segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Irão tem "permissão divina para destruir Israel"




Irão: Podemos bombardear Tel Aviv em 7 minutos
Um alto funcionário iraniano ameaçou atacar Israel imediatamente se os EUA atacarem a República Islâmica. 
Um membro sénior da Comissão de Segurança Nacional e Política Externa do Parlamento iraniano e ex-oficial da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) alertou que Teerão preparou as suas forças para a guerra e alcançou "grandes conquistas" no seu programa de desenvolvimento de mísseis balísticos. Se for atacado pelos EUA, o Irão imediatamente retaliará, disparando um míssil contra Tel Aviv, afirmou.
"E são necessários apenas sete minutos para que o míssil iraniano atinja Tel Aviv", disse Mojtaba Zonour, ex-assessor do Representante do Líder Supremo do Irão, no sábado à noite, de acordo com a Fars News do Irão.
"O Nobre Corão permite que a República Islâmica do Irão destrua Israel", disse ele, acrescentando que "mesmo se o Irão desistir do seu programa nuclear, isso não enfraquecerá a determinação deste país em destruir Israel".

Irão ameaça arrasar base militar dos Estados Unidos
Zonour ameaçou ainda que a "menor agressão" dos EUA conduzirá o Irão a "arrasar" a base militar americana no vizinho Bahrein.
"A quinta frota do Exército dos Estados Unidos ocupou uma parte do Bahrein e a base militar mais distante do inimigo está no Oceano Índico, mas esses pontos estão todos dentro do alcance dos sistemas de mísseis iranianos e serão arrasados ​​se o inimigo fizer uma erro", afirmou ele ameaçadoramente.
As suas declarações vieram depois de o presidente Donald Trump ter autorizado novas sanções contra o Irão e depois de o conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Michael Flynn, ter oficialmente "posto o Irão em alerta" após o mais recente teste ilícito de mísseis da República Islâmica.

O Irão continua a fornecer armas aos terroristas do Hezzbollah, que estes usam para matar civis israelitas, continua a fazer testes ilegais de mísseis e a ameaçar destruir Israel.

No sábado, o general iraniano Amir Ali Hajizadeh, comandante da Força Aeroespacial, alertou Washington para "evitar acções hostis, ou esperar uma resposta dura".
"Se o inimigo cometer um erro, os nossos mísseis irão atingir os seus alvos", disse Hajizadeh a repórteres durante exercícios militares maciços apelidados de Modafe'an Harim-e Aseman Velayat (Defensores dos Céus de Velayat) na província de Semnan, no norte do Irão.
"Conhecendo as capacidades das nossas Forças Armadas, garanto que as ameaças estrangeiras não conseguirão prejudicar-nos", disse ele. Ele culpou Washington por atacar o Irão desnecessariamente sobre os seus testes de mísseis como "um pretexto para mostrar a sua animosidade em relação a nós. Nós estamos a fazer esforços 24 horas por dia para defender a segurança do nosso país e se o inimigo se atrever a cometer qualquer erro, os nossos mísseis pousarão rugindo sobre eles".


Irão usa fundos dos EUA para expandir o seu poderio militar, diz analista

 
Os 1,7 biliões de dólares em dinheiro que a administração Obama pagou ao Irão em Setembro de 2016 está a ser usado pela República Islâmica para expandir significativamente o seu poderio militar, diz o Dr. Nimrod Raphaeli, analista sénior do Instituto de Pesquisa de Media do Médio Oriente  (MEMRI).
Os legisladores americanos criticaram os pagamentos, que consideraram chantagem, uma acusação que a administração Obama rejeitou. Citando o status do Irão como o principal Estado patrocinador do terrorismo, os Republicanos também alegaram que o dinheiro será usado para financiar o terrorismo em todo o mundo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.