sábado, 23 de abril de 2016

Bélgica - Muçulmanos dançaram para festejar massacre


O primeiro-ministro Charles Michel confirmou que houve muitas manifestações de apoio de muçulmanos aos ataques de Bruxelas.

"O Conselho de Segurança Nacional relatou manifestações de apoio aos ataques em diferentes partes do país. É um facto", confirmou no domingo Cauderlier Frederick, porta-voz do primeiro-ministro Charles Michel, citado pelo La Libre e pelo DH , em resposta às observações do Ministro do Interior, Jan Jambon, publicadas no sábado no jornal flamengo De Standaard.
(...)
Agora repare como o Primeiro-Ministro da Bélgica leva um puxão de orelhas dos muçulmanos,que assim demonstram que são eles, na prática, quem manda na Bélgica:
"Esses são factos que não podem ser negados por nenhuma forma de idealismo", disse o Primeiro-Ministro. Mas aos seus olhos, o Ministro do Interior não quis generalizar.
O Primeiro-Ministro Michel foi questionado pelos deputados socialistas Ahmed Laaouej e Emir Kir sobre as declarações do ministro Jambon, para saber se as subscrevia.
No final da tarde, depois de sair de uma reunião com o primeiro-ministro e os ministros seniores do governo, incluindo Jan Jambon, uma das organizadoras da marcha contra o terror, Fátima Zibouh, preferiu, no entanto, destacar o espírito construtivo da reunião.
Fátima Zibouh disse que preferia passar a mensagem de "valorização da diversidade cultural, em vez de me deter sobre sound bites que ferem, o que afectou a comunidade muçulmana e Molenbeek".
Fonte e vídeo
Portanto: os muçulmanos matam, festejam, e nós ainda temos que lhes pedir desculpas!
A Bélgica e a Europa, hoje, invadidas pelo cancro islâmico (ver texto abaixo).
O Ministro do Interior belga, o flamengo e nacionalista Jan Jambon, disse no sábado, 16 de Abril que "uma parte significativa da comunidade muçulmana dançou por ocasião dos ataques." 
Ele vê nesta ocorrência uma evidência do fracasso político de integração de estrangeiros na Bélgica, como explica na entrevista ao diário flamengo De Standaard. (...) "Eles atiraram pedras e garrafas contra a Polícia e a Imprensa no momento da prisão de Salah Abdeslam. Esse é o verdadeiro problema."
"Os terroristas, podemos detê-los, removê-los. Mas eles são apenas uma pústula. Debaixo há um cancro muito mais difícil de tratar. Podemos fazê-lo, mas não do dia para a noite", diz ainda o ministro, que afirma dispensar o "pensamento politicamente correcto" e "chamar os bois pelos nomes."

Jambon também explicou que o "perigo" relacionado com a radicalização dos jovens das terceira e quarta gerações de imigração está agora "muito profundamente enraizado", porque a Bélgica "ignorou os sinais de aviso durante anos" . [...]
Fonte
Atentado terrorista islâmico: Primeiro-Ministro ouve ralhar dos muçulmanos porque o seu Governo admitiu que os muçulmanos festejaram a carnificina!

Há um ano, o Fernando avisava que o Islão tinha a faca e o queijo na mão. De "caso isolado em caso isolado", a Europa sucumbe sob o terrorismo, sob a jihad, sob o Islão. Daqui a um ano falamos. Se ainda não tivermos ido pelos ares em mais algum "caso isolado".

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.