quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

O Ano Novo das Árvores com crianças especiais (e mais...)


Os voluntários do MDA-Juventude ofereceram às crianças com necessidades especiais um dia especial e divertido na celebração de Tu b'Shvat, o "Ano Novo das Árvores" de Israel.

O Tu b'Shvat é um dia de alegria em Israel, em que é costume as famílias e grupos irem plantar árvores e passear pelos campos agrícolas.

Jovens voluntários da Magen David Adom (MDA), serviço nacional de Israel responsável pelo atendimento pré-hospitalar de emergência e serviços de sangue, receberam crianças com necessidades especiais para a celebração do Tu b'Shvat, proporcionando-lhes um dia especial e divertido, com actividades excitantes, calor e abraços.

O programa acontece anualmente em cooperação com o Fundo Nacional Judaico, que se tornou um líder ambiental global.

Assista a este vídeo:

 Via UNITED WITH ISRAEL
Em contraste, as crianças árabes que estão sob a jurisdição do Hamas em Gaza ou da "Autoridade Palestina" de Mammoud Abbas, são doutrinadas no ódio e convidadas ao "martírio".
Por muito que  isto entusiasme a extrema-esquerda e a extrema-direita anti-semitas, trata-se de roubar o futuro e a dignidade às crianças. Mas os anti-semitas ralam-se tão pouco com as crianças árabes mandadas morrer matando, quanto adoram ver judeus serem mortos.

Menino palestino aprende a ser um terrorista
A "Autoridade Palestina" continua a incitar ao terrorismo e ao "martírio", começando com a educação das crianças.

Duas vezes este mês, o programa infantil da Televisão da "Autoridade Palestina", The Best Home, faz com que crianças pequenas recitem poemas que encorajavam a violência.

Um poema, por exemplo, exorta os palestinos a buscar a morte, enfatizando que, se se é um membro da Fatah, o partido do líder Mahmoud Abbas, "o nosso sangue é alimento para a revolução".

"Por ti, Yasser Arafat [fundador da OLP e antecessor de Abbas], por ti morreremos", diz o menino.
Clique abaixo e ouça palavras de profunda violência recitadas por uma criança, de voz infantil, e os aplausos que ela recebe dos seus mentores adultos.

Agora que na Europa e em todo o Ocidente proliferam as mesquitas que fazem a mesma doutrinação no ódio, é tempo de pormos a mão na consciência e tentarmos entender que Israel não é o mau da fita - tanto quanto nós, o mundo não muçulmano, não somos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.