imediatamente, as nações árabes vizinhas atacaram o país recém-nascido, e Israel foi empurrado para uma guerra com as nações vizinhas estabelecidas, uma guerra pela sua sobrevivência, quando ainda nem forças armadas possuía.


Após a guerra - que Israel venceu, contra todas as chances - o Estado Judaico assinou tratados de paz com os seus vizinhos árabes. Israel foi capaz de aumentar o seu território em mais de cinquenta por cento, em comparação com o que lhe tinha sido atribuído no Plano de Partição. O Egipto manteve o controle sobre a Faixa de Gaza, e a Jordânia controlava a chamada Cisjordânia (Judeia e Samaria), incluindo a Cidade Velha de Jerusalém. A região das Colinas de Golan estava nas mãos da Síria. No entanto, além do Negev e do litoral de Haifa até Rehovot, Israel controlou a Galileia, e ganhou terra na área do Mar Morto.

-------------------------------------

É importante que se entenda que NUNCA existiu uma Palestina Árabe:


- De 1516 a 1917, a Terra de Israel esteve sob o domínio Turco, como grande parte do Médio Oriente. Os judeus lá continuavam, onde estão desde ha 5 mil anos, pois são o povo nativo.
- Entre 1918 (final da Primeira Grande Guerra), a Terra de Israel esteve sob Mandato Britânico.
- Os Árabes invadiram Israel em 1920, para prevenir a restauração da independência de Israel. O resto da História veremos nos próximos capítulos. 
- Mapas como este, divulgados pelo Al-Público e outros órgão islamistas, são revisionismo histórico, e grosseiras MENTIRAS:





Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.